Grupos de sobreviventes de abuso sexual estão questionando por que o Papa Francisco demorou tanto para suspender um estatuto de limitações para permitir a possível acusação do padre e artista esloveno Marko Rupnik.

A reportagem é publicada por The Catholic Herald, 31-10-2023.

Vítimas "precisam de justiça, não palavras", disse a sobrevivente de abuso irlandesa Marie Collins (na foto), ex-membro da Comissão Pontifícia para a Tutela dos Menores, que renunciou em protesto em 2017.


Marie Collins no Encontro Mundial das Famílias, em Dublin, em 24 de agosto de 2018. (Foto: John McElroy | CNS – cortesia do Encontro Mundial das Famílias)

 

Por mais de um ano, a polêmica em torno de Rupnik, talvez o muralista mais famoso do catolicismo contemporâneo, que foi acusado de agredir sexualmente cerca de 25 mulheres adultas ao longo de um período de 30 anos, tem atormentado a Igreja, em parte devido a várias dúvidas sobre o tratamento do caso.

A Dicastério para a Doutrina da Fé (DDF) inicialmente se recusou a abrir processos canônicos, citando um estatuto de limitações canônico para abuso de adultos, que já havia sido suspenso em outros casos, tornando o anúncio do Papa na sexta-feira uma reviravolta completa na questão.

Uma investigação interna realizada pelos jesuítas concluiu que as alegações eram "altamente críveis" e culminou com a expulsão de Rupnik da ordem em junho por desobediência, pois ele se recusou a cumprir as ordens de seus superiores.

Em 15 de setembro, o Papa Francisco se reuniu em particular com um aliado conhecido de Rupnik, e a Diocese de Roma deu ao Centro Aletti fundado por Rupnik um atestado de saúde três dias depois.

A Diocese de Koper, na Eslovênia, anunciou em 25 de outubro que dom Jurij Bizjak havia aceitado Rupnik na diocese no fim de agosto, apenas dois meses após sua expulsão dos jesuítas.

De acordo com um comunicado de Slavko Rebec, vigário-geral da Diocese de Koper, Bizjak aceitou Rupnik "com base no decreto sobre o desligamento de Rupnik da ordem dos jesuítas e com base no pedido de admissão de Rupnik à Diocese de Koper, com base no fato de que Rupnik não foi condenado por nenhum crime".

"Todo acusado de um ato criminoso tem o direito de ser considerado inocente até que seja considerado culpado de acordo com a lei, em um processo público no qual lhe são concedidas todas as oportunidades necessárias para sua defesa", diz o comunicado, citando a Declaração de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Antes de aceitar Rupnik, Bizjak teria consultado o núncio apostólico na Eslovênia, dom Jean-Marie Speich, bem como o vigário de Roma, cardeal Angelo De Donatis, e o professor de direito canônico italiano Giacomo Incitti.

Uma vez que a notícia da aceitação de Rupnik por Koper, sem restrições em seu ministério, apesar das acusações contra ele e independentemente de sua expulsão dos jesuítas, foi recebida com imediata reação negativa de sobreviventes de abuso e grupos de defesa das vítimas.

Em uma postagem na plataforma de mídia social X, anteriormente chamada de TwitterCollins observou que mesmo em 2023 "nada muda na Igreja Católica".

"Tanta conversa e tão pouca mudança real", disse ela. "Por que continuamos ouvindo palavras vazias e promessas?"

Collins, em uma segunda série de postagens, disse que é hora de a Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores, após 10 anos, "parar de falar e tomar uma posição".

"Se não há nada que possa fazer para estabelecer a responsabilidade real e a tolerância zero para a facilitação de abusadores como #Rupnik na Igreja, qual é o sentido de continuar?", disse ela, observando que renunciou ao órgão há seis anos "porque senti que seu trabalho não estava indo a lugar algum devido ao clericalismo e à resistência interna à mudança dentro do Vaticano".

"Olhando para #Rupnik, não é diferente agora e, com a mudança da referida Pontifícia Comissão para a Cúria, é ainda menos provável que tenha sucesso", disse ela, observando que este órgão, como parte da reforma do Papa Francisco da Cúria Romana, foi formalmente incorporada à DDF.

