Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, lutos e fomes

 feminismo2

 

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, lutos e fomes

De fato, o nosso ativismo tem sido provedor de vínculos de reciprocidade entre as mulheres que estão na luta e espaço precioso de formação feminista, ampliando a experiência e aprofundando a estratégia do cuidado solidário e da solidariedade cuidadosa.

Sobrevivemos. Estamos sobrevivendo. Inventando outras formas de viver, de nos relacionar, tanto nas relações mais íntimas como nos espaços coletivos. Fomos buscando nos entender, nos reconhecer e nos acolher no meio da pandemia, durante o isolamento, e em meio à crise politica-social-econômica-ambiental em que ainda estamos imersas.

A crise e a pandemia exigiram e ainda estão exigindo de nós sangue frio e coração quente pra lidar com tantas incertezas, lutos, riscos, fomes… Para quem é ativista, para quem se indigna com as injustiças e se move para o bem comum, a certeza de não estar só, de poder se sustentar em laços fortes, nas lutas coletivas, em confiança mútua, cuidado solidário e afetos revolucionários dá fôlego e sentido à vida. Dá esperança e renova o ânimo para as batalhas pelo bem-viver. 

Nesse contexto tão pesado, ser ativista feminista antirracista, manter vínculos fortes de pertencimento a um coletivo, a um movimento social, estar em redes que sustentam e cuidam da vida, ser Tecelã do Cuidado1, tem revigorado as nossas forças vitais. Estamos criando novos laços, novas conexões, amenizando dificuldades, antes que a privação das condições materiais e afetivas indispensáveis à vida aniquilem algumas companheiras, principalmente aquelas entre nós que já vivem em condições de muitíssima vulnerabilização. Mas a batalha contra o fascismo é muito desigual. As feridas das violências patriarcal, racista, brancocêntrica, ainda se abrem e a todo momento sangram nos corpos de mulheres negras, indígenas, trabalhadoras, periféricas, LBTQIA+, doem, acuam, envergonham, exploram, não nos dão descanso.

O cuidado coletivo, o afeto amoroso, o reconhecimento d@ outr@ e de suas necessidades de acolhimento, são alguns cicatrizantes que as mulheres conhecem e compartilham para cuidar dos outros. Contudo, o domínio dessa capacidade pelas mulheres, indispensável à sobrevivência da espécie humana, sempre foi invisibilizado, desvalorizado, desqualificado, estigmatizado pelas sociedades patriarcais e racistas em suas várias formas.

A verdade é que os vínculos que sustentam a individualidade de cada um@ na sociedade são criados e mantidos pelas mulheres. A falsa ideia de uma individualidade independente2 é invenção milenar do racismo patriarcal, atualizada nesses tempos de individualismo neoliberal. E não tem outro objetivo senão esconder a dependência dos patriarcas e dos outros homens aspirantes a esse posto para conservar seus micro e macro poderes e lucros, seja nas grandes corporações transnacionais, no sistema político ou na intimidade das famílias.

O ativismo feminista antirracista de mulheres negras e indígenas ao ressignificar o cuidado e se apropriar da sua potência para os processos de transformação ecossocial que engendramos dar uma guinada, posicionando o cuidado não mais como lugar de submissão das mulheres e, sim, de emancipação.

A fibra do afeto, da amizade, do respeito, da amorosidade, da solidariedade cuidadosa, do autocuidado, da reciprocidade no cuidado coletivo, vem tecendo redes fortes de ativismo, por onde a trama da transformação ecossocial vai se expandindo, pelo autocuidado, pelo cuidado com as outras/os/es e por ser cuidada por elas/es, por cuidar dos Comuns e da Pachamama e ser por elas cuidada.


1 Cfemea. Rodas virtuais de autocuidado e cuidado entre ativistas – https://www.cfemea.org.br/images/stories/publicacoes/rodas_virtuais_autocuidado_cuidado_entre_ativistas.pdf

2 HERNANDO, Almudena. La fantasía de la individualidad – sobre la construcción sociohistórica del sujeto moderno. Madrid, 2012. Ler aqui.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OUTROSQUINHENTOS

 

Receba Notícias

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Violência contra as mulheres em dados

Rita de Cássia Leal Fonseca dos Santos

Ministério do Planejamento
CLIQUE PARA RECEBER O LIVRO (PDF)

marcha das margaridas agosto 2023

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

A Marcha das Mulheres Indígenas fez Brasília pulsar

Marcha Mulheres indigenas set2021_Credito Divulgacao AnmigaNa semana em que o bolsonarismo rosnava na Esplanada, milhares de indígenas protestaram contra o Marco Temporal — e para reflorestar as mentes. À frente, mulheres chamavam à rebeldia e coragem: por justiça, liberdade e pela cura da terra. (foto: Anmiga)

...

nosso voto2

...