Em julgamento recente, o STF confirmou que a tese é inconstitucional em crimes de feminicídio e agressões contra mulheres

Fernanda Nascimento - SUL21
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
 
 
 

Arte: Matheus Leal/Sul21
 
 

A confirmação de que a tese de “legítima defesa da honra” em crimes de feminicídio e agressões contra mulheres é inconstitucional, em julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 30 de julho, fez muita gente se questionar como a utilização desse argumento ainda era permitida. Na verdade, a defesa da honra costumava aparecer de maneira indireta no julgamento, com alusão ao comportamento das vítimas, por exemplo, o que muitas vezes acabava inocentando ou reduzindo a pena dos réus.


Soraia Mendes. Foto: Arquivo pessoal

Referendada pelo julgamento do pleno do STF, a inconstitucionalidade já estava garantida desde 2021, quando o ministro Dias Toffoli concedeu uma liminar sobre o assunto. E para compreender o impacto dessa decisão, especialmente em julgamentos no tribunal do júri, o Sul21 entrevistou advogadas e pesquisadoras feministas.

Uma das especialistas é Soraia Mendes, advogada feminista e doutora em Teorias Jurídicas Contemporâneas. Com longa trajetória no Direito Criminal e Gênero, Soraia atuou no processo e acredita que a vitória é um dos marcos dentro do movimento feminista brasileiro. – O que a gente tem é um marco zero. E isso é um passo gigantesco em termos civilizatórios. A gente não pode admitir que um homem possa julgar-se no direito de dispor da vida de uma mulher e alegar que sua honra foi ferida. As consequências jurídicas virão. E qualquer tentativa de aludir a honra deve ser imediatamente proibida pelo Judiciário, em qualquer instância do processo.

A decisão do STF foi motivada por uma ação movida pelo PDT, em 2021, logo após a absolvição de um réu confesso de tentativa de feminicídio ser confirmada pelo mesmo tribunal, causando indignação nacional.


Andréia Souza. Foto: Arquivo pessoal

O caso ocorreu em 2016, em Minas Gerais: um homem tentou assassinar a ex-companheira a facadas e alegou como motivação uma suposta traição antes do término da relação. Na delegacia e no julgamento do tribunal do júri, ele confirmou ter tentado matar a ex-companheira e se justificou: “sou trabalhador e não posso aceitar uma humilhação dessas”.

O tribunal do júri absolveu o réu. O Ministério Público recorreu ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais pedindo a anulação do júri e foi atendido. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a anulação. Mas, quando o caso chegou ao STF, a maioria dos magistrados entendeu que o tribunal do júri era soberano. E mesmo tendo confessado o crime, o homem manteve sua absolvição e segue em liberdade. Gabriela Souza, advogada feminista de Porto Alegre, explica a importância de garantir a nulidade desse tipo de argumento.

“O júri popular julga crimes contra a vida. E, nesse júri, não são magistrados atuando, os debates são livres. Tudo que é dito ali causa um impacto nas pessoas que vão condenar ou absolver. Mesmo que não exista a previsão legal da “legítima defesa da honra”, a defesa ainda usava estereótipos de gênero para dizer que a mulher havia causado a própria morte ou motivado a sua agressão”, explica.

A advogada Soraia completa: “As mulheres são violentadas dentro do sistema de justiça, seja em casos de feminicídio, seja em casos de violência, a responsabilidade acabava sendo colocada sobre as costas da vítima. Ou seja: a vítima provocou ou deu a oportunidade para que o crime acontecesse”, afirma.

A utilização desse tipo de argumento no tribunal do júri foi estudada pela professora e advogada Andréia Aparecida Souza. A pesquisadora acompanhou processos e julgamentos no Paraná, estado onde reside, e afirma que há uma característica utilizada pela defesa dos acusados: o tom vitimista dos homens, que usam discursos de ordem moral para acusar as mulheres de serem responsáveis pelos crimes que eles mesmos cometeram.

“Isso está muito relacionado a linguagem. A forma como se tenta justificar o comportamento do acusado e imputar à vítima o crime. Em um dos casos que analisei, o réu dizia que tinha proferido 20 facadas, mas só fez isso porque se sentiu agredido. Os discursos são semelhantes: eles só agem porque foram provocados”, afirma.

