Cirurgião Paulo Augusto Berchielli, de 63 anos, é apontado até o momento por dez mulheres como autor de abusos sexuais em sua clínica em SP

Reprodução/Redes Sociais
Em foto colorida homem branco de olhos azuis, sem barba, vestindo camiseta verde musgo - Metrópoles

São Paulo – O dia 12 de novembro de 2012 não sai da cabeça de uma aposentada de 65 anos que, desde então, guarda com revolta e vergonha um abuso sexual, segundo ela, sofrido durante uma consulta com o médico proctologista Paulo Augusto Berchielli, de 63 anos.

Ele teve a prisão por tempo indeterminado decretada pela Justiça e seguia foragido até a publicação desta reportagem.

“Fiquei toda desorientada. Quando passei o papel em meu ânus [após o exame] saiu um monte de sangue com uma gosma de sêmen. Não nasci ontem e sei reconhecer esperma. Me calei. Fiquei com vergonha e carrego isso comigo há quase 11 anos”, afirmou a mulher, que é a décima paciente a atribuir ao médico um estupro.

Em novembro de 2012, a agora aposentada trabalhava grande parte do dia sentada e tinha intervalos curtos para se alimentar. Por causa disso, ela consumia sanduíches no almoço e não tinha tempo para se exercitar. “Comecei a sentir dores. Fui no médico do trabalho e ele me indicou para ir até um proctologista. Nem sabia na época que existia esse tipo de médico”.

Leia também
Nona vítima de médico relembra abuso: “Sua palavra contra a minha”

A mulher, então, foi ao consultório de Berchielli, na zona leste da capital paulista. Assim que chegou, ele pediu para ela se deitar de barriga para cima na maca. O cirurgião então começou a apertar a barriga da paciente, para identificar as regiões onde ela sentia dor.

Ao terminar, ele teria afirmado que precisava realizar um exame mais invasivo, para ter certeza do que a mulher poderia ter. Foi quando ele pediu para ela tirar a calcinha. “Até aí, não tinha estranhado nada ainda, porque nos ginecologistas que eu ia acontecia a mesma coisa.”

Ao retornar do banheiro, sem a roupa íntima, a paciente deitou novamente na maca, mas de bruços. O médico então, segundo a aposentada, mostrou para ela um objeto, parecido com um desodorante. “Ele falou que iria usar isso para fazer o exame, introduzindo o aparelho em meu ânus.”

Ouça relato de outras vítimas

Anestesia local

Antes do exame, relembra a paciente, o proctologista passou uma pomada anestésica na região anal dela. Ele também cobriu a mulher com um lençol, que a impedia de ver o que era feito às suas costas. A maca foi reclinada e a vítima ficou em uma posição, como se estivesse agachada.

“Ele, então, ficou bem perto de minhas nádegas e comecei a sentir fortes dores no ânus. Era um movimento de vai e volta, de entra e sai. Quando eu perguntava o que estava acontecendo, ele pedia para eu ficar calma, para o exame dar certo.”

O suposto exame durou ao menos cinco minutos, segundo a mulher. Quando ela, por fim, decidiu tirar o lençol, após perceber que os movimentos haviam terminado, garante ter visto o médico limpando a região íntima. Em seguida, ela foi ao banheiro, momento no qual constatou que seu ânus estava com sangue e a “gosma”.

Reprodução/CremespEm imagem colorida dados de médicos no Cremesp - Metrópoles
Registro profissional de médico suspeito de estupro segue ativo no Cremesp

Constrangida, a vítima pediu um atestado, para comprovar no trabalho que havia passado em consulta. O documento, porém, só foi entregue à mulher no dia seguinte, quando ela precisou voltar ao consultório. “Acho que ele pensou que iria conseguir me estuprar de novo. Mas quando percebeu que não ia dar certo, me deu o atestado e fui embora, para nunca mais voltar”.

Ela não denunciou o cirurgião na ocasião, porque sentiu medo e achava que estava sozinha. Por fim, a vítima decidiu tornar sua história pública após ver reportagens sobre o médico, publicadas desde a semana passada pelo Metrópoles.

“Vocês [reportagem] são uma das primeiras pessoas que ouvem minha história, desde que tudo aconteceu. Espero que ela ajude outras vítimas a falarem e que, assim, possamos colocar esse monstro na cadeia.”

A mulher acrescentou, ainda, que pretende registrar um boletim de ocorrência sobre o caso, para engrossar o coro de denúncias contra o cirurgião.

Reproduçãofoto colorida de receita entregue pelo médico Paulo Berchielli a uma de suas vítimas em 2012
Receita do médico Paulo Berchielli entregue à vítima em 2012

Defesa, Cremesp e polícia

O advogado Daniel Bialski, em nota enviada ao Metrópoles, refutou e negou as acusações feitas contra o médico. O defensor disse ter firme convicção de que a inocência do cirurgião “será comprovada durante o processo”.

Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), também em nota, afirmou investigar o cirurgião “sob sigilo determinado por lei” e seguindo os prazos processuais determinados pelo Código de Processos Éticos Profissionais do Cremesp. “Qualquer manifestação adicional por parte do conselho poderá resultar na nulidade do processo”, acrescentou.

Por meio da Secretaria da Segurança Pública (SSP), a 5ª Delegacia de Defesa da Mulher afirmou que segue com diligências “para localizar e prender o autor”.

fonte: https://www.metropoles.com/sao-paulo/carrego-isso-comigo-ha-11-anos-diz-nova-vitima-de-medico-foragido

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...