Quase lá: Manuela d’Ávila e o Instituto E Se Fosse Você? lançam programa de proteção a candidaturas de mulheres

Projeto 'Onde Ela quiser' contará com campanha de conscientização nas redes, projetos de lei e encontros

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS) |

“Sempre lutamos por mais mulheres na política. Mas para garantir participação, é preciso garantir um ambiente saudável para que atuem", defende Manuela d’Ávila - Divulgação

 

Um plantão de proteção que candidaturas femininas possam acessar, com subsídios de defesa e ao mesmo tempo de luta para conscientização do combate à violência política de gênero e raça.

Esse é o mote do projeto "Onde Ela quiser", capitaneado pelo Instituto E Se Fosse Você? em parceria com diversas organizações, lançado nesta quinta-feira (2), com campanha de conscientização nas redes, oficinas de construções de projetos de lei para combate ao problema no mês de maio e um evento presencial reunindo candidatas e vítimas, em Brasília, no dia 6 de junho.

As candidaturas de mulheres representaram 34% do total nas eleições de 2020, conquistaram apenas 14% das vagas eletivas, sendo que as mulheres somam 53% do eleitorado, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral.

“Sempre lutamos por mais mulheres na política. Mas para garantir participação, é preciso garantir um ambiente saudável para que atuem. A violência política de gênero e raça é uma realidade que impede mulheres de se candidatarem, serem eleitas e atuarem com dignidade, livres de todas as formas de violência”, comenta Manuela d’Ávila, presidenta do instituto e uma das principais vítimas de violência política de gênero nos últimos pleitos que participou.

Além da campanha de conscientização que envolve materiais e participação de mulheres eleitas vítimas de violência política de gênero e raça, um conselho consultivo - composto por especialistas, ativistas e representantes da sociedade civil - foi criado no mês de abril para incidir e colaborar tecnicamente na elaboração das ações do projeto.

Instituto E Se Fosse Voce

Mutirões de PLs

Até o final de maio será realizado um mutirão de projetos de lei relacionados ao tema. Parlamentares e suas assessorias estarão mobilizadas para elaborar e aperfeiçoar propostas legislativas que visem combater a violência política de gênero e raça. Esses projetos podem abordar questões como punições mais rigorosas para agressores, mecanismos de prevenção e conscientização, entre outros.

Encontro pela Prevenção e Enfrentamento da Violência Política de Gênero e Raça nas Eleições de 2024

Com o objetivo de promover debates, troca de experiências e fortalecimento da rede de apoio entre mulheres que atuam na política e na defesa dos direitos das mulheres, será realizado no dia 6 de junho, na Câmara dos Deputados, em Brasília, um encontro presencial com parlamentares e candidatas.

O evento ocorre em parceria com a Comissão de Direitos Humanos, a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher e o Observatório Nacional da Mulher na Política. As inscrições podem ser feitas no site www.ondeelaquiser.org

Conforme d’Ávila, essas ações são fundamentais para sensibilizar, conscientizar e mobilizar a sociedade e os órgãos públicos na luta contra a violência política de gênero e raça. A participação ativa de parlamentares, especialistas e ativistas é essencial para promover mudanças significativas e garantir a igualdade de oportunidades e representatividade para todas as pessoas.


Encontro pela Prevenção e Enfrentamento da Violência Política de Gênero e Raça nas eleições de 2024 será no dia 6 de junho / Card divulgação

Plantão de apoio psicológico e jurídico

Até agosto, uma rede com plantão de profissionais voluntários da área jurídica e da psicologia deve ser formada para subsidiar e orientar vítimas de violência política de gênero e de raça.

Entidades que fazem parte do “Onde Ela quiser”:

 

•    Instituto E Se Fosse Você?
•    Núcleo de Estudos e Pesquisas Sobre a Mulher – Nepem
•    Veredas – Estratégias em Direitos Humanos
•    Instituto Alziras
•    AzMina
•    Tenda das Candidatas
•    União Nacional dos Estudantes - UNE


 

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Katia Marko

 

fonte: https://www.brasildefato.com.br/2024/05/02/manuela-d-avila-e-o-instituto-e-se-fosse-voce-lancam-programa-de-protecao-a-candidaturas-de-mulheres

 


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...