Quase lá: Comportamento suicida entre crianças, jovens e adolescentes será tema de debate na USP

Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP propõe discutir a saúde mental ao longo dos ciclos da vida nas áreas da política, trabalho e na vida de crianças, jovens e adolescentes (terça-feira, dia 18, a partir das 14 horas)

 

 Publicado no Jornal da USP: 14/10/2022 Texto: Danilo Roberto Silva Queiroz Arte: Guilherme Castro

fsp conversa2 

O Laboratório de Saúde Mental Coletiva (Lasamec), vinculado ao Departamento de Saúde, Ciclos de Vida e Sociedade da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, promove na próxima terça-feira, dia 18, a partir das 14 horas, o seminário Conversando sobre Suicídio.

O debate será gratuito e realizado no Auditório João Yunes da FSP, além de ser transmitido simultaneamente pelo canal de Youtube da Faculdade. O encontro é direcionado a profissionais do campo da saúde mental, estudantes e comunidade externa.

O seminário é coordenado pela professora Fabíola Zioni e com apoio da Comissão de Cultura e Extensão da FSP. Todos poderão solicitar o certificado de participação clicando neste link.

Uma das propostas do evento é debater as mudanças que vêm ocorrendo na sociedade no campo da saúde mental envolvendo política, trabalho e comportamento suicida entre crianças, jovens e adolescentes.

Para compor os debates estarão presentes o professor Juliano de Trotta, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e Maria Fernanda Barcellos de Oliveira, terapeuta ocupacional da Prefeitura Municipal de São Paulo e doutoranda do Departamento de Saúde, Ciclos de Vida e Sociedade da FSP. Para Maria Fernanda Barcellos de Oliveira, uma das convidadas que irá debater comportamento suicida entre crianças, jovens e adolescentes, é preciso compreender que além de inibir esse comportamento, é necessário ouvir e compreender os espaços que a população infantojuvenil ocupa. Segundo ela, nessa geração são considerados fatores de risco, como situações de violência, conflitos familiares, tentativas de suicídio prévias, automutilação, abuso físico ou sexual, negligência, bullying, que ajudam a entender o que esses indivíduos sentem e por que pensam em estabelecer esses comportamentos. “Entendendo território não como um conceito ‘de espaço físico’, mas sim de espaço de (con)vivência dessas cidadãs e cidadãos, como crenças, valores, subjetividades, relações interpessoais, condições socioeconômicas, entre outros,” ela diz.

Maria Fernanda Barcellos de Oliveira - Foto: Arquivo pessoalMaria Fernanda Barcellos de Oliveira - Foto: Arquivo pessoal Maria Fernanda Barcellos de Oliveira - Foto: Arquivo pessoal

 

Atualmente ela realiza seu doutorado na FSP procurando compreender a disparidade que há entre o que se preconiza para o cuidado da questão suicida e as demandas desses adolescentes e jovens. O evento será iniciado com o professor Alberto Olavo Advincula Reis, psicanalista e professor aposentado do Laboratório de Hibridação Científico-política em Saúde Pública (LaHibrid), também do Departamento de Saúde, Ciclos de Vida e Sociedade.

Ao final do seminário, haverá um momento de debate entre os participantes e os convidados para que possam compartilhar como o suicídio se manifesta ao longo dos ciclos da vida. Esse laboratório tem realizado estudos que visam a aproximar a saúde a um viés tanto patológico, quanto social.

Assim, os membros que compõem o grupo de pesquisa enxergam que a transdisciplinaridade na saúde pública ou coletiva é uma ampla proposta de produção de conhecimento, ao promover uma maior interlocução entre as áreas social, humana e natural da ciência.

Departamento de Saúde, Ciclos de Vida e Sociedade

Suicídio pode estar ligado à questão socioeconômica e à identidade de gênero

Minuto Saúde Mental #63:

Existe algum jeito de prevenir problemas psicológicos?

https://jornal.usp.br/podcast/minuto-saude-mental-63-existe-algum-jeito-de-prevenir-problemas-psicologicos/

O Departamento de Saúde, Ciclos de Vida e Sociedade possui dois laboratórios de pesquisa: o Lasamec e LaHibrid. Ambos contribuem com o desenvolvimento de pesquisas que envolvem questões de gênero, masculinidade, identidade sexual, violência doméstica, paternidade, divisão social dos cuidados, climatério, populações de rua, saúde reprodutiva, sexualidades, transmissão sexual e vertical do HIV e implicações psicossociais da aids, da saúde mental infantojuvenil, além de saúde materno-infantil. A proposta do departamento é produzir e disseminar conhecimento inovador a partir de uma perspectiva interdisciplinar, com vistas a formar pessoas para lidar e refletir criticamente acerca das diferenças e desigualdades nos processos de saúde e doença ao longo dos ciclos de vida. Assim, por meio do ensino, da pesquisa e da extensão, contribuir para a formulação de políticas públicas em saúde.

 

fonte: https://jornal.usp.br/diversidade/inclusao-social/comportamento-suicida-entre-criancas-jovens-e-adolescentes-sera-tema-de-debate-na-usp/


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...