Quase lá: “Bebê Rena”: muito além dos simplismos

Giselle Beiguelman explica alguns dos motivos pelos quais a série está fazendo tanto sucesso mundo afora

  Jornal da USP - Publicado: 06/05/2024
 

 

Logo da Rádio USP
 
O tema desta coluna da professora Giselle Beiguelman é a série da Netflix, Bebê Rena, uma das mais comentadas e assistidas atualmente, a número um em 30 países. A série é produzida e roteirizada por Richard Gadd, que vive o protagonista Donny Dunn, um aspirante a comediante que tem seu mundo virado de cabeça para baixo quando uma mulher, de nome Martha (Jessica Gunning), aparece em seu bar e, a partir desse encontro, passa a persegui-lo incansavelmente, transformando a vida do personagem em um verdadeiro pesadelo. O que muitos não sabem é que a história é baseada em eventos reais vividos pelo próprio Richard Gadd. Mas, segundo Giselle, o impacto da série vai além do simples relato de uma perseguição obsessiva. Bebê Rena nos faz refletir sobre a complexidade das relações afetivas.
 
“O enredo e os personagens desafiam os clichês sobre perseguição, relacionamentos abusivos e tóxicos e até mesmo sobre identidade sexual. A profundidade, o humor, o sarcasmo e a inteligência dos personagens, especialmente do Donny Dunn, vão transformar cada um dos episódios numa espécie de confissão catártica. Bebê Rena também é uma série muito corajosa ao abordar um estupro entre homens adultos e o papel dilacerador de uma mulher, revelando nuances do jogo de sedução e poder no mundo atual”, diz a colunista. “Para além dos simplismos, a série foca justamente na nossa incapacidade de entender nossos sentimentos ou decisões. Quando o protagonista chega, enfim, à delegacia de polícia para denunciar a perseguição, o policial pergunta: “Por que não denunciou antes?”, e aí a resposta do protagonista é muito simples: “Não sei!”; e é nessa falta de resposta que nós encontramos milhões de razões para o que está sendo narrado. As reações do Donny Dunn vão desde empatia até raiva, acolhimento e uma profunda relação de dependência que ele estabelece com sua perseguidora, a Martha, uma personalidade supercomplexa e odiosa, interpretada brilhantemente por Jessica Gunning, e é esse conjunto de situações que confunde tanto o protagonista quanto o espectador”, finaliza Giselle.
 

Ouvir Imagens 
A coluna Ouvir Imagens, com a professora Gisele Beiguelman, vai ao ar quinzenalmente, segunda-feira às 8h, na Rádio  USP (São Paulo 93,7; Ribeirão Preto 107,9) e também no Youtube, com produção da Rádio USP,  Jornal da USP e  TV USP.

 

fonte: https://jornal.usp.br/radio-usp/bebe-rena-muito-alem-dos-simplismos/


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...