Escrivã Rafaela Drummond teria feito denúncias de assédio e pressão psicológica no sindicato. Ela foi encontrada sem vida na sexta (9/6)

Metrópoles

 

A escrivã da Polícia Civil de Minas Gerais Rafaela Drummond, encontrada sem vida na cidade de Antônio Carlos (MG), no último fim de semana, protocolou diversas denúncias de assédio moral e sexual, além de pressão psicológica por causa da sobrecarga no trabalho. A corporação informou, na segunda-feira (12/6), que abriu inquérito para apurar as circunstâncias da morte.

Os pais de Rafaela encontraram a policial de 31 anos morta na última sexta-feira (9/6). O caso foi registrado como suicídio. A PCMG abriu inquérito após o vazamento de áudios em que a vítima detalha situações de violência psicológica e perseguição dentro da instituição.

 
 

O Sindicato dos Escrivães da Polícia Civil de Minas Gerais (Sindep-MG) confirmou ter sido procurado por Rafaela na última semana, com as denúncias dos crimes, no entanto, não revelou o teor dos relatos. Segundo familiares, ela teria pedido transferência em razão das condições no trabalho.

O Sindep informou ainda que recebeu outras denúncias e que programou visita técnica à regional. Contudo, não houve tempo hábil para intervenção antes da morte da jovem. A organização alega que entrou em contato com as autoridades para cobrar providências cabíveis, e pontuou que a morte da escrivã “não é um caso isolado”.

“Ainda no sábado [10/6] entramos em contato com a chefe de Polícia e falamos da necessidade de investigar o caso. Temos informações de que há outros colegas adoecidos naquela unidade”, assinalou o sindicato.

“Não estava normal”

O pai de Rafaela, Aldair Divino Drumond, afirmou que reparou mudanças no comportamento da filha. Entretanto, ele e a esposa acreditaram que se tratava de tensão por causa dos estudos para prova de um concurso para o cargo de delegada.

O último contato que tiveram com a jovem foi na terça-feira da semana passada (6/6), três dias antes da tragédia. No entanto, de acordo com Aldair, “há três meses a filha não estava no estado normal”.

“Fiquei perdido, não entendi o que aconteceu com a minha filha. Uma menina cheia de vida, com emprego e tudo e, de repente, dá essa tragédia. Fui em outro mundo e voltei. Enterrei ela no sábado, no domingo a gente ficou vagando e na segunda saiu essa notícia que aconteceu no trabalho dela. Quero que seja elucidado esse caso”, disse, em entrevista à TV Integração.

A notícia de que a Polícia Civil abriu um inquérito para apurar a morte “acalenta um pouco a família”, segundo o pai. Ele diz ter sido chamado à delegacia de Barbacena para uma conversa com a chefe das escrivãs do estado, uma assistente social e uma psicóloga da Polícia Civil, sobre a abertura das investigações.

“Pelo menos me conforta que o caso da minha filha vai ser elucidado. Eu acredito no trabalho da Polícia Civil, órgão ao qual a minha filha pertencia e tinha sonho de continuar lá”, concluiu.

Busque ajuda

Metrópoles tem a política de publicar informações sobre casos ou tentativas de suicídio que ocorrem em locais públicos ou causam mobilização social, porque esse é um tema debatido com muito cuidado pelas pessoas em geral.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o assunto não venha a público com frequência, para o ato não ser estimulado. O silêncio, porém, camufla outro problema: a falta de conhecimento sobre o que, de fato, leva essas pessoas a se matarem.

Depressão, esquizofrenia e uso de drogas ilícitas são os principais males identificados pelos médicos em um potencial suicida – problemas que poderiam ser tratados e evitados em 90% dos casos, segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria.

Está passando por um período difícil? O Centro de Valorização da Vida (CVV) pode ajudar você. A organização atua no apoio emocional e na prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, e-mail, chat e Skype, 24 horas, todos os dias.”

Arte/MetrópolesArte/Metrópoles

fonte: https://www.metropoles.com/brasil/escriva-encontrada-morta-em-mg-denunciou-pressao-psicologica-e-assedio

 


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...