Quase lá: CDH do Senado Federal celebra 25 anos da política de proteção a vítimas e testemunhas

Silvio Almeida: "Lei que criou o Provita marcou uma passagem importante da história do país: a transição da ditadura para a redemocratização"

 

Aline Guedes | 09/07/2024, 14h00

silvio almeida senadoCDH

Geraldo Magela/Agência Senado

Saiba mais

Os 25 anos da Lei 9.807, de 1999, que instituiu a política de proteção a vítimas e testemunhas ameaçadas, foram celebrados nesta terça-feira (9) pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH). A audiência pública atendeu a requerimento do senador Humberto Costa (PT-PE), que conduziu a reunião, e contou com a presença do ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida. 

Presente em 16 unidades da federação, com financiamento do governo federal e colaboração dos governos estaduais, atualmente a política assegura proteção a aproximadamente 500 pessoas, incluindo testemunhas de crimes e seus familiares. A maioria das protegidas são mulheres, negras e adultas. A política busca atender essas pessoas por meio de programas estaduais e do Programa Federal de Assistência a Vítimas e Testemunhas Ameaçadas (o Provita, que foi criado pela Lei 9.807, de 1999, e é gerido diretamente pelo Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania).

Humberto afirmou que foi uma honra ter sido o autor do projeto que deu origem a essa política, quando ele era deputado federal. 

— Na época, as testemunhas em nosso país eram tratadas com descaso. Tive a honra de apresentar o projeto de lei que tratou de matéria tão meritória e importante para a população brasileira, mas é preciso ressaltar que o que hoje conhecemos foi construído por diversas mãos. Um amplo debate permitiu chegarmos à lei que aqui celebramos. Hoje comemoramos essa lei, principalmente frente à proteção dos direitos humanos, e também firmamos o compromisso de que essa importante política continue sendo fortalecida — ressaltou o senador. 

Memória

Para Silvio Almeida, comemorar o Provita é também trazer à memória o histórico do país desde a criação da lei até a consolidação dessa política de direitos humanos nos tempos atuais. Ele observou que a instituição da norma marcou uma passagem importante da história do Brasil: a transição do período da ditadura para a redemocratização. 

— Foi necessário todo um esforço intelectual, jurídico e político para que o edifício formal instituído pela ditadura pudesse ser desconstituído. E falar do Provita é citar algo que o antecede e que deve ficar em nossa consciência, ou seja, a importância das políticas de direitos humanos no Brasil. Não conseguiremos avançar sem uma capacidade institucional de implementar essas políticas. 

Além de destacar a importância do Provita para a proteção de testemunhas e vítimas, o ministro afirmou que essa política é fundamental para o combate ao crime organizado. Silvio pontuou que desafios do país como o desenvolvimento econômico e a garantia da segurança não poderão ser superados sem se considerar os direitos humanos.

— Toda a política de segurança pública é também uma política de direitos humanos. É dever do Estado cuidar, respeitar o seu povo, além de garantir dignidade, especialmente aos que mais precisam dela. 

Referência

O senador Fabiano Contarato (PT-ES) elogiou Humberto Costa projeto de lei que deu origem ao Provita. O parlamentar capixaba disse ter orgulho de participar da mesma legislatura de Humberto e afirmou ter no senador pernambucano uma referência da política brasileira.

— Quando tomei conhecimento de que Vossa Excelência foi autor dessa lei tão importante, fiz questão de ressaltar a importância de termos parlamentares de tamanha envergadura. O senhor muito dignifica esta Casa e o povo brasileiro, e fiz questão de deixar esse registro — declarou Contarato. 

Procurador Regional da República e representante do Ministério Público Federal, Gustavo Pessanha Velloso enfatizou a assertividade da política. Ele declarou que nenhuma testemunha inserida no programa foi morta em todos os anos de existência do Provita. 

— Precisamos ressaltar que essa é uma celebração da democracia. Logicamente, há muitos atores envolvidos nessa ação que merecem elogios, mas não podem aparecer por motivos óbvios. 

Futuro

O secretário nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, Bruno Renato Nascimento Teixeira, declarou que a data é importante para celebrações, mas também para convocar a sociedade rumo a um pacto federativo capaz de dar respostas efetivas na área dos direitos humanos.

— O Provita é necessário para o país. É um dia para se comemorar esses avanços na democracia, mas também para se destacar que a gente ainda precisa ir mais longe, olhar para o programa, pensar em aprimoramentos. Acredito que a união dos esforços, tanto de atores da Justiça, dos poderes estaduais quanto de nós, do governo federal, dará uma resposta efetiva para o futuro.

Representante do Poder Judiciário da 12ª Vara Federal de Curitiba, o juiz federal Danilo Pereira Junior cumprimentou Humberto Costa pela iniciativa de sugerir a lei. Além disso, Danilo avalia que toda a sociedade deve dar atenção a essa política. Ele defendeu ainda o estreitamento das cooperações entre os órgãos envolvidos, com vistas a garantir a segurança das testemunhas.

— As pessoas que se dispõem a colaborar com o Estado se expõem na sua completude, e muitas vezes são retiradas de determinado lugar e têm de reiniciar suas vidas. [O Provita] é uma política que envolve uma complexidade que merece enaltecimento e também carece de compreensão sobre os riscos que ela envolve. O futuro desse programa consiste em se estreitar laços e convênios, lembrando que essa política só existe graças ao empenho de todos os envolvidos. 

Diálogos

O senador Beto Faro (PT-PA) aproveitou a presença de Silvio Almeida na CDH para cobrar o cumprimento de políticas de direitos humanos no Pará, mas  também parabenizou o ministro por sua atuação nesse estado. Segundo o parlamentar, o chefe do Ministério dos Direitos Humanos tem dialogado com o governo local e com a população paraense, encaminhando soluções para assuntos fundamentais para a região.

Já o senador Zequinha Marinho (Podemos-PA) entregou a Silvio Almeida o relatório de uma audiência pública promovida por uma representação da CDH, no começo de junho, na região do Arquipélago de Marajó. O documento aponta contextos de violência contra crianças e adolescentes e aponta sugestões a serem implementadas pelo Poder Executivo na região. 

O ministro respondeu que o assunto tem sido foco do ministério e disse que o governo federal tem procurado ajuda efetiva para o povo marajoara. Segundo Silvio, a pasta tem atuado em parceria com órgãos como a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e os Ministérios da Saúde e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome para garantir a presença do Estado na região. 

— Sempre digo ao povo do Marajó e repito aqui: estarei lá quantas vezes for necessário. Que possamos estar no território, ter presença no lugar e assim poder ajudar as pessoas. Nosso plano é nos próximos meses apresentar um programa consistente contra o abuso e a exploração sexual infantil, que precisa de atenção efetiva do Estado brasileiro — declarou.


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...