Quase lá: Defender Maria da Penha é defender a vida das mulheres, os direitos humanos e a democracia

Eva Blay: O Brasil lidera os feminicídios e estupros de mulheres e meninas, além de todas as formas de violência física, sexual, psicológica, entre outras. 

 

Por Eva Alterman Blay, professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP

 Publicado: 05/07/2024

Maria da Penha está sendo ameaçada de morte. Foi necessário que a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, recorresse ao governador do Ceará, Elmano de Freitas, para incluí-la no sistema de proteção. Por que querem matar uma mulher que escapou por duas vezes do ex-marido que atentara contra sua vida e que, na segunda, a deixou paralítica?

Foi tão escandalosa a posição do Brasil na época, de deixar o criminoso em liberdade, que se levantou uma enorme revolta do movimento liderado pelas feministas. Só quando o caso foi levado à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA), que o Brasil foi obrigado a rever e condenar o criminoso para evitar que o próprio Brasil fosse condenado.

Hoje, até as crianças sabem que existe uma lei para proteger as mulheres, a Lei Maria da Penha. Ironicamente, a lei que leva seu nome não a protege!

O Brasil lidera os feminicídios e estupros de mulheres e meninas, além de todas as formas de violência física, sexual, psicológica, entre outras. Certamente essas violências são a resposta do patriarcado às mulheres – de todas as classes sociais, etnias, origens, idades – que romperam o “cercado” que as confinava.

O machismo não aceita mudanças que arranhem seu poderio, reluta que se modifique a configuração da família heterossexual; que o casamento seja entre pessoas do mesmo sexo; que aumentem famílias de mulheres solo; que a maternidade deixe de ser romantizada; que as mulheres tenham o poder de diminuir o número de filhos. As mulheres diversificaram os campos de trabalho, ocupando o setor serviços, as áreas cientificas e a pesquisa; elevou-se a proporção de mulheres de nível universitário. A sexualidade deixou de ser um privilégio masculino, libertou-se o corpo da mulher.

Frente a esse novo cenário, aumentaram e se diversificaram as agressões. Ataques crescem conforme as mulheres entram na política — local, estadual ou federal. Constrangimentos morais, assédio sexual e homofobia se iniciam desde a fase pré-eleitoral, dificultando a filiação de mulheres nos partidos políticos. São perseguidas nas campanhas e as pressões endurecem durante o exercício dos mandatos.

Não será demais refletir que, para resistir à igualdade de gênero, a Câmara e seu presidente tivessem desenterrado o PL 1904, que prevê dificultar o aborto legal, limitando-o a 22 semanas de gestação! E bastaram 23 segundos para aprovar a tramitação em regime de urgência de tal aberração! A intensa e nacional reação popular fez que o projeto fosse retirado de pauta (mas, atenção, ele voltará no segundo semestre).

O recuo do presidente e da Câmara dos Deputados ao interferir numa questão vital para as mulheres revelou como a sociedade estava acompanhando a vida política muito mais atentamente do que a classe política imaginava. Poucas vezes vimos no Brasil manifestações de jovens mulheres e outras com mais de 70 anos, além de homens carregando crianças, afirmando que voltavam às ruas para mais uma vez defender direitos conquistados em 1940 e ratificados na Constituição de 1988.

Vozes que gritavam contra o conservador e autoritário governo Bolsonaro, que fechara instituições criadas nos governos anteriores para enfrentar a violência de gênero. Clamavam pela reabertura dos hospitais e do SUS para atender casos de estupro e de aborto legal.

Defender Maria da Penha significa lutar pela vida das mulheres, pelo avanço da ciência, em nome dos mortos pela falta de vacinas, contra o retorno da ignorância, contra a direita conservadora autoritária. Maria da Penha nos revigora para lembrar cotidianamente os direitos humanos de todos e todas, e que vamos lutar contra os que querem destruir a própria democracia.

fonte: https://jornal.usp.br/articulistas/eva-alterman-blay/defender-maria-da-penha-e-defender-a-vida-das-mulheres-os-direitos-humanos-e-a-democracia/
 

Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...