Quase lá: Julho das Pretas e o protagonismo das mulheres negras

No Brasil, o Julho das Pretas foi cunhado em 2013 pelo Odara – Instituto da Mulher Negra.

Folha de São Paulo, por Cida Bento e Gisele dos Anjos
Publicado no portal Geledés em 4/7/2024

Cida Bento e1657299709163

Retrato da psicóloga Cida Bento, que é diretora-executiva do Ceert (Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades) (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

 

Movimento é fundamental para destacarmos o que ainda está oculto em nossos livros de história

No início deste mês que chamamos de “Julho das Pretas“, destaco Beatriz Nascimento, um ícone do movimento de mulheres negras, que publicou seu primeiro artigo no dia 25 de julho de 1976, segundo tese de doutorado de Gisele dos Anjos.

Pode ter sido uma coincidência, mas, anos depois, durante o 1º Encontro de Mulheres Negras da América Latina e do Caribe, ocorrido na República Dominicana, foi instituído o 25 de julho como o Dia Internacional da Mulher Afro, Latina e Caribenha.

No Brasil, o Julho das Pretas foi cunhado em 2013 pelo Odara – Instituto da Mulher Negra.

Óleo sobre tela do pintor e gravurista suíço Félix Edouard Vallotton (1865 -1925); imagem é comumente associada a Tereza de Benguela, líder quilombola brasileira no século 18; no Brasil, 25 de julho também é dia de homenagear a sua memória – Reprodução – Reprodução

 

No artigo “A mulher negra no mercado de trabalho”, publicado em 1976, Beatriz discute as continuidades da “herança escravocrata” no contexto pós-abolição, que limitavam as mulheres negras às atividades mais subalternizadas da sociedade, especialmente o trabalho doméstico.

Em outro texto, escreveu sobre como as opções para a população negra eram limitadas, sendo as “únicas alternativas para a ascensão social: jogador de futebol ou sambista”.

Infelizmente, essa abordagem ainda é muito atual, pois as oportunidades de inserção e ascensão qualificadas ainda são um desafio para as mulheres negras.

As dinâmicas de poder instituídas na sociedade brasileira cristalizaram a representação das mulheres negras como empregadas domésticas, babás, cuidadoras, auxiliares de enfermagem, educadoras em creches, professoras de educação infantil ou mesmo assistentes sociais.

Não é coincidência que as mulheres negras estejam majoritariamente representadas em profissões de cuidado que são, por sua vez, socialmente desvalorizadas e historicamente precarizadas. Mudanças nesse cenário vêm ocorrendo e precisam ser lembradas, mas ainda são pontuais e ocorrem lentamente.

E a transformação desse contexto de desigualdades é um dos temas centrais do Julho das Pretas, período em que ações coletivas de organizações de mulheres negras destacam a incidência política e o protagonismo empreendido pelas mulheres negras em diferentes esferas, em busca de uma sociedade mais justa e igualitária.

Essa data, 25 de julho, marca também o Dia de Tereza de Benguela, uma das inúmeras mulheres que lideraram quilombos no nosso país. Tereza liderou o Quilombo de Quariterê, localizado no Vale do Guaporé, no Mato Grosso, entre 1750 e 1777.

Símbolo de contestação e força, ela construiu e comandou um movimento de resistência à escravidão por duas décadas, lutando pela liberdade do seu povo. Dessa forma, além de celebrar a figura de Zumbi dos Palmares, a população também tem a oportunidade de conhecer e aprender com a história de Tereza de Benguela do Quilombo do Quariterê.

É fundamental destacarmos esse protagonismo de mulheres negras, focalizando esse segmento que é majoritário na população brasileira, mas permanece oculto em nossos livros de história.

Nesse sentido, importa enfatizar em nosso Julho das Pretas pessoas como a historiadora Beatriz Nascimento, nordestina de Sergipe, que teve sua carreira acadêmica interrompida em 1995, vítima de um crime de feminicídio quando cursava mestrado na Escola de Comunicação da UFRJ.

Com produção intelectual variada, Beatriz revelava um interesse particular no tema dos quilombos e nas questões que envolvem a intersecção entre gênero e raça.

Assim é que ela escreveu textos sobre os desafios do mercado de trabalho para as mulheres negras, sobre resistência cultural, feminismo e produziu ensaios sobre o filme “Xica da Silva”, de Cacá Diegues. Ficou inacabado, em seu acervo, “O papel da mulher nos quilombos brasileiros: Resistência e vida”.

Por fim, importa salientar que a luta é para que que o Julho das Pretas possa ajudar o Brasil a se tornar um lugar melhor, mais justo e digno para toda a sua população.


Esta coluna foi escrita em parceria com a historiadora Gisele dos Anjos

 

fonte: https://www.geledes.org.br/julho-das-pretas-e-o-protagonismo-das-mulheres-negras/


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...