Entre as lideranças políticas, intelectuais e artistas que endossam o movimento estão a ministra Anielle Franco, da Igualdade Racial; a ex-ministra Izabella Teixeira; a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT); a deputada federal Luiza Erundina (PSOL-SP); a jurista Carol Proner; a professora e filósofa Marilena Chauí e a cineasta Tata Amaral.

Dilma Rousseff Foto EBC

Diário do Centro do Mundo
 

Mais de 2 mil mulheres assinaram nesta quinta-feira (9) um manifestou no qual reafirmam que houve golpe contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2016. O documento é idealizado pela socióloga e ex-ministra Eleonora Menicucci, pela pesquisadora Celia Watanabe e pela desembargadora aposentada Magda Biavaschi.

A manifestação ocorre após o ex-presidente Michel Temer (MDB) declarar que o impeachment da petista não foi golpe. “Ao contrário do que ele [Luiz Inácio Lula da Silva] disse hoje em evento internacional, o país não foi vítima de golpe algum. Foi na verdade aplicada a pena prevista para quem infringe a Constituição”, disse o ex-mandatário.

O texto afirma que Temer é um dos “grandes artífices do golpe” e é acompanhado por “vozes ressentidas, equivocadas ou, ao menos, golpistas”.

“Diante disso, nós mulheres, que constituímos a maioria da população do país, destacando estarem vivas nesse golpe nossas heranças patriarcais e a misoginia, cá estamos para, em uníssono, bradar: foi golpe, um golpe institucional/parlamentar, misógino, de graves proporções e que se expressou nas reformas que se seguiram”, afirma o documento.

Entre as lideranças políticas, intelectuais e artistas que endossam o movimento estão a ministra Anielle Franco, da Igualdade Racial; a ex-ministra Izabella Teixeira; a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT); a deputada federal Luiza Erundina (PSOL-SP); a jurista Carol Proner; a professora e filósofa Marilena Chauí e a cineasta Tata Amaral.

“A nossa mobilização nasceu da indignação que tomou conta das mulheres democráticas, de todos os espectros do Brasil”, diz Eleonora à coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo.

Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando neste link
Entre em nosso canal no Telegram,clique neste link

 

fonte: https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/erundina-marilena-chaui-e-mais-de-2000-mulheres-assinam-manifesto-pro-dilma-foi-golpe/


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...