"A teologia masculina tem uma estranha reivindicação: a de se considerar “neutra” em relação ao gênero e, portanto, de poder dizer uma palavra que seja válida para todos. Portanto, por que dar atenção e espaço profissional a uma palavra que se sabe e confessa ser parcial, caracterizada por um corpo que não é o do homem “neutralizado”?", escreve Marcello Neri, professor da Universidade de Flensburg, na Alemanha, publicado por Settimana News, 17-02-2024.

Segundo ele, "a falta de contato direto com a vida vivida deriva também do fato de a teologia masculina ter sempre falado a partir do centro, do lugar do poder - e nunca daquele da impotência e da impossibilidade. E a partir desse lugar continua a falar, ancorado na residualidade de um poder que se desvanece na realidade, mas ainda majestoso na virtualidade que o mantém vivo como sua própria justificação".

Eis o artigo.

Sim, há um problema de gênero na teologia. Mas pouco se fala sobre isso, principalmente de forma tangencial. E fazem isso especialmente, ou apenas, mulheres. Esta solidão em tematizar é parte integrante do problema, que persistimos em não abordar. Em detrimento da teologia na Itália e em detrimento da inteligência da fé na vida pública do país.

Passei pouco tempo, há décadas, numa faculdade teológica italiana para poder fazer uma análise interna que tivesse o mínimo de relevância. Mas estando fora da Itália, das suas faculdades de teologia e de outras instituições teológicas, pelo menos sente-se que a teologia das mulheres ainda é considerada filha de um Deus menor – para ser tolerada em vez de apreciada.

Quando não se pode prescindir dela, limita-se à “quota rosa” numa conferência – em conformidade com uma atitude politicamente correta transmitida sem sequer demasiada convicção. Pelo menos assim evitamos más impressões, que beiram o inacessível - como aconteceu há anos numa renomada faculdade de teologia, onde numa conferência sobre a relação entre homens e mulheres só havia oradores do sexo masculino (todos padres, entre outras coisas).

O pensamento organizacional masculino que concede uma relação a uma mulher é mortal: porque, em última análise, não parte das suas competências, mas do seu sexo. Esta forma mentis de chamada por gênero, entre outras coisas em papéis que não perturbam muito, deixa clara a existência de um problema de gênero na teologia italiana. São políticas cosméticas, que servem para tirar temporariamente o pó da superfície das coisas, sem oferecer qualquer solução estrutural.

O domínio da mentalidade masculina na teologia italiana suscitou, com razão, suspeitas nas teólogas, que provavelmente estão cansadas de fazer do seu documento de identidade um outdoor publicitário a favor de uma empresa que continua a não as levar a sério. Quaisquer reservas que tenham sobre colaborar com uma teologia que não é de forma alguma “neutra em termos de gênero” deveria dar motivo para reflexão sobre esta teologia e a sua corporação masculina dominante. Mas poucos vestígios disso são encontrados na mesma teologia.

A teologia masculina tem uma estranha reivindicação: a de se considerar “neutra” em relação ao gênero e, portanto, de poder dizer uma palavra que seja válida para todos. Portanto, por que dar atenção e espaço profissional a uma palavra que se sabe e confessa ser parcial, caracterizada por um corpo que não é o do homem “neutralizado”?

Nunca tendo experimentado os limites, nem mesmo os do próprio corpo, e a marginalidade, a teologia italiana luta para encontrar palavras para um catolicismo que já não é a pedra angular, nem mesmo aparente, da sociedade do nosso país. Esta falta de contato direto com a vida vivida deriva também do fato de a teologia masculina ter sempre falado a partir do centro, do lugar do poder - e nunca daquele da impotência e da impossibilidade. E a partir desse lugar continua a falar, ancorado na residualidade de um poder que se desvanece na realidade, mas ainda majestoso na virtualidade que o mantém vivo como sua própria justificação.

Teólogos (masculinos) queixam-se de não serem convocados para o debate público como especialistas em assuntos católicos na cidade das mulheres e dos homens. Mas então, quando há uma posição pública a ser tomada sobre questões controversas na nossa sociedade e na vida política, eles permanecem majestosamente silenciosos. Se nos últimos tempos houve uma palavra teológica sobre o assunto, devemos isso exclusivamente às teólogas (mulheres).

Quase se pensa que sim, existe um problema de gênero na teologia italiana, mas que este problema não diz respeito às teólogas, mas sim aos teólogos homens. É hora de enfrentarmos isso - possivelmente juntos, porque nós, homens, não podemos sair dessa sozinhos.

Leia mais

fonte: https://www.ihu.unisinos.br/636624-um-problema-de-genero-na-teologia-italiana-artigo-de-marcello-neri

 


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Matérias Publicadas por Data

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Recomendamos a leitura

A universidade operacional

  • 15-05-2024 16:03:30

MST – 40 anos

  • 11-05-2024 15:40:33

Feminismo e software livre

  • 06-05-2024 18:43:14

Portugal entre 1974 e 1975

  • 30-04-2024 15:06:18

Violência contra as mulheres em dados

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...