Quase lá: Ministério das Mulheres compõe Rede de Enfrentamento à Violência contra Mulheres e Crianças em terra Yanomami

A rede será composta por 45 órgãos, que vão apresentar ações e propostas para combater a violência na região

Publicado em 11/04/2024 15h53
MMulheres compõem Rede de Enfrentamento à Violência contra mulheres e crianças em terra Yanomami

Rede intersetorial vai promover políticas públicas com foco na prevenção e enfrentamento da violência contra meninas e mulheres da etnia Yanomami - Foto: Ster Queiroz

OMinistério das Mulheres participou da cerimônia de lançamento da Rede Intersetorial de Enfrentamento à Violência contra Mulheres e Crianças da Terra Indígena (TI) Yanomami, em Boa Vista, no estado de Roraima. Coordenado pela Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), o evento ocorreu na última segunda-feira (8), na Casa de Governo, estrutura do Governo Federal criada para acompanhar o enfrentamento da crise humanitária do povo Yanomami.

Representando o Ministério das Mulheres no encontro, a secretária nacional substituta de Enfrentamento à Violência contra Mulheres, Pagu Rodrigues, afirmou que a rede intersetorial surgiu como proposta articulada para que fossem discutidas políticas públicas integradas para a população Yanomami, com foco na prevenção e enfrentamento da violência contra meninas e mulheres da etnia. "Com a presença do garimpo no território, tem aumentado o número de casos de violência e também as denúncias", destacou.

A secretária substituta também explicou que, após o lançamento da rede de enfrentamento, os 45 órgãos convidados a compor o grupo vão apresentar ações e propostas de suas respectivas pastas, assim como previsão orçamentária, para combater a violência na região.

De acordo com a presidenta da Funai, Joenia Wapichana, a implementação da Rede vai contar com a participação e colaboração de diversas instituições dos governos Federal, estaduais e municipais, mas também de organizações indígenas e indigenistas. “Além de propor soluções, a gente vai dividir responsabilidades. A gente precisa se aproximar dessa realidade para propor soluções juntos”, afirmou.

Ela destacou também o papel da Funai como orientadora da política indigenista dentro do governo. “Nos cabe mostrar aos demais órgãos que cada povo tem sua própria cultura e diversidade. Existe uma diferença entre as culturas Ye'kuana e Yanomami, por exemplo, relacionada às mulheres de Roraima e do Amazonas. Mas todas elas compartilham da mesma necessidade de se ter uma estratégia para enfrentar a violência física, moral, psicológica e tantas outras formas”, destacou.

A mesa de abertura do evento contou com representantes de organizações indígenas Hutukara, Sedume, Texoli, Parawame, Kurikama, Amik, Ibassali e Ayrca, da Casa de Governo da Casa Civil, Ministério dos Povos Indígenas (MPI), Ministério das Mulheres, Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC), Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Secretaria do Trabalho e Bem-estar Social (Setrabes), Secretaria Estadual do Índio (RR) e Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) Yanomami.

 

fonte: https://www.gov.br/mulheres/pt-br/central-de-conteudos/noticias/2024/abril/mmulheres-compoem-rede-de-enfrentamento-a-violencia-contra-mulheres-e-criancas-em-terra-yanomami

 


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...