Publicado: 23 Agosto 2022

feminismo politicaA posse de Alexandre de Moraes na presidência do TSE, com a presença de 2 mil convidados, foi mais um ato que reforça as manifestações de leitura da Carta às Brasileiras e aos Brasileiros em defesa do Estado Democrático de Direito. No seu discurso o ministro reafirmou a democracia, defendeu fortemente o sistema eletrônico de votação e avisou que será implacável no combate às fake news.

O ato também foi um retrato da fragilidade da “democracia” brasileira. A mesa principal era composta por 13 homens. Doze deles brancos. Duas mulheres davam o suporte e encaminhavam os integrantes até suas cadeiras. A plateia seguia no mesmo sentido, composta em sua esmagadora maioria por homens brancos. Bem poucas mulheres e negros.A Carta coincidiu com o início oficial do período eleitoral. Para além da derrota de bolsonaro, imprescindível para fazermos com que Brasil mude de rumo, precisamos eleger mais mulheres negras e feministas.

Os dados do TSE indicam que a quantidade de mulheres candidatas aumentou um pouco, mas segue em torno da porcentagem mínima de 30%  que a Lei obriga. Em 2022 são 3.543 candidatas mulheres (35%) e em 2018 foram inscritas 2.767 mulheres (32%). As candidaturas que se identificaram como negras também cresceram um pouco. Em 2022,  1.421 negros (14%) e em 2018, 937 candidaturas de negros (11%).

Falando em política, vale destacar a cassação do mandato do vereador Gabriel Monteiro (PL/RJ). Quarenta e oito vereadores foram favoráveis à sua cassação. Somente dois votos contrários, o do próprio Gabriel e o do vereador Chagas Bola (PSL), eleitor confesso de bolsonaro e apoiado pelo presidente e sua família.

A pressão das organizações feministas e de mulheres foi grande e fundamental. É mais um parlamentar cassado, depois de atitudes machistas e sexistas. Que sirva de exemplo para outros parlamentares que se acham acima da lei e que podem praticar crimes, sob a proteção do mandato. Esperamos que depois desse veredito o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro rejeite sua candidatura à deputado federal.

>> Leia o Radar Feminista no Congresso Nacional aqui <<

...