Quase lá: Povos de terreiro publicam carta em repúdio às medidas que atentam contra a população negra, como o PL do Estupro

Documento foi publicado ao final do terceiro Encontro Nacional da Cultura de Povos de Matriz Africana, em Belo Horizonte

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

povo terreiro foto MST Rafa Stedile

Outro ponto longamente trabalhado na carta é o avanço da extrema direita no Brasil e no mundo - MST/Rafa Stedile/Divulgação

 

Ao final da a terceira edição do ÈGBÉ - Encontro Nacional da Cultura de Povos de Matriz Africana, os organizadores do evento lançaram uma carta contra medidas do governo federal e projetos de lei que atentem de forma contrária, especialmente, aos direitos da população negra. 

Entre as propostas, o Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro-Brasileiro, a entidade organizadora, destaca o Projeto de Lei 1.904/2024, conhecido como PL do Estupro. O projeto equipara o aborto legal em casos de estupro, quando realizado acima de 22 semanas, ao crime de homicídio simples.  

No documento, a organização afirma que há uma “tentativa de monopólio fundamentalista cristão sobre os corpos das mulheres, sobretudo negras, a exemplo do Projeto de Lei PL1904 que criminaliza mulheres estupradas que abortam – em relação ao qual manifestamos nosso absoluto repudio, revogando direitos já consolidados historicamente pelos movimentos feministas”. 

A organização também denuncia o “boicote sistemático” contra a efetivação do ensino da história da África e das culturas afro-brasileiras e ameríndias no currículo escolar. “Um movimento de boicote sistemático à sua efetivação, que vai do parlamento até a gestão escolar, à mercê de educadores neopentecostais que não hesitam em boicotar, criando inúmeras dificuldades para a incorporação dessas temáticas no ensino”, afirma. 

Outro ponto longamente trabalhado na carta é o avanço da extrema direita no Brasil e no mundo, formando uma “frente política conservadora, antidemocrática, reacionária e autoritária, decidida a revogar direitos duramente conquistados nas últimas décadas”.  O documento aponta a atuação dessa frente em três pilares: econômico, ideológico e de políticas de Estado.

No primeiro, “tais grupos intentam aprofundar a lógica neoliberal no Brasil, aprofundando a submissão econômica e política da nação aos interesses dos oligopólios do capital especulativo, financeiro e transnacional”. Já no segundo, “a sustentação das políticas neoliberais se dá mediante a tentativa de tomada do aparelho de Estado, objetivando a redução da democracia a uma teocracia fundamentalista lastreada na visão de mundo polarizada de segmentos evangélicos neopentecostais racistas, que demonizam nossos povos e nos expõem à violência como nunca visto em nossa história republicana”.  

Por fim, em relação às políticas de Estado, “essa perspectiva ideológica se materializa na tentativa de retomada e de aprovação, no parlamento brasileiro, de projetos de leis anti-diversidade, cuja evolução fora interrompida com a vitória do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições presidenciais de 2023”. 

O terceiro Encontro Nacional da Cultura de Povos de Matriz Africana foi realizado entre os dias 14 e 16 de junho, em Belo Horizonte, na capital de Minas Gerais. O evento contou com a presença de pensadores, intelectuais e lideranças do movimento negro brasileiro: Bukassa Kabengele, Dulce Pereira, Edelamare Melo, Hédio Silva, Joelzito Araújo, Cida Bento, Sandra Manuel e Sheila Walker, entre outros nomes de grande destaque. 

Também com apoio e participação ativa de militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), o evento reuniu mais de 500 povos de terreiros de todo o Brasil. 

Edição: Nathallia Fonseca

 

fonte: https://www.brasildefato.com.br/2024/06/21/povos-de-terreiro-publicam-carta-em-repudio-as-medidas-que-atentam-contra-a-populacao-negra-como-o-pl-do-estupro


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...