Em outro caso acompanhado por Andréia e com repercussão nacional, o assassinato de Tatiane Spitzner – agredida e atirada do quarto andar do apartamento em que morava pelo marido, Luis Felipe Manvainer, em 2018 – o argumento também seguiu a mesma linha. Neste caso, inclusive, o júri foi composto apenas por homens, pois a defesa pediu a mudança de quatro mulheres sorteadas para compor o júri – o que é um direito, mas explicita também uma estratégia na atuação.

“E o que se vê é sempre uma defesa de uma honra: a honra do homem, que é atrelada ao comportamento da mulher. A vida da mulher não importa. A honra da mulher não existe”, afirma Andréia.

Uma questão apontada pelas advogadas é que, ainda que a decisão do STF tenha sido motivada por casos envolvendo o tribunal do júri, a proibição da utilização de teses relacionadas à legítima defesa da honra se estende a todo o rito processual. Assim, o Código Penal não pode ser interpretado de modo a aludir uma suposta defesa da honra no âmbito da ideia de legítima defesa. E isso se estende à acusação, defesa, autoridades policiais e juízo. Em caso de utilização do argumento, o ato deverá ser anulado – e isso inclui julgamentos nos quais os réus sejam absolvidos a partir de teses diretas ou indiretas relacionadas à honra.

A ideia de legítima defesa da honra não é recente. Até o início do século XIX, no Brasil Colônia, as Ordenações Filipinas regulavam as situações de infidelidade e garantiam o direito do marido traído de matar a esposa e o amante. O texto é explícito também quanto às questões de classe que perpassam a sociedade: “Achando o homem casado sua mulher em adultério, licitamente poderá matá-la, como o adúltero, salvo se o marido for peão e o adúltero fidalgo ou nosso desembargador ou pessoa de maior qualidade”. As Ordenações Filipinas garantiam ainda que, em crimes desse tipo, os assassinos seguissem “livres, sem pena alguma”.


Gabriela Souza. Foto: Arquivo pessoal

No Brasil Império, o assassinato de adúlteros deixou de ser permitido, mas o adultério seguiu crime. Com uma diferença de gênero: o adultério dos homens era previsto somente em relações duradouras e para as mulheres bastava qualquer presunção de que havia ocorrido. Na República, a legítima defesa como excludente de ilicitude entrou no Código Penal de 1890, não somente no caso de defesa da vida: “ela compreende todos os direitos que podem ser lesados”. O Código de 1940 manteve a previsão de legítima defesa.

E a ideia de que a honra supostamente ferida dos homens autorizava crimes contra mulheres se fez presente de diferentes maneiras. A historiadora Magali Engel pesquisou os crimes contra mulheres no começo do século XX, no Rio de Janeiro, e constatou a forte presença de argumentos relacionados ao “amor em excesso”, e à ideia de “crime passional”.

“A gente tem decisões calcadas em estereótipos de gênero desde que o mundo é mundo. Crimes de gênero não envolvem amor, crimes de gênero envolvem ódio. E todos os dias, em todos os processos, sempre que há uma oportunidade se coloca em dúvida a honra da mulher”, afirma Gabriela Souza.

Para Soraia Mendes, o julgamento da inconstitucionalidade pelo STF é uma vitória do feminismo e que remete à um dos importantes momentos do movimento no Brasil: o julgamento de Doca Street pelo assassinato de Angela Diniz. Doca foi condenado inicialmente a apenas 18 meses de prisão, em um julgamento em que a defesa afirmou que Doca matou porque era um “homem ofendido na sua dignidade masculina” provocado “pela sedução de uma mulher fatal, de uma Vênus lasciva”. A defesa recorreu e a pressão do movimento feminista contribuiu para que o julgamento fosse anulado. Em novo júri, a tese não convenceu os jurados e Doca foi condenado a 15 anos de prisão.

“Desde os anos 70, do feminicídio cometido por Doca Street, que existe a consigna de ‘quem ama, não mata’. Não existe alguém doente de amor e que por essa doença elimine o ser amado. Não se pode admitir que a honra seja citada como elemento de um homem que se julga no direito de dispor da vida em razão de seu desejo”, diz Soraia.

 
 

Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...