Quase lá: Impunidade: FIJ pede uma convenção para melhorar a segurança dos jornalistas

Amanhã, 2 de novembro, é o Dia Internacional pelo Fim da Impunidade de Crimes contra Jornalistas.

 

fenaj logo 300x115Para marcar a data no Brasil, a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) está divulgando a campanha da Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) pela adoção de uma convenção da ONU sobre a segurança e independência de jornalistas e outros profissionais da mídia.

Para saber mais sobre o assunto e contribuir na mobilização, você pode acessar: https://fenaj.org.br/impunidade-fij-pede-uma-convencao-para-melhorar-a-seguranca-dos-jornalistas/.

Além desta ação, a FENAJ se soma à organização não-governamental CRIAR Brasil no tuitaço com a hashtag #pelavidadosjornalistas

A mobilização virtual começará às 10h no Twitter. Segue o banco de tuítes elaborado pelo CRIAR Brasil:
https://docs.google.com/spreadsheets/d/1CUq6Ga-bFCCkUk0P1SiWEDp_sTUstU2pcFtvhcoNjFg/edit?usp=sharing

A ideia é formar uma grande rede, compartilhando conteúdos com a hashtag #pelavidadosjornalistas para o barulho ser maior.

Participe e ajude a defender o exercício livre e seguro do jornalismo no país!

 

Impunidade: FIJ pede uma convenção para melhorar a segurança dos jornalistas

 

Por ocasião do Dia Internacional pelo Fim da Impunidade de Crimes contra Jornalistas, em 2 de novembro, a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) conclama governos, jornalistas e organizações de mídia a apoiar a adoção de uma Convenção da ONU sobre a segurança e independência de jornalistas e outros profissionais da mídia.

Apesar de suas boas intenções, o Plano de Ação da ONU sobre a segurança dos jornalistas e a questão da impunidade não conseguiu oferecer “o ambiente livre e seguro para jornalistas e trabalhadores da mídia”, conforme prometeu.

Pelo contrário, os jornalistas continuam a ser atacados, espancados, detidos, perseguidos e ameaçados por fazerem o seu trabalho. Além disso, ameaças contínuas à segurança digital de jornalistas, incluindo ataques cibernéticos, roubo de dados, hackers e assédio online, colocam em risco os profissionais de mídia e a segurança. Nesse contexto, é ainda mais urgente a adoção de um instrumento que obrigue os governos a enfrentar a impunidade da violência contra jornalistas e profissionais da mídia.

“Não temos um instrumento legal vinculante que obrigue os Estados membros a investigar e responder a ataques contra jornalistas “, disse a presidente da FIJ, Dominique Pradalié.

A FIJ já registrou 59 assassinatos de profissionais da mídia até agora em 2022, 12 a mais do que em 2021 .

A FIJ destacou países como Afeganistão, RDC, Haiti, Índia, México, Kosovo, Paquistão, Palestina, Filipinas, Rússia, Turquia, Ucrânia e Iêmen, onde os níveis de violência contra jornalistas são muito altos.

A Federação lembra que, apesar de inúmeros protocolos, regulamentos e diretrizes, nove em cada dez assassinatos de jornalistas permanecem impunes.

“Há uma frustração crescente com a falta de ação e vontade política para combater a impunidade e apoiar a mídia livre e independente. Por isso, lançamos uma campanha global para a adoção de uma Convenção Internacional dedicada à proteção de jornalistas e profissionais da mídia” , acrescentou Dominique Pradalié.

A campanha foi formalmente lançada na 51ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, realizada em Genebra em 30 de setembro.

A Convenção destaca as deficiências e lacunas existentes no direito internacional humanitário e de direitos humanos, bem como a falta de mecanismos eficazes para sua aplicação.

A Dra. Carmen Dragichi, que redigiu o projeto de Convenção para a FIJ, disse: “O projeto de Convenção oferece uma estrutura legal consolidada para a proteção de jornalistas: codifica as obrigações da jurisprudência na forma de um tratado, substituindo múltiplas fontes legais instrumento completo e acessível, esclarecendo assim o alcance das obrigações derivadas das disposições sobre liberdade de expressão das convenções de direitos humanos, com base na jurisprudência internacional, além de garantir que os Estados subscrevam expressamente as obrigações estabelecidas nas decisões contra outros Estados, ajuda as autoridades nacionais a compreender as suas obrigações e facilita a supervisão internacional […]confere valor vinculativo a padrões de soft law amplamente aceitos, mas inexequíveis, aumentando a conformidade e a responsabilidade.”

Mais de 60 jornalistas e sindicatos de mídia, associações, órgãos representativos de mídia, organizações de mídia e ONGs de todo o mundo já endossaram a convenção.

Para ler a convenção, clique aqui

Para apoiar a convenção, clique aqui

Para ler a convenção em árabe, clique aqui

 

fonte: https://fenaj.org.br/impunidade-fij-pede-uma-convencao-para-melhorar-a-seguranca-dos-jornalistas/

 


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...