Os resultados estão apresentados no Relatório Mulheres no Poder, publicado no site do Observatório da Mulher contra a Violência (OMV)

 Mulheres Politica agencia brasil

Foto: Agência Brasil

12 de dezembro, 2022 Agência Senado

Eleitores e eleitoras não pensam no gênero do candidato na hora de votar, mas apoiam políticas que promovam o equilíbrio e a equidade na presença de homens e mulheres nas cadeiras do Parlamento. Este é um dos resultados da pesquisa Mulheres no Poder, que o Observatório da Mulher contra a Violência realizou a pedido da Procuradoria da Mulher do Senado, em outubro de 2022.

Realizada por telefone, em amostragem controlada de 1.600 pessoas, a pesquisa teve seus resultados principais reunidos em dez questões chave sobre o peso do gênero dos(as) candidatos(as) na escolha do voto; a tendência ideológica de eleitores e eleitoras; a avaliação do desempenho das parlamentares; a eficácia das leis existentes para assegurar a equidade de gênero; a avaliação das cotas para candidaturas e para cadeiras – inclusive em 50% –  no Parlamento, bem como da destinação de recursos financeiros para candidaturas femininas; apoio a cotas em outras posições de poder, nas empresas e na sociedade em geral.

O gênero não faz diferença na hora do voto; os homens se posicionam mais à direita e as mulheres mais à esquerda no espectro ideológico; as parlamentares são poucas, mas representam bem; as leis que garantem equidade são insuficientes; mulheres apoiam mais as cotas para candidaturas; maioria apoia cotas para cadeiras no Parlamento; vagas devem ser meio a meio; recursos financeiros devem ser destinados às candidatas; maioria apoia cotas para mulheres, principalmente nos espaços públicos de poder; e, por fim, a opinião masculina tende a se dividir em torno de quase todas as questões feitas.

Para a senadora Leila Barros, procuradora Especial da Mulher do Senado, esta pesquisa mostra que há uma disposição de mudanças muito importante quanto à representação de gênero no Parlamento: “Há muitos projetos de lei e mesmo de emenda constitucional que falam no estabelecimento de cotas de mínimo de 10%, 12%, 30% e mesmo de 50% no Parlamento. Encontramos obstáculo até para aprovar a mínima cota, mas a pesquisa mostra que há vontade, abertura e até necessidade de uma representação meio a meio, como organismos internacionais também defendem”.

Os resultados estão apresentados no Relatório Mulheres no Poder, publicado no site do Observatório da Mulher contra a Violência (OMV), inclusive com gráficos que pormenorizam os números e são didaticamente explicados.


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Matérias Publicadas por Data

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Recomendamos a leitura

A universidade operacional

  • 15-05-2024 16:03:30

MST – 40 anos

  • 11-05-2024 15:40:33

Feminismo e software livre

  • 06-05-2024 18:43:14

Portugal entre 1974 e 1975

  • 30-04-2024 15:06:18

Violência contra as mulheres em dados

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...