Quase lá: SÃO PAULO: Cia. Madeirite Rosa apresenta espetáculo “A Luta”na Zona Oeste e na Zona Sul

De forma cômica, o espetáculo “A Luta” transita por temas presentes na vida de trabalhadoras, inspirando-as à reflexão. O espetáculo será apresentado no Jardim Ivana (Zona Oeste), no Grajaú (Zona Sul) e na Fundação Casa Chiquinha Gonzaga, na Zona Leste de São Paulo

Cia. Madeirite Rosa apresenta “A Luta” no Instituto Paredão e no Pagode da Madrinha

A Cia. Madeirite Rosa ( @madeiriterosa ) está realizando uma grande temporada que celebra os seus dez anos de trajetória. No mês de julho de 2024, o grupo segue com sua Mostra de Repertório apresentando o espetáculo “A Luta” em diferentes lugares de São Paulo.

No dia 16 de julho (terça-feira), às 18h, com entrada gratuita, o espetáculo será apresentado no Instituto Paredão, que fica no Jardim Ivana, Zona Oeste.

Em 27 de julho (sábado), às 15h, com entrada gratuita, a apresentação será no Pagode da Madrinha, que acontece em frente a UBS do Jardim Myrna, no Grajaú, na Zona Sul.

E no dia 31 de julho (quarta-feira), o grupo realiza uma apresentação fechada dentro da Fundação CASA Chiquinha Gonzaga, que fica na Vila Prudente, Zona Leste.

“A Luta” é um divertido espetáculo que aposta no riso e na identificação do público com as situações das cenas, como uma forma de fortalecer os vínculos de solidariedade e a imaginação coletiva.

Madeirite Rosa Foto de Suelen Dias 4

Entre músicas, narrativas e palhaçarias, duas oponentes se enfrentam em um ringue de boxe criando estratégias de sobrevivência. O grande embate entre a bem-sucedida Sra. S.A. Corporation e a faxineira do ringue, Maria da Luta, acaba por transportá-las a diferentes espaços do cotidiano e da imaginação, trazendo importantes reflexões sobre a vida das mulheres trabalhadoras em diferentes instâncias.

Feito para o público de todas as idades, o espetáculo foi construído a partir da recriação de gagues clássicas de palhaçaria, dando forma a discussões e questões sociais atuais.

A montagem também propõe uma investigação sobre espaços não convencionalmente teatrais e uma reflexão crítica sobre a representação das mulheres dentro de uma linguagem cômica.

Com “A Luta”, a Cia. Madeirite Rosa busca promover, por meio do teatro, da comicidade e da música, o encontro entre cena e público, em uma relação de cumplicidade. 

A apresentação faz parte do projeto “Cia. Madeirite Rosa 10 ANOS” contemplado na 17ª Edição do Prêmio Zé Renato para a Cidade de São Paulo.

Madeirite Rosa Foto de Suelen Dias 3a

Sobre a Cia. Madeirite Rosa

A Cia. Madeirite Rosa é composta por seis mulheres artistas e educadoras, e surgiu em 2013 com o intuito de investigar uma linguagem cômica crítica diretamente atravessada pela questão de gênero. Vindas de experiências com outros grupos de teatro, as atrizes reuniram-se em torno de experimentos cênicos e intervenções artísticas em espaços periféricos de grande circulação, como feiras, terminais urbanos, ruas e espaços de mobilização social – todos locais nos quais há o debate ou são observadas e vividas as diversas realidades de exclusão presentes na cidade de São Paulo.

“Observamos que rir conjuntamente das situações que promovem identificação pode fortalecer os vínculos de solidariedade e a imaginação coletiva, e aqui enfatizamos a necessidade de que, em uma sociedade desigual no que tange ao gênero, esses imaginários possam ser compartilhados a partir de e entre mulheres, e nunca reforçando estereótipos generalizantes”, comenta o grupo Madeirite Rosa.

O nome do grupo vem de “madeirite” – placa feita com restos de madeira de baixo custo, utilizada no cercamento provisório de obras, mas que passou a ser usada de forma permanente na construção de casas em determinadas realidades sociais. Nesse material, a coloração rosa é de uma tinta que dá força a essa frágil placa. O nome foi escolhido para dialogar com uma realidade de exclusão da cidade de São Paulo, onde o que é provisório acaba sendo apropriado como permanente, fruto da precariedade. Todas as  artistas do grupo eram militantes em ocupações por moradia no extremo sul da cidade de São Paulo, onde o material madeirite rosa era amplamente usado nas construções dos ocupantes.

Informações: www.facebook.com/madeiriterosa e www.instagram.com/madeiriterosa

Serviço: Mostra de Repertório 10 anos Cia da Madeirite Rosa

Com Cia. Madeirite Rosa

Espetáculo “A Luta”

Sinopse: Em um ringue de boxe enfrentam-se duas oponentes: a bem-sucedida Sra. S.A. Corporation e Maria da Luta, a faxineira do ringue. A mediação do embate é realizada pela Narradora e por Dra. Norma, a juíza. Entre músicas, narrativas e palhaçarias, Maria da Luta cria estratégias para garantir sua sobrevivência e vê o ringue transformar-se em diferentes espaços do cotidiano e da imaginação. Duração: 45 minutos. 

Classificação Livre - Grátis

Quando: 16 de julho de 2024 (terça-feira) - Horário: 18h 

Onde: Instituto Paredão - Endereço: Av Pujais Sabat, 01, Jardim Ivana, na Zona Oeste - São Paulo - SP

Capacidade: 300 pessoas. Acessibilidade: não possui. Não possui estacionamento

 

Quando: 27 de julho de 2024 (sábado) - Horário: 15h 

Onde: Pagode da Madrinha - Endereço: R. Dr. Juvenal Hudson Ferreira, 266 - Jardim Myrna - Em frente a UBS do Jd. Myrna, n Grajaú,  na Zona Sul - São Paulo - SP

Capacidade: 1000 pessoas. Acessibilidade: Espaço sem escada para acesso. Não possui estacionamento

 

Quando: 31 de julho de 2024 (quarta-feira) - Horário: 10h40

Onde: Fundação CASA Chiquinha Gonzaga - Endereço: R. Jupuruchita, 300 - Vila Prudente, na Zona Leste - São Paulo - SP

Apresentação fechada para a unidade

Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini - Whatsapp - 1199568-8773 - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...