Em 45% dos casos, os feminicidas utilizaram arma branca; e em 22%, asfixia. Por isso, GDF promove ações para coibir e reverter esse cenário

Getty Images/Reprodução
Imagem colorida mostra mulher sentada no canto enquanto uma mão masculina fechada a ameaça, em um caso de possível feminicídio - Metrópoles

22/11/2023 07:17 - Metrópoles

Nos oito primeiros meses deste ano, mais de duas dezenas de mulheres foram assassinadas e qualificadas como vítimas de feminicídio no DF. O número é muito superior ao registrado em 2017, quando, em todo o ano, 17 mulheres foram alvo do mesmo crime. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF), quase 70% dos assassinatos ocorrem dentro de casa. Em outros 27%, o palco foi público, como ruas, praças e estacionamentos. O restante ocorreu em bares e casas de festas.

Em 45% dos casos, os feminicidas utilizaram arma branca; em 22%, arma de fogo; e também com 22%, asfixia. Mais de 77% das vítimas sofreram violência doméstica antes do feminicídio.

Entre os últimos crimes que comoveram o Distrito Federal e o Brasil, a policial civil Valderia da Silva Barbosa foi morta, aos 46 anos, pelo ex-companheiro. Ela era chefe de seção da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher II (Deam II), em Ceilândia, e foi brutalmente assassinada com mais de 64 facadas, segundo laudos preliminares elaborados pelo Instituto Médico Legal (IML).

A forma como ela perdeu a vida revela outra triste realidade: várias vítimas de feminicídio do DF foram mortas com requintes de selvageria: espancadas, esfaqueadas, baleadas ou estranguladas.

Para combater essa situação, o Governo do Distrito Federal (GDF) tomou várias medidas nos últimos anos, a mais recente foi a sanção, em maio deste ano, da Lei nº 7.264/2023.

A norma prevê a aplicação de multa, de R$ 500 a R$ 500 mil, aos agressores que cometerem o crime de violência contra a mulher na capital federal. O valor arrecadado será utilizado em programas de combate à prática e no tratamento e na recuperação da saúde das vítimas.

Além disso, o Distrito Federal conta com uma rede de acolhimento às vítimas de violência doméstica. Entre os serviços oferecidos, está a Casa da Mulher Brasileira, um equipamento público que oferece atendimento integrado e humanizado às mulheres que passaram por situação de violência doméstica. O espaço está localizado na CNM 1, Bloco I, em Ceilândia.

A capital federal dispõe ainda da Casa Abrigo, que acolhe vítimas de violência doméstica com risco de morte por um período maior do que a Casa da Mulher Brasileira. Para serviço de orientação, encaminhamento jurídico e atendimento psicossocial, o Distrito Federal possui os Centros Especializados de Atendimento à Mulher. Atualmente, existem quatro unidades: 102 Sul, Planaltina, Casa da Mulher Brasileira e CIOB.

Outro equipamento que oferece acompanhamento psicossocial às pessoas envolvidas em situação de violência doméstica e familiar é o Espaço Acolher. Ao todo, são oito unidades que oferecem acolhimento tanto para as vítimas quanto para os agressores.

E para fortalecer e reforçar ainda mais os mecanismos de proteção às vítimas de violência doméstica, a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal criou o programa Mulher Mais Segura.

A iniciativa reúne uma série de ações e medidas voltadas para o combate à violência doméstica, buscando mais eficiência na rede de apoio. Entre as medidas presentes no programa, estão dois mecanismos de monitoramento: o Dispositivo de Proteção à Pessoa (DPP) e o aplicativo Viva Flor, que facilita o acionamento das forças de segurança nos casos de risco extremo à vida.

Denuncie! 

Para atender às vítimas de violência, o Distrito Federal conta com a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher I (Deam I) e a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher II (Deam II), que funcionam 24 horas, todos os dias da semana. Além disso, todas as delegacias oferecem sessões de atendimento à mulher. A Polícia Civil ainda disponibiliza outros meios para recebimento de denúncias, que podem ser feitas anonimamente.

Denúncia on-line / Maria da Penha on-line

Por telefone: ligue 197, opção 0 (zero), ou pelo WhatsApp (61) 9 8626-1197

Por e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

A Polícia Militar do Distrito Federal também se coloca à disposição pelo 190.

fonte: https://www.metropoles.com/conteudo-especial/casos-de-feminicidio-no-df-tem-em-comum-requintes-de-selvageria

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...