“As igrejas estão fazendo uma autocrítica para desconstruir essa adaptação que tivemos a um modelo totalmente machista e patriarcal”, diz a pastora evangélica luterana Mariela Pereyra em entrevista publicada pela Deutsche Welle, 30-11-2022.

Eis a entrevista.

Mariela Pereyra é pastora da Igreja Evangélica Luterana Unida —que reúne as igrejas da Argentina e do Uruguai—, da qual também é vice-presidente.

É também o único representante latino-americano no Comitê Executivo do Conselho Mundial de Igrejas, que reúne mais de 350 igrejas cristãs de mais de 120 países.

DW conversou com esta mulher de olhar claro, caráter forte e agenda lotada, nascida há 50 anos na costa de Mar del Plata, e que hoje mora em Buenos Aires, junto com o marido, também pastor, e os três filhos. E que, aliás, não usa eufemismos para estabelecer uma posição.

Você é o único membro latino-americano do Comitê Executivo do Conselho Mundial de Igrejas: quais são as características das igrejas do continente?

As igrejas latino-americanas estão profundamente enraizadas na defesa dos direitos humanos, na luta pela terra, pelo meio ambiente e contra o extrativismo. Fazemos uma leitura crítica do que é a situação ambiental, porque não se trata apenas de dizer "a terra está sofrendo", mas de ir atrás do porquê ela está sofrendo, o que os seres humanos fizeram com esta criação que Deus nos deu, do mau uso e abuso de recursos para chegar a esta situação atual. Porque esta não é a vontade de Deus: é ação humana, e é a superexploração pelos grandes poderes dos recursos naturais, sem uma visão de cuidado e renovação.

As tensões sociais estão muito presentes em toda a América Latina e as igrejas têm voz profética e denunciam os muitos abusos que nosso povo sofre, sejam eles membros da igreja ou não.

Qual é o papel atual da mulher nas igrejas da América Latina, embora não possa ser generalizado?

Muitas igrejas têm liderança de mulheres. Entre 40 e 60 anos atrás começaram a ser ordenadas as primeiras ministras. A liderança feminina está chegando. E não é uma questão fortuita, mas fruto de muitas mulheres que lutaram, que pegaram a Bíblia e assumiram que o papel de submissão à mulher não é vontade de Deus, mas sim uma construção humana. Dizemos que é o "pecado estrutural do machismo", onde as mulheres são inferiores aos homens.

Para que o machismo e o sexismo não sejam "prescritos" desde os primórdios do cristianismo, desde as Escrituras?

Eu diria, e posso afirmar teologicamente, que estes estão presentes apenas a partir da hermenêutica (NdlR: interpretação dos textos sagrados) que alguns aplicam às Escrituras, porque se alguém ler os Evangelhos com ferramentas críticas, perceberá que Jesus sempre teve mulheres no seu movimento, teve uma “apóstola”, que foi Maria Madalena, que a história apagou, deixou de nomear, mas que foi uma das apóstolas de Jesus. E, além disso, o fato mais simbólico é que o anúncio da Ressurreição, que é o berço da fé cristã, foi feito pela boca das mulheres, e isso mesmo quando, no tempo de Jesus, as mulheres não tinham o mesmo status hierárquico e social do que os homens.

Como avalia, porém, a atuação das igrejas em relação aos direitos das mulheres?

Bem, temos que criticar também todas as igrejas, e reconhecer que temos apoiado, e muitas vezes continuamos a apoiar, um discurso de desvalorização da mulher. E que isso implica, consequentemente, que a pessoa seja desvalorizada, violentada e privada de direitos. Também que se tomam decisões sobre a vida das mulheres sem consultá-las, falam-se delas como se fossem terceiros, não são incluídas nas mesas e assim por diante. Mas acredito que as igrejas estão fazendo uma autocrítica, para desconstruir essa adaptação que tivemos a um modelo totalmente machista e patriarcal.

Como vê o futuro do continente?

Eu tenho esperança, porque sou uma mulher de fé, mas a esperança exige que o ser humano faça uma autocrítica sobre o que está destruindo, porque a esperança surge da busca pela restauração do que fizemos de errado. Então, claro, minha esperança está sempre ligada à fé em Deus e aos diálogos necessários para construir a paz, para rever essas posições intransigentes que temos na América Latina, onde os lugares de encontro estão nos custando muito.

Leia mais

fonte: https://www.ihu.unisinos.br/624488-igreja-latino-americana-o-papel-da-submissao-da-mulher-nao-e-a-vontade-de-deus

 


Receba Notícias

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Violência contra as mulheres em dados

Rita de Cássia Leal Fonseca dos Santos

Ministério do Planejamento
CLIQUE PARA RECEBER O LIVRO (PDF)

marcha das margaridas agosto 2023

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...