Quase lá: Brasil Paralelo (extrema-direita) já gastou meio milhão de reais em anúncios contra aborto

Produtora de extrema direita tem máquina industrial de propaganda contra aborto: mais de cinco mil anúncios já foram veiculados na Meta.

 
Brasil Paralelo já gastou meio milhão de reais em anúncios contra aborto 

“O seu apoio à Brasil Paralelo pode impedir o aborto e salvar vidas”. Essa é uma das frases dos mais de 5 mil anúncios feitos pela produtora de extrema direita sobre o tema nas redes sociais desde agosto de 2020.

Um levantamento do Intercept Brasil com base nos dados da Biblioteca de Anúncios da Meta indica que a Brasil Paralelo tem investido significativamente em campanhas antiaborto nas redes sociais nos últimos anos.

Os dados revelam que, desde agosto de 2020, a empresa desembolsou no mínimo R$ 560,6 mil em mais de 5 mil anúncios mencionando a palavra aborto nas redes sociais.

Como alguns desses anúncios seguem ativos e a Meta fornece apenas uma faixa de valores, o gasto real pode ser ainda maior. Se somados os valores máximos de cada anúncio, divulgados pela própria big tech, esse valor pode chegar a R$ 1,131 milhão.

O ano de 2023 marcou o pico de investimento da produtora no tema, com um gasto total de R$ 389.100 em campanhas antiaborto, sendo que somente em outubro de 2023 foram gastos mais de R$ 200 mil.

Na época, o tema estava quente: no mês anterior, em 22 de setembro, a ex-ministra Rosa Weber havia pautado o tema no STF. Votou pela descriminalização do aborto nas primeiras 12 semanas de gestação.

Os anúncios mais caros sobre o tema feitos pela produtora custaram R$ 10 mil cada, valor que foi gasto pelo menos seis vezes, todos eles no segundo semestre de 2023. Cinco dos anúncios com maior valor foram direcionados a pessoas com mais de 55 anos.

As propagandas antiaborto da produtora apresentam estratégias complexas de segmentação de público e de narrativas. A maioria dos anúncios utiliza linguagem emocional e imagens impactantes para engajar o público.

Frases como “Ficar em silêncio não é uma opção” são recorrentes, apontando que, apesar de se posicionar como uma produtora de conteúdo, a intenção do grupo é mobilizar e engajar os espectadores em torno da causa.

Narrativa da Brasil Paralelo sobre aborto é a mesma do PL do Estupro

A linha abordada na máquina de propaganda da Brasil Paralelo alimentou muitas das teorias que circularam em apoio ao Projeto de Lei do Estupro, o PL 1904/24, que pretende equiparar o aborto após a 22ª semana de gestação ao homícídio.

Nesta semana, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, do PP, anunciou a criação de uma comissão para debater a proposta. Segundo ele, o grupo contará com representantes de todos os partidos e o debate será retomado no segundo semestre, após o recesso parlamentar.

A proposta de lei tem sido alvo de intensas críticas, tanto pelo seu conteúdo quanto pelo processo de tramitação. O projeto não só equipara o aborto ao homicídio, mas também impõe uma pena maior à mulher que realiza o procedimento em comparação à do estuprador. As críticas culminaram em manifestações de coletivos feministas nas principais cidades do Brasil, protestando contra o projeto que representa um retrocesso significativo na legislação sobre o aborto legal.

LEIA TAMBÉM:

Lira, em resposta às críticas, assegurou que o texto a ser aprovado na Câmara não trará retrocessos ou danos aos direitos das mulheres. “Quero reafirmar que nada nesse projeto retroagirá nos direitos já garantidos e nada irá avançar para trazer qualquer dano às mulheres”, afirmou.

Neste mês, a Brasil Paralelo defendeu abertamente o PL 1904/24. Nas redes sociais, a produtora fez posts afirmando que “a vida começa na concepção”, e diz que uma “campanha de desinformação” visa deturpar o projeto que “salva vidas”. Não foram veiculados anúncios específicos sobre o projeto – por enquanto. A máquina segue rodando.

Brasil Paralelo pagou R$ 25 milhões em quatro anos ao Facebook e Instagram

Os gastos da Brasil Paralelo não se restringem apenas a anúncios sobre aborto. Desde 4 de agosto de 2020 até 16 de junho de 2024, o valor total gasto em anúncios na plataforma da Meta chega a R$24.745.039.

Em seus termos de uso, a Meta diz que proíbe anúncios com desinformação, conteúdo chocante, sensacionalista, e situações de crise, temas sociais ou políticos controversos. Os anúncios de aborto da Brasil Paralelo praticamente gabaritam as restrições, mas a Meta parece não se importar muito com isso.

Os anúncios abrangem uma variedade de temas, refletindo a agenda ultraconservadora da produtora. Vários deles também se referem a temas ligados às questões de gênero, como homofobia, transfobia e violência doméstica.

A produtora tem em seu catálogo um documentário que traz a versão do agressor da ativista Maria da Penha – que dá nome à principal lei brasileira criada para coibir atos de violência doméstica. O documentário foi apontado como a causa de uma série de ataques e ameaças contra Penha, que precisou ser incluída no Programa de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos do governo do Ceará, no início de junho.

 

the intercept brasil 

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?




Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...