Lei que instituiu o Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana

 

Portal da UnB - 09/01/2023

gloria moura2 

Gloria Moura

O ano era 1930 e a Frente Negra Brasileira elegeu como um dos seus compromissos a luta por uma educação que contemplasse a história do continente africano e de povos negros e combatesse o racismo na escola.

Se juntam a esta causa, já nos anos 1940, o Teatro Experimental do Negro, liderado por Abdias do Nascimento, discutindo a formação do negro e indicando políticas públicas capazes de diminuir o abismo entre a  formação de brancos  e negros.

Não posso deixar de citar o Movimento Negro, que sempre reivindicou a necessidade do resgate do conhecimento das culturas africana e afro-brasileira em todos os níveis escolares. Também não poderia deixar de mencionar o MNU – Movimento Negro Unificado, que ao longo da década de 1980 reuniu intelectuais e pesquisadores da área da educação para discutir amplamente sobre a importância de um currículo escolar que refletisse a diversidade étnico-racial da sociedade brasileira.

Em 1995, marchamos sobre as bençãos de Zumbi dos Palmares contra o racismo, pela cidadania e a vida e reivindicamos e propusemos políticas públicas para a população negra, inclusive com políticas educacionais.

Puxo o fio da história para elucidar que nossos passos vem de longe e que a formalização das propostas que vinham sendo pensadas acontece em janeiro de 2003, com a assinatura da lei 10639/03, que é justamente o Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana, que passa a integrar a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

A partir daí eu provoco: como implementar e garantir?

Acredito na educação cidadã que engaja pais, professores e comunidade na intenção do respeito à diversidade, ao conhecimento de nossas raízes africanas e indígenas, dentro e fora da escola.

No estímulo à construção coletiva de um projeto educacional de inclusão social na perspectiva da diversidade cultural e da superação da desigualdade.

Na valorização da comunidade negra, contribuindo para elevação de sua autoestima.

E sobretudo, na fundamental capacitação de professores-multiplicadores e multiplicadoras com conhecimentos sobre a História da África e do negro no Brasil, na intenção de formar cidadãos livres que pensem o país na perspectiva da afirmação de sua identidade nacional.

Me encho de esperança e alegria nos primeiros dias de 2023, pois vislumbro o início de um novo tempo que aponta na direção do meu sonho: negros e negras sendo referenciados e reverenciados toda vez que falarmos em construção da identidade nacional.


Gloria Moura é doutora em Educação pela Universidade de São Paulo e professora do Mestrado Profissional em Sustentabilidade junto a Povos e Terras Tradicionais (MESPT).

fonte:  https://noticias.unb.br/artigos-main/6241-lei-10-639-20-anos-depois-o-futuro-ja-comecou


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Matérias Publicadas por Data

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Recomendamos a leitura

A universidade operacional

  • 15-05-2024 16:03:30

MST – 40 anos

  • 11-05-2024 15:40:33

Feminismo e software livre

  • 06-05-2024 18:43:14

Portugal entre 1974 e 1975

  • 30-04-2024 15:06:18

Violência contra as mulheres em dados

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...