Uma mulher dalit caminha descalça

ASHA THADANI

 

Na imagem acima, uma trabalhadora Dalit (anteriormente conhecidos como intocáveis) caminha com dificuldade passando por uma mina de carvão a céu aberto no estado de Jharkhand, na Índia, onde incêndios subterrâneos acontecem há mais de um século.

A fotografia faz parte de uma série em preto e branco intitulada "Broken", de Asha Thadani, que há sete anos retrata a vida de Dalits.

Os 200 milhões de Dalits da Índia encontram-se entre os cidadãos mais marginalizados do país, condenados aos escalões mais baixos da sociedade por uma rígida hierarquia de castas.

Cotas em instituições estatais para Dalits reduziram as lacunas na educação, renda e saúde. Os dalits agora possuem uma próspera câmara de comércio repleta de milionários. Muitas organizações defendem ativamente seus direitos. Dois Dalits já foram chefes de Estado.

Um número significativo de Dalits, no entanto, segue fazendo os trabalhos evitados por outros, como o descarte de animais mortos e a limpeza de esgotos.

linha cinza

Mulher dalit

Crédito, ASHA THADANI

Theyyam é um ritual religioso original da parte norte do Estado de Kerala.

A imagem mostra um artista Dalit theyyam do Estado, onde se acredita que esses dançarinos em transe incorporam as próprias divindades que veneram.

"Quando eles se tornam artistas de theyyam, eles se tornam contadores de histórias e representações vivas médias dos deuses. Embora o theyyam esteja enraizado no sistema de castas, durante a performance as castas superiores devem respeitar e obedecer o dançarino divino que é da casta inferior", diz Thadani.

Mulher dalit com um rato na cabeça

Crédito, ASHA THADANI

Os Musahars, que literalmente significa "pessoas rato", são tão pobres que sua dieta básica geralmente inclui ratos.

Uma comunidade Dalit no Estado de Bihar, os Musahars trabalham principalmente nas fazendas de proprietários de terra e ficam sem trabalho por até oito meses por ano.

Enfrentando o desafio de sobrevivência e dependentes da generosidade imprevisível dos proprietários de terra, os Musahars encontraram meios de subsistência alternativos, como o Nachaniya - um grupo de artistas de gênero fluido dentro da comunidade.

Esses artistas do sexo masculino, de 10 a 23 anos, vestem-se como mulheres e apresentam-se em casamentos em aldeias, especialmente durante a temporada de monções.

Mulher dalit

Crédito, ASHA THADANI

Em um hino visual à devoção, uma mulher Ramnami olha pensativa, próxima a uma porta, com o rosto e a cabeça raspada tatuadas com a repetição rítmica de "Ram" na escrita Devanagari, usada para escrever hindi - uma manifestação eloquente de canto em forma escrita.

A cada golpe da agulha de madeira, impregnada de tinta derivada da fuligem da lâmpada de querosene, emergem círculos concêntricos intrincados e padrões lineares, formando uma tapeçaria sagrada em sua pele. A tradição se estende a um xale, graciosamente colocado em seus ombros, com a palavra sagrada.

Nascidos de um ato de desafio do final do século 19, os Ramnamis do Estado de Chhattisgarh incorporam um protesto distinto, gravando a devoção tanto na pele quanto na alma - uma fusão atemporal de fé e identidade.

Mergulhador dalit.

Crédito, ASHA THADANI

Emergindo das profundezas sagradas do Ganges na cidade religiosa de Varanasi, um habilidoso mergulhador Dalit surge com moedas apertadas entre os dentes - uma imagem evocativa de uma vida tecida na narrativa do rio.

Conhecido como um 'Gotakhor' ou um mergulhador especializado, ele segura as moedas - ofertas de buscadores de absolvição - entre os dentes, deixando as mãos livres para navegar pela corrente do rio.

Os mergulhadores também são encarregados de recuperar os corpos de pessoas que se afogaram no rio e são compensados com álcool barato, de acordo com Thadani.

"Cada mergulho é um ritual, e cada moeda recuperada serve como uma oferta para facilitar a jornada simbólica através de águas difíceis", diz ela.

Mulher dalit tatuada

Crédito, ASHA THADANI

Em um canto de Bihar, essas mulheres Dalit resistiram às restrições de castas superiores às jóias, desenvolvendo uma forma única de adorno - as tatuagens.

Usando esterco de vaca, bambu, palha, galhos e folhas de palmeira para construir suas cabanas, elas transformaram as paredes em telas.

"Proibidas de retratar divindades hindus, elas encontraram inspiração na natureza. Hoje, suas pinturas são renomadas, servindo como fonte de subsistência e testemunho da criatividade e coragem dessas mulheres", diz Thadani.

Mulher dalit.

Crédito, ASHA THADANI

Essas mulheres são carpideiras profissionais, que praticam o antigo ritual de luto Oppari profundamente enraizado em uma comunidade de Dalits em Tamil Nadu.

Tradicionalmente realizado como uma resposta emotiva à perda de familiares próximos, Opparis são cantados em nome ou diretamente para a família em luto.

Essas mulheres são convocadas para lares onde a morte ocorreu, habilmente externalizando o luto em um ritual profundo.

A tarefa, considerada "poluente" e reservada para Dalits, desafia as normas sociais que associam a exibição externa do luto à fraqueza, uma percepção tradicionalmente reservada às mulheres.

Jovem dalit queimando cabeças de cabra

Crédito, ASHA THADANI

Shiva, de uma comunidade de Dalits em Karnataka, faz parte de um grupo que queima cabeças de cabra do lado de fora do mercado de carne na cidade de Bangalore.

As cabeças de cabra são processadas a fogo para remover a pele, facilitando a preparação e a venda do órgão mais caro - o cérebro. Esse processo é um passo necessário na preparação da carne.

Expostos ao calor escaldante, fumaça tóxica e poeira de carvão diariamente, os que fazem esse trabalho têm uma expectativa de vida de 35 a 45 anos. Os espetos de metal que são usados ficam extremamente quentes durante a queima, afetando a sensibilidade das mãos ao segurá-los durante todo o dia de trabalho.

O trabalho é realizado exclusivamente por Dalits do sexo masculino, alguns com idade entre 10 e 12 anos, que recebem um pagamento de 15 rúpias (18 centavos) pelo processamento de uma cabeça de cabra.

fonte: https://www.bbc.com/portuguese/articles/ced7pvz4dkzo

 


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...