Mais de 125 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica e familiar no estado, ou seja, 14 mulheres por hora

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) | 01 de Novembro de 2023 às 07:11

Violência psicológica costuma ser a porta de entrada para outras formas de violência, aponta o Dossiê Mulher, do ISP - Fernando Frazão/ Agência Brasil


O Rio de Janeiro registrou alta de casos de violência sexual contra a mulher durante o ano de 2022, é o que aponta o Dossiê Mulher lançado nesta terça-feira (30) e produzido pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), órgão vinculado ao governo do estado do Rio. Foram 7.363 casos, o que corresponde a 5,9% de alguma forma de violência contra a mulher. O número é o maior desde 2014.

Leia mais: Primeiro semestre de 2023 teve registro de 16 mil ocorrências de violência contra mulheres no Rio de Janeiro

Segundo o ISP, uma das explicações é que o resultado pode ser associado a "uma maior confiança no sistema de justiça criminal, juntamente com a expansão dos canais de denúncia e ampliação de iniciativas voltadas para a conscientização sobre os crimes inerentes a essa modalidade de violência, contribuindo significativamente para o aumento das notificações", afirma o dossiê.

O maior tipo de violência sofrida foi a psicológica: 43.594 casos nos 12 meses do ano passado em todo o estado. Na sequência, houve 38.576 registros de violência física. Violência moral e violência patrimonial (controlar dinheiro, deixar de pagar pensão alimentícia, furto, extorsão ou dano, além de destruição de documentos pessoais, entre outros) correspondem a 30.132 e 6.039, respectivamente.

:: Lula sanciona auxílio de um salário mínimo para órfãos de vítimas de feminicídio  ::

Das cinco formas de violência acima relatadas, as parcelas femininas da população foram as maiores vítimas, com exceção dos crimes de calúnia (2.043 ou 46,8%), tentativa de homicídio (243 ou 6,8%) e homicídio doloso (172 ou 5,6%). Em termos de números absolutos, os delitos de ameaça (38.086), lesão corporal dolosa (37.757) e injúria (24.965) foram os mais elevados entre as mulheres que denunciaram os abusos.

Lei Maria da Penha

O levantamento informa que a Lei Maria da Penha foi aplicada em 63,5% dos casos, reforçando o contexto de violência doméstica e familiar, e a Região Metropolitana registrou a maior parte das vítimas, com 71,4% do total. A violência psicológica costuma ser a porta de entrada para outras formas de violência, aponta o dossiê.

Em sua totalidade, mais de 125 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica e familiar no estado do Rio de Janeiro, ou seja, 14 mulheres sofreram algum tipo de violência por hora em 2022. Cerca de 21 mil delas relataram que foram vítimas de violências simultâneas - a maior combinação foi entre as violências Psicológica e Moral, seguida pela Física e Psicológica.

Mais da metade das mulheres possuíam entre 30 e 59 anos, e 15,8% das idosas foram agredidas pelos seus próprios filhos. Cerca de metade dos autores eram os companheiros ou ex e a maior parte das violências ocorreram dentro de uma casa.

:: Lei Maria da Penha completa 17 anos: como avançar? ::


Em 2022, 111 mulheres foram vítimas de feminicídio no estado do Rio de Janeiro. Mais de 60% das vítimas tinham entre 30 e 59 anos de idade e eram negras. Os companheiros ou ex-companheiros representam a grande maioria dos autores (80,2%). Cerca de dois terços destas mulheres eram mães e, 57 delas tinham filhos menores de idade - em 17 das ocorrências, os filhos presenciaram os crimes.

"É importante destacar também que em 75% das vezes, a motivação dada pelos autores na delegacia foi um sentimento de posse, como ciúmes, briga, término de relacionamento e desconfiança de traição. Em 75,1% das vezes, os autores foram presos pela Polícia Civil - em flagrante, após investigação ou entrega voluntária", diz trecho do dossiê, que pode ser acessado aqui.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Eduardo Miranda

fonte: https://www.brasildefato.com.br/2023/11/01/rj-tem-alta-de-casos-de-violencia-sexual-contra-a-mulher-aponta-dossie-do-isp

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...