Quase lá: EM SÃO PAULO: Mostra teatral “Reinventando o que é ser mulher” acontece no CEU Barro Branco

As Trapeiras promovem grande mostra de cenas teatrais com participação de 40 mulheres da Zona Leste de São Paulo. NO PRÓXIMO SÁBADO (6) ... na Rua Salvador Vigano, 100, na Cidade Tiradentes, Zona Leste de São Paulo (SP)

 Luciana Gandelini

Coletivo As Trapeiras apresenta a mostra “Reinventando o que é ser mulher”. A mostra é fruto das experiências vividas durante as oficinas de Teatro-Fórum promovidas pelo coletivo As Trapeiras. 

 

 As Trapeiras Foto Julio Leao 2
Foto de Júlio Leão

 

No dia 6 de julho de 2