Ao contrário do habitual, neste ano a marcha se direcionou para a sede do governo do Distrito Federal

Brasil de Fato | Brasília (DF) |
 
Lema da Marcha em Brasília foi “Vivas! Mulheres do DF e Entorno, por democracia e pelo bem viver, contra a fome, o racismo e o machismo, sem anistia aos fascistas” - Gabriel Remus

 

A concentração da Marcha das Mulheres em Brasília, nesta quarta-feira (8), ocorreu no Eixo Cultura Ibero-Americano até o Palácio do Buriti, sede do poder executivo do Governo do Distrito Federal. Com o lema “Vivas! Mulheres do DF e Entorno, por democracia e pelo bem viver, contra a fome, o racismo e o machismo, sem anistia aos fascistas”, a marcha optou em fazer diferente este ano devido aos altos índices de feminicídio que tem acontecido no Distrito Federal. 

Segundo relatório recente da Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF), em 2022 ocorreram 64 tentativas de feminicídio, quase o dobro de 2021, quando foram registrados 34. Em 2023, até então, já foram registrados 8 casos de feminicídio.

:: Trabalho escravo: mulheres do MST protestam na sede da vinícola Salton em São Paulo ::

A vice presidenta do PT/DF, Rosilene Corrêa, afirmou que é necessário o Governo do Distrito Federal tomar medidas urgentes em meio aos altos índices de feminicídio.

“Esse 8 de março certamente é um marco na vida das mulheres brasileiras, porque hoje nós começamos o dia no Palácio com o presidente Lula assinando ali, mostrando na prática que de verdade assumiu um outro projeto para esse país de uma rede de proteção, de garantia de direitos às mulheres, falando especificamente do nosso dia hoje que outras medidas estão sendo adotadas também", argumentou.

“Nós não podemos continuar assistindo a capital do país sendo destaque no feminicídio. Lamentavelmente a gente vai dormir e no outro dia acorda com a notícia de mais uma mulher que foi assassinada, o GDF também precisa tomar medidas urgentes”, protestou Rosilene.

:: 'Um novo tempo': Lula anuncia conjunto de políticas públicas para mulheres::

Com a presença de diversos movimentos sociais e sindicatos, as mulheres foram cobrar do Governo do Distrito Federal políticas públicas de proteção às mulheres, além de outras pautas como o combate à fome, a defesa da democracia, a luta contra o machismo em todos os contextos e contra o racismo.

:: Mulheres negras e periféricas são as principais vítimas de feminicídio no DF ::

A jornalista Fernanda Duarte, presente no ato, afirmou que o dia 08 de março é um dia para ser celebrado não no sentido romântico, mas que é um dia de luta.

“O dia de hoje é muito importante ainda de ser celebrado porque infelizmente nós estamos muito longe de ter uma equidade de direitos entre homens e mulheres, mais que isso, a gente viu principalmente nesse contexto de pandemia e dos últimos quatro anos do governo Bolsonaro que houve um aumento da violência contra a mulher e isso precisa ser combatido”, analisou. 

“É muito importante que esse dia seja celebrado, celebrado não no sentido romântico, o dia de hoje é um dia de luta”, acrescentou. 

Secretária de mulheres da CUT-DF, Thaísa Magalhães, questionou a falta de compromisso da gestão Ibaneis na construção de Casas da Mulher Brasileira e a falta de transparência.

:: Mulheres vão as ruas em todo o país no 8 de março; veja fotos ::

“É absurdo a forma como o governo do Distrito Federal tem tratado já há alguns anos a política para as mulheres. É um total descaso. A gente vê o desmonte dos aparelhos e a resposta tanto da Secretaria da Mulher quanto do Governo é dizer que tá tudo bem, que tá tudo certo, que eles estão fazendo o possível, mas não existe uma transparência, prestação de contas, campanhas que previnam o feminicídio com a desconstrução da violência que atinge tanto mulheres quanto os homens da sociedade”, falou.

:: 8M: mulheres do DF se mobilizam contra a fome, o racismo e o feminicídio ::

Daiane Araújo, militante do Levante Popular da Juventude e Diretora de Mulheres da União Nacional dos Estudantes, celebrou também as ações anunciadas pelo governo Lula.

“Acho que o dia de hoje ele tem uma importância gigante não só no Brasil mas no contexto internacional e que simboliza esse momento histórico, importante da construção do socialismo junto do feminismo, da luta concreta das mulheres da classe trabalhadora contra um projeto de opressão. E acho que hoje, para nós mulheres brasileiras, significa mais ainda”, disse Daiane.

“Acho que hoje a gente tem um marco muito importante que não dá para deixar de falar que são os decretos assinados pelo presidente Lula que tratam todos do tema da vida das mulheres, por um direito à vida plena, direito a dignidade menstrual, projeto de lei pela igualdade salarial que é uma luta histórica nossa, o retorno e qualificação da Lei Maria da Penha”, completou.

Ao longo de todo o dia, mulheres em todo o Brasil foram às ruas para reivindicar direitos e lembrar a data de luta.

Fonte: BdF Distrito Federal

Edição: Flávia Quirino

fonte: https://www.brasildefato.com.br/2023/03/09/marcha-das-mulheres-em-brasilia-teve-reivindicacao-por-maior-protecao-as-mulheres

 

joluzia batista 8M marcha2

Jolúzia Batista - Cfemea

cfemea 8m marcha1

Cfemea participa da Marcha Feminista no 8M em Brasília


Inscreva seu email

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Aborto Legal

aborto legal capa

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...