Quase lá: Universidade de Brasília-UnB apresenta fluxo de denúncias de assédio, discriminações e outras violências

Aprovado na Câmara de Direitos Humanos, documento estabelece que qualquer pessoa pode comunicar o caso e oferece múltiplos canais

O fluxo de denúncia é um passo importante para a implementação da Política de Prevenção e Combate ao Assédio Moral, Sexual, Discriminações e Outras Violências da Universidade de Brasília. Intuito é que todos se sintam responsáveis por gerar uma cultura de combate ao assédio. Foto: Beto Monteiro/Secom UnB

 

A Câmara de Direitos Humanos (CDH) aprovou, por unanimidade, o fluxo de atendimento a denúncias no âmbito da Política de Prevenção e Combate ao Assédio Moral, Sexual, Discriminações e Outras Violências da Universidade de Brasília. O documento detalha quais instâncias na UnB podem realizar sindicância, seja investigativa ou punitiva.

>> Acesse aqui o fluxograma

“Demos um passo muito importante na garantia dos direitos humanos na Universidade de Brasília. Um dos pontos importantes é que, agora, a denúncia pode ser feita tanto pela vítima, como ocorria antes, quanto por qualquer pessoa. Agradeço pelo trabalho de excelência de todas e todos que colaboraram com o fluxo. Parabéns à Câmara de Direitos Humanos! Vamos avançar cada vez mais fazendo da UnB um espaço de conhecimento onde toda a comunidade se sinta segura e acolhida”, diz a reitora Márcia Abrahão.

A denúncia pode ser feita por qualquer pessoa junto à Ouvidoria, a unidades acadêmicas e administrativas ou à Secretaria de Direitos Humanos (SDH). O principal canal de registro de denúncia segue sendo o Fala.Br, mas unidades acadêmicas e administrativas e a SDH podem optar pelo registro em processo SEI, sendo necessário garantir o sigilo das informações.

A secretária de Direitos Humanos, Deborah Santos, destaca a aprovação do fluxo como a primeira ação de implantação da Política de Prevenção e Combate ao Assédio Moral, Sexual, Discriminações e Outras Violências. “A Universidade possui estes canais, mas eles não estavam tão identificados como estão a partir de agora. Eu digo que é o primeiro passo, pois essa política pretende também fazer o enfrentamento no sentido de não apenas punir, mas de evitar que o ambiente universitário seja o reflexo violento da sociedade brasileira. Assim, teremos como outras ações o lançamento de cartilhas, de curso de letramento e pesquisas para o diagnósticos sobre o ambiente universitário”, antecipa. Ela fez parte da comissão que finalizou a proposta apresentada e aprovada pela CDH.

Os setores também devem verificar a necessidade de acolhimento psicossocial à vítima, podendo encaminhá-la ao atendimento da Diretoria de Atenção à Saúde (Dasu) do Decanato de Assuntos Comunitários (DAC). Em caso de crime em flagrante, a Diretoria de Segurança (Diseg/PRC) da Universidade será acionada para encaminhar o caso a uma delegacia. Ao final do processo pode haver a aplicação de sanções cabíveis ou arquivamento, seguindo os protocolos já estabelecidos na Universidade, como o processo administrativo disciplinar. Se for um ato criminoso, a UnB encaminha a ocorrência às autoridades competentes.

“A Câmara estimulou as unidades acadêmicas a constituírem suas comissões de direitos humanos. O fluxo evidencia as múltiplas entradas para as denúncias de assédios, discriminações ou violências. A vítima ou uma terceira pessoa tem múltiplas possibilidades onde recorrer para fazer a denúncia. Dessa forma, nós irradiamos a implementação da política na Universidade, no sentido de todos se responsabilizarem pelo combate ao assédio”, explicou a secretária de Comunicação e integrante da comissão, Mônica Nogueira.

COLABORAÇÃO – O fluxo foi amplamente discutido. Em 2023, a UnB criou um Grupo de Trabalho para desenvolver propostas de protocolos e fluxo dos procedimentos de apuração das denúncias de assédio moral, sexual e discriminações e outras violências na UnB. Composto por servidoras e servidores da SDH, da Ouvidoria, do DAC, do Decanato de Gestão de Pessoas (DGP), do Decanato de Administração (DAF), da Comissão de Ética e da Coordenação de Processo Administrativo e Disciplinar (CPAD), sob a coordenação da secretária de Direitos Humanos, Deborah Santos, o GT apresentou as sugestões à Câmara de Direitos Humanos.

Em seguida, a Diretoria de Processos Organizacionais (DPR) do Decanato de Planejamento, Orçamento e Avaliação Institucional (DPO) foi designada a colaborar na concepção da minuta do fluxo contendo o registro dos procedimentos padronizados, com intenção de conceber uma representação visual, didática e de simples compreensão que viesse a subsidiar uma discussão democrática a respeito do tema nas instâncias superiores.

A fim de aprimorar o fluxo elaborado pelo GT, a CDH estabeleceu uma comissão formada pela secretária de Comunicação, Mônica Nogueira; pela secretária de Direitos Humanos, Deborah Santos; e pela decana de Gestão de Pessoas, Maria do Socorro Gomes. Elas analisaram o documento e propuseram o modelo final, aprovado em 17 de junho, em reunião da CDH realizada no Salão de Atos da Reitoria.

Clique para ampliar. Arte: Marcelo Jatobá/Secom UnB
 

Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...