O grupo Survivors Network of those Abused by Priests (SNAP) também condenou a decisão de permitir que Rupnik pratique o ministério em Koper, chamando a decisão de "loucura absoluta" e "um sinal claro de que, embora a Igreja continue a dizer que mudou, suas ações a contradizem".

"Isso também reforça que precisamos continuar nossa luta por justiça e responsabilidade. Autoridades católicas estão mais uma vez protegendo um padre proeminente em vez de apoiar as corajosas sobreviventes que denunciaram, e de evitar vítimas futuras", disse a organização.

Chamando Rupnik de "predador perigoso" tornando-se mais ousado "pelo fato de que suas ações não resultaram em consequências permanentes", o SNAP disse que não conseguem "entender por que qualquer bispo colocaria as mulheres em sua diocese em perigo dessa maneira".

Isso não apenas desencoraja outras vítimas adultas de abuso a se manifestarem, mas "é também um tapa na cara de todas as corajosas mulheres que falaram contra o Padre Rupnik, e aumentará o fardo de dor que já carregam", diz a declaração.

Em 27 de outubro, o Vaticano emitiu um comunicado anunciando que, após uma reunião com membros da Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores e vítimas de Rupnik em setembro, "problemas sérios no tratamento" do caso foram trazidos à atenção do Papa, levando-o a suspender o estatuto de limitações, permitindo assim o início dos procedimentos canônicos.

Em uma postagem no X após o anúncio, Collins expressou dúvidas sobre a eficácia da medida, dizendo: "Qual é o objetivo disso? 'Ouvir' as vítimas enquanto seu abusador é reintegrado ao ministério! O mundo pode ver como elas foram tratadas pela Igreja. Elas precisam de justiça, não de conversa".

O grupo de defesa Ending Clergy Abuse (ECA) também se manifestou, dizendo que contesta há muito tempo o fato de que a política do Vaticano exige a intervenção papal para suspender o estatuto de limitações.

No início deste mês, o grupo propôs uma nova lei de Tolerância Zero que exige a remoção permanente do sacerdócio de qualquer padre considerado culpado de abusar de crianças ou adultos vulneráveis, bem como de qualquer bispo que tenha ocultado intencionalmente o abuso. A legislação proposta também isenta qualquer caso de abuso sexual de um estatuto de limitações.

O ECA questionou por que as vítimas de Rupnik não foram consideradas "adultos vulneráveis", uma vez que havia uma clara diferenciação de poder, dado que a maioria das supostas vítimas pertencia à "Skupnosti Loyola" ou Comunidade Loyola, cofundada por Rupnik na Eslovênia na década de 1990, além do fato de que Rupnik era também um artista famoso e mundialmente celebrado.

"Além disso, ele integrava os símbolos e ensinamentos doutrinários do catolicismo no abuso sexualespiritual e psicológico que infligia às suas vítimas", disse o ECA. A recusa em reconhecer a vulnerabilidade das mulheres que se manifestaram, segundo o grupo, "ecoou um longo padrão da recusa do Vaticano em tratar o abuso de mulheres como um crime que merece ser afastado do ministério".

"A reviravolta do Papa hoje foi certamente compelida pelas críticas públicas contundentes que recebeu por sua aparente cumplicidade neste caso", disseram eles.

ECA lembrou um caso semelhante em que o pontífice, em 2018, inicialmente se recusou a ouvir as vítimas de abuso no Chile quando acusaram dom Juan Barros Madrid de encobrimento, acusando-as de "calúnia", apenas para reverter a decisão em meio à reação pública e lançar uma investigação que acabou resultando na remoção de Barros e levou todos os bispos do país a apresentarem suas renúncias.

"O caso de Rupnik agora está nas mãos da Dicastério da Doutrina da Fé (DDF)", uma entidade que, segundo eles, "permitiu e facilitou" o abuso no mundo todo.

Leia mais

fonte: https://www.ihu.unisinos.br/633850-sobreviventes-de-abuso-sexual-questionam-por-que-o-papa-demorou-tanto-para-parar-de-proteger-rupnik

 


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...