O Brasil iniciou um processo de transição religiosa no último quartel do século XX e tudo indica que haverá uma troca de hegemonia entre os dois principais grupos religiosos do país na primeira metade do século XXI.

"Existe uma disputa pela hegemonia religiosa no Brasil e haverá um novo quadro religioso no Brasil no século XXI, muito diferente dos 500 anos anteriores", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia, em artigo publicado por EcoDebate, 19-02-2024. 

Eis o artigo.

A disputa entre católicos e evangélicos teve início há mais de 500 anos, quando Martinho Lutero afixou na porta da Igreja de Todos os Santos, no castelo de Wittenberg, na Alemanha, as suas 95 teses e a denúncia da corrupção na Igreja Católica Romana, em 31 de outubro de 1517. Os protestantes históricos conquistaram a hegemonia religiosa em vários países europeus (como a Alemanha e a Suíça) e nos Estados Unidos da América (EUA).

Contudo, na América Latina e no Brasil o Vaticano manteve a sua hegemonia por cerca de 500 anos desde a 1ª missa, oficializada quando da chegada dos portugueses ao país. No ano 2000, as filiações católicas abarcavam 73,9% da população brasileira e os evangélicos respondiam por apenas 15,4% da preferência popular (com 5,2% de outras religiões e 8% de sem religião). Portanto, os católicos brasileiros representavam quase três quartos dos habitantes do país no início do século XXI, como mostrei no livro Demografia e economia nos 200 anos da Independência do Brasil e cenários para o século XXI (Alves, 2022).

Porém, o Brasil iniciou um processo de transição religiosa no último quartel do século XX e tudo indica que haverá uma troca de hegemonia entre os dois principais grupos religiosos do país na primeira metade do século XXI. O gráfico abaixo apresenta os percentuais do panorama religioso brasileiro de 1940 a 2010 (com base nos censos demográficos do IBGE) e uma projeção das tendências atuais e futuras até 2032. Nota-se que, entre 1991 e 2010, o percentual de católicos brasileiros passou de 83,3% para 64,6% (uma queda anual de 1% ao ano), o percentual de evangélicos subiu de 9% para 22,2% (um aumento de 0,7% ao ano), o percentual das outras religiões passou de 3,1% para 5,2% (aumento de 0,1% ao ano) e o percentual de pessoas se declarando sem religião subiu de 4,6% para 8% (aumento de 0,2% ao ano).

Na falta de dados do IBGE entre 2010 e 2022, realizamos uma projeção cobrindo o período 2010 a 2032, assumindo os seguintes pressupostos: continuidade da queda das filiações católicos no ritmo de 1,2% ao ano e aumento anual de 0,8% dos evangélicos, de 0,15% das outras religiões e 0,23% das pessoas autodeclaradas sem religião (estes parâmetros serão ajustados quando o IBGE divulgar os dados das filiações religiosas do censo 2022).

O resultado desta projeção está apresentado no mesmo gráfico que mostra os católicos com 49,9% das filiações religiosas em 2022 (pela primeira vez abaixo de 50%) e com 38,6% em 2032, e os evangélicos apresentando percentuais de 31,8% e 39,8% no mesmo período. Ou seja, os evangélicos devem ultrapassar os católicos nos próximos 8 anos e contribui para isto o fato de estarem mais bem posicionados, em termos de dinâmica demográfica, na população urbana, pobre, jovem e feminina. As demais religiões devem passar de 5,2% em 2010 para 8,5% em 2032 e o grupo sem religião deve passar de 8% para 13,1% no mesmo período. Sendo assim, haverá mudança na hegemonia entre os dois grandes grupos cristãos, em um quadro de maior de maior concorrência e pluralidade religiosa.

Olhando pelo lado das filiações religiosas, os católicos ainda são o grupo majoritário do Brasil. Muitas pessoas se declaram católicas mesmo sem ter uma participação ativa na igreja. São os chamados católicos não praticantes. Mas o “exército” católico está sendo confrontado pelo “exército” evangélico e a transição religiosa no país está prosseguindo em ritmo acelerado.

