Nascida na Bahia e criada em São Sebastião, no DF, a escritora e multiartista Nanda Fer Pimenta foi homenageada na Câmara dos Deputados e falou ao Correio Braziliense sobre seu trabalho

 Nanda Fer Pimenta foi uma das homenageadas em exposição na Câmara dos Deputados -  (crédito: Carlos Vieira/CB/D.A.Press)
Nanda Fer Pimenta foi uma das homenageadas em exposição na Câmara dos Deputados - (crédito: Carlos Vieira/CB/D.A.Press)
 
Letícia Mouhamad - Correio Braziliense
postado em 23/11/2023 06:00

'Escrevivendo', a poeta e multiartista Nanda Fer Pimenta ocupa espaços com suas palavras — existe e resiste. Muitos dos poemas falam sobre a conexão com sua ancestralidade. "É como uma flecha que me atravessa com várias outras histórias", compara.

Nascida na Bahia e criada na periferia de São Sebastião, no Distrito Federal, a jovem começou a escrever no ensino médio, participando de coletâneas de poesias da própria escola. Descobriu que para ser escritora precisava ter o poder de narrar suas vivências, sem ser podada por não ter uma formação acadêmica na área das letras.

No livro de estreia, Sangue, premiado na feira Dente de Ouro, Nanda explora o que lhe faltou como mulher preta periférica e mostra o que foi necessário sangrar para se tornar escritora, mesmo com a dor do racismo. Na segunda publicação, ela exibe o que foi curado dentro de si, fazendo alusão ao dendê, fruto encontrado em sua terra natal, que fortalece a vida com seu tempero ancestral.

"Sou uma mulher preta e tenho direito ao amor, não sou apenas resistência, sou existência", diz. Em um dos poemas, sem título, lembra que as suas mãos não foram feitas para servir. "Eu existo para além da dor, eu faço, eu crio, eu produzo e eu escrevo", completa.

Questionada sobre como anda a produção cultural do DF, a escritora aponta para uma expansão, em vista dos editais de incentivo aos projetos de artistas das periferias. "Tenho percebido uma descentralização da produção, devido a esse fomento", analisa.

Além de trabalhar com as palavras, Nanda é estilista e atua no movimento cultural da cidade desde 2012, participando também de projetos teatrais. A moda, para ela, vai além das tendências e do vestir. Representa momentos políticos e sociais, nos quais é preciso se perguntar que linguagem determinadas roupas transmitem e como seu consumo desenfreado tem impacto na sociedade. Daí a sua mobilização em torno do slow fashion, que valoriza a mão de obra e preza por produções sustentáveis.

Homenagem

Nanda Fer Pimenta foi uma das homenageadas, em 20 de novembro, na exposição Pensamento negro no Brasil: uma conexão ancestral, apresentada na Câmara dos Deputados, em comemoração ao Dia da Consciência Negra, que segue até 12 de janeiro. A proposta dos curadores Geane Gomes, Maíra Brito e Raphael Cavalcante foi reverenciar a trajetória de negros e negras no Brasil, fazendo um diálogo entre passado, presente e futuro.

Por isso, personalidades negras que abriram caminhos no direito, na saúde, nas ciências e na cultura — como o advogado Luiz Gama, o médico Juliano Moreira, a engenheira Enedina Alves Marques e a escritora Maria Firmina dos Reis — foram destacadas, ao lado de alguns sucessores que hoje se sobressaem nessas áreas.

"A poesia é o que sustenta muita coisa na minha vida, faz parte do meu dia a dia e se tornou minha profissão". Entre as inspirações de Nanda estão Conceição Evaristo, "uma mulher que nos abraça", comentou, e Cristiane Sobral, que publica pessoas pretas. Aos 32 anos, Nanda já lançou duas obras, Sangue, em 2018, e Dengo, em 2022, além de textos presentes em parcerias literárias.

Escrever sobre as próprias vivências é, para a autora Conceição Evaristo, que também foi homenageada, uma libertação, pois permite contar histórias singulares que remetem a experiências coletivas. 'Escreviver', portanto, significa compreender que o sujeito da literatura negra tem a existência marcada por sua relação e por sua cumplicidade com os outros. "Temos um sujeito que, ao falar de si, fala dos outros e, ao falar dos outros, fala de si", definiu a escritora no livro Becos da Memória.

Palavra de especialista

Conheça e inspire-se

Cristiane Sobral*

A produção artística de mulheres negras, na periferia do DF, cresce a cada dia em quantidade e qualidade, mostrando que a literatura negra fora dos grandes centros também é referência.

A título de representação, não só em Brasília, mas em demais contexto, é importante citar escritoras como Lydia Garcia, Cleudes Pessoa, Karla Kalasans, Adelaide de Paula, Norma Hamilton, Dora de Paula, Cida Pedrosa e Amanda Balbino.

Elas se destacam pela qualidade e diversidade estética de suas produções, adensando e enriquecendo o horizonte da literatura brasiliense e da literatura nacional, faróis que anunciam outras narrativas para a população negra no país.

Já os movimentos negros seguem no combate ao racismo, anunciando outros tempos, sempre atentos à promoção de políticas públicas em prol de uma sociedade mais equânime, inclusiva e democrática.

*Atriz, escritora, dramaturga e coordenadora de políticas públicas e territórios educativos no Ministério da Cultura. Também é diretora de literatura negra do Sindicato dos Escritores do DF

Exposição

Pensamento negro no Brasil: uma conexão ancestral

Com textos e imagens plotados nas paredes, os visitantes podem ter uma experiência interativa, escrevendo, dentro da ilustração de um frondoso baobá — árvore que simboliza força e resistência entre muitos povos de África — nomes de pensadores negros que os inspiram. Por um QR code, também é possível acessar uma playlist sobre resistência negra, que apresenta músicas de vários estilos musicais, compositores e intérpretes.

Visitação: até 12 de janeiro de 2024

Dias/horários: de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h

Local: Corredor Tereza de Benguela (corredor de acesso ao Plenário), edifício principal da Câmara dos Deputados

Entrada franca

 

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2023/11/6658270-poeta-nanda-fer-pimenta-fala-sobre-conexao-com-ancestralidade.html

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...