Antônio Gramsci (1891-1937) usou os termos “guerra de posição” para definir a tática e as ações empreendidas na conjuntura e “guerra de movimento” para definir a estratégia e as ações empreendidas no longo prazo e com efeitos estruturais. Na guerra de posição os atores sociais adotam a tática de resistência, acumulação de forças e conquistas parciais no jogo de poder, enquanto na guerra de movimento, os atores sociais adotam uma estratégia de ataque frontal e tomada de poder.

Para Gramsci, o ataque frontal antes da conquista da hegemonia é uma fonte inesgotável de derrotas. Para ele, a tomada de poder tem que ser precedida da consolidação das “trincheiras” e da conquista de posições sólidas na disputa social, econômica, política e cultural. A disputa consiste na conquista de espaços, no controle dos territórios dominados e no avanço sobre as hostes inimigas.

Pode-se utilizar esta definição gramsciana para analisar a transição religiosa no Brasil, pois enquanto os católicos adotam a tática da “guerra de posição” – buscando defender suas trincheiras construídas em mais de 500 anos – os evangélicos adotam a tática de “guerra de movimento” – atacando os territórios ao redor das trincheiras católicas e adotando uma “estratégia de ataque frontal e tomada de poder”.

Esta nova situação do quadro religioso brasileiro fica claro quando analisamos o avanço da expansão dos templos dos dois grupos cristãos, como podemos inferir a partir dos dados do estudo denominado Crescimento dos estabelecimentos evangélicos no Brasil nas últimas décadas (Negri et al., 2023), realizado por pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), utilizando dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), do Ministério do Trabalho e Emprego.

O gráfico abaixo mostra a evolução do número de estabelecimentos religiosos entre 1998 e 2021, indicando que houve crescimento para todas as religiões em um ritmo maior do que o crescimento populacional do período. Mas o crescimento variou enormemente entre as diversas denominações.

O menor crescimento ocorreu na Igreja Católica, que passou de 8.686 estabelecimentos em 1998 para 14.294 estabelecimentos em 2021, um crescimento de 65% em 23 anos (ou 2,2% ao ano). As igrejas evangélicas tradicionais (que incluem presbiterianas, batistas e adventistas, entre outras denominações) tinham 8.539 estabelecimentos em 1998 e passaram para 23.077 em 2021, um crescimento de 170% no período (ou 4,4% ao ano).

A igreja Assembleia de Deus tinha 4.700 estabelecimentos em 1998 e passou para 17.329 em 2021, um crescimento de 269% em 23 anos (ou 5,8% ao ano). A Igreja Universal do Reino de Deus tinha 1.900 estabelecimentos em 1998 e passou para 7.185 em 2021, um crescimento de 278% em 23 anos (ou 6% ao ano).

A igreja do Evangelho Quadrangular tinha 2.400 estabelecimentos em 1998 e passou para 4.201 em 2021, um crescimento de 75% em 23 anos (ou 2,5% ao ano). As outras igrejas evangélicas pentecostais ou neopentecostais tinham 8.718 estabelecimentos em 1998 e passaram para 35.779 em 2021, um crescimento de 310% em 23 anos (ou 6,3% ao ano).

Enquanto, em 1998, a Igreja Católica tinha 8.686 estabelecimentos, o total das igrejas evangélicas tinha 26.257 estabelecimentos (3 vezes mais). Em 2021 eram 14.294 estabelecimentos católicos e 87.571 evangélicos (6,1 vezes mais).

Por conseguinte, quando se considera os estabelecimentos religiosos, os evangélicos já superam em muito os católicos. Por fim, em 2021, havia também 7.784 estabelecimentos de outras religiões e 10.073 estabelecimentos não classificados. No total eram 124.529 estabelecimentos religiosos registrados no Brasil em 2021 na base de dados da RAIS.

 

A despeito de possíveis diferenças dos números de estabelecimentos religiosos nas diferentes bases de dados, há um padrão inquestionável que é o crescimento geral do setor religioso no Brasil e o aumento do volume dos evangélicos em relação aos católicos, indicando uma aceleração da transição religiosa no Brasil. Os templos evangélicos são a ponta de lança da “guerra de movimento” e mostram como o processo de avanço da transição religiosa está ocorrendo.

Na verdade, a dimensão é ainda maior, pois os dados do estudo do IPEA consideram apenas os templos com CNPJ, quando sabemos que existem muitos templos e outros estabelecimentos religiosos que são informais e não estão registrados nos bancos de dados da Receita Federal.

Desta forma, é útil considerar os dados do Cadastro Nacional de Endereços para Fins Estatísticos (CNEFE), a base de endereços usada pelo IBGE não só no Censo Demográfico, mas também para diversas outras pesquisas domiciliares.

O censo demográfico de 2022 revelou uma tendência surpreendente no Brasil: há mais estabelecimentos religiosos do que a soma das instituições de ensino e saúde. Foram visitados e georreferenciados 580 mil estabelecimentos religiosos durante o censo 2022, o que representa uma média de 2,9 edificações para cada 1 mil habitantes.

Em contrapartida, foram registrados 264 mil estabelecimentos de ensino, com uma média de 1,3 edificações para cada 1 mil habitantes, e 248 mil estabelecimentos de saúde, com uma média de 1,2 edificações para cada 821 habitantes.

Esses números indicam uma realidade marcante do país, onde o setor religioso tem crescido de forma significativa e se espalhado por todo o território nacional. Essa prevalência de estabelecimentos religiosos reflete não apenas a diversidade de crenças presentes na sociedade brasileira, mas também o papel central que a religião desempenha atualmente na vida da maioria dos brasileiros e na política nacional.

No Censo 2022, foram registrados 111,1 milhões de coordenadas geográficas para as espécies de endereços identificadas na operação censitária nacional. Além dos estabelecimentos religiosos, de educação e saúde, foram contabilizados 90,6 milhões de domicílios particulares, 104,5 mil domicílios coletivos (hotéis, prisões, repúblicas de estudantes, etc.), 4,1 milhões de estabelecimentos agropecuários, 3,5 milhões de edificações em construção e 11,7 milhões de estabelecimentos com outras finalidades (lojas, prédios públicos, cultura, etc.).

Dos 111,1 milhões de estabelecimentos, o maior número absoluto (46,2 milhões) está na região Sudeste, seguido pela região Nordeste (31 milhões), a região Sul em terceiro lugar (16,8 milhões) e as regiões Norte e Centro-Oeste com pouco mais de 8 milhões de estabelecimentos.

A tabela abaixo indica o número dos estabelecimentos religiosos e o tamanho da população, para o Brasil e as Regiões brasileiras, assim como a proporção para cada 1 mil habitantes. Nota-se que as Regiões com maior volume absoluto de estabelecimentos religiosos são em ordem decrescente: Sudeste, Nordeste, Norte, Sul e Centro-Oeste.

Em termos relativos, o Brasil tem uma proporção de 2,9 estabelecimentos religiosos para cada 1 mil habitantes, a proporção da Região Norte é de 4,6 estabelecimentos, Nordeste (3,2), Sudeste (2,6), Sul (2,3) e Centro-Oeste com 2,6 estabelecimentos para cada 1 mil habitantes.

Os dados do CNEFE do IBGE não apresentam as denominações dos estabelecimentos religiosos. Quando forem divulgados os dados das filiações religiosas se poderá fazer um estudo estatístico para cruzar os dados de estabelecimentos e de filiações religiosas. Mas, não resta dúvida de que o crescimento do número de templos e de estabelecimentos religiosos está correlacionado com o aumento das filiações religiosas.

Desta forma, podemos inferir que a maioria destes 580 mil estabelecimentos religiosos são evangélicos e que o avanço que estava muito concentrado na região Sudeste, tem ocorrido de forma muito rápida na região Norte. Mesmo no Nordeste – que é a região com o maior percentual de católicos – os estabelecimentos religiosos evangélicos crescem de maneira significativa.

O artigo “Distribuição espacial da transição religiosa no Brasil” (Alves et al., 2017) apresenta uma análise do quadro geográfico da transição religiosa no Brasil.

 

Desta maneira, o avanço dos templos e estabelecimentos evangélicos pode ser analisado pela abordagem gramsciana, entendendo que a Igreja Católica está nas trincheiras da “guerra de posição”, enquanto as igrejas evangélicas estão na audácia da “guerra de movimento”.

As igrejas evangélicas investem em templos por todo o país, atuam na internet, nas rádios, televisão e na política. Usam estratégias de movimento e até “guerra de guerrilha”, ou seja, usam estratagemas de extrema mobilidade e ocupam ruas e praças com o objetivo de conquistar novos fiéis, avançando nos espaços de poder na política institucional nas três esferas da federação e também nos espaços de poder da sociedade civil. Este fenômeno é facilitado pela descentralização hierárquica e pela “customização” da mensagem religiosa para públicos específicos.

Os evangélicos estão ganhando diversas batalhas, mas ainda não ganharam a guerra. O termo “exército de Jesus” faz parte da linguagem religiosa e a “marcha para Jesus” é uma mobilização que visa agregar multidões para conquistar posições na disputa hegemônica. A atual senadora Damares Alves (em fala de maio de 2016) disse: “É o momento de a Igreja ocupar a nação. É o momento de a Igreja dizer à nação a que viemos. É o momento de a Igreja governar”. A “Teologia do Domínio” busca reconquistar o planeta com base nos valores cristãos em 7 áreas: “Família, Religião, Educação, Mídia, Lazer, Negócios e Governo”.

O carnaval de 2024 foi palco da disputa religiosa. A cantora Ana Paula Valadão já disse sobre o carnaval do Rio de Janeiro: ‘Neste lugar, Senhor, nós declaramos que o carnaval irá falir, se enfraquecer até morrer. E o sambódromo será transformado num altar de adoração ao único Deus vivo e verdadeiro”. Em plena folia de Salvador, a cantora Baby do Brasil disse: “Nós entramos em apocalipse. O arrebatamento tem tudo para acontecer entre cinco e dez anos. Procure ao Senhor enquanto é possível achá-lo”. Outra cantora, Claudia Leitte, alterou o trecho da música Caranguejo – “saudando a rainha Iemanjá” – por “só louvo meu rei Yeshua”. Ou seja, procure o Salvador em Salvador (capital da Bahia). Diversas denominações promoveram retiros espirituais durante o carnaval e utilizaram os meios de comunicação para criticar os festejos carnavalescos.

A bancada evangélica da Câmara dos Deputados acusou a escola de samba Gaviões da Fiel de intolerância religiosa. A escola de samba Vai-Vai, maior campeã do Carnaval de São Paulo, enfrentou uma onda de ataques por parte de organizações ligadas às forças de segurança e de diversos líderes religiosos, após seu desfile apresentar uma ala da escola com a tropa de choque da Polícia Militar fantasiada como demônios. Os exemplos de ataque ao carnaval se multiplicaram em 2024, mostrando que a “guerra de movimento” se desdobra em vários terrenos até mesmo da cultura popular.

Inegavelmente, existe uma disputa pela hegemonia religiosa no Brasil e haverá um novo quadro religioso no Brasil no século XXI, muito diferente dos 500 anos anteriores. Em número de templos, os evangélicos já superaram os católicos. Mas, em número de filiações, os católicos ainda estão na frente.

Todavia, no ritmo das últimas décadas, o número de pessoas que se declaram evangélicas deve superar o número de pessoas que se declaram católicas por volta de 2032.

Quando forem divulgados os novos dados do censo 2022, do IBGE, poderemos atualizar o quadro geral da mudança da transição religiosa.

Referências

ALVES, JED. Motivos e consequências da aceleração da transição religiosa no Brasil, Ecodebate, 29/01/2020. Disponível do link

ALVES, JED. Os 500 anos da Reforma Protestante, Ecodebate, 09/10/2017. Disponível no link

ALVES, JED, CAVENAGHI, S, BARROS, LFW, CARVALHO, A.A. Distribuição espacial da transição religiosa no Brasil, Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 29, n. 2, 2017, pp: 215-242. Disponível no link

ALVES, JED. Demografia e economia nos 200 anos da Independência do Brasil e cenários para o século XXI, Escola de Negócios e Seguro (ENS), maio de 2022. (Colaboração de Francisco Galiza). Acesso gratuito no link.

DE NEGRI, Fernanda; MACHADO, Weverthon; CAVALCANTE, Eric Jardim. Crescimento dos estabelecimentos evangélicos no Brasil nas últimas décadas. Rio de Janeiro: Ipea, nov. 2023. (Diset: Nota Técnica, 123). DOI.

IBGE. Coordenadas geográficas dos endereços do país. Rio de Janeiro, 02/02/2024. Disponível no link

Leia mais

fonte: https://www.ihu.unisinos.br/636739-catolicos-versus-evangelicos-no-brasil-guerra-de-posicao-x-guerra-de-movimento-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves

 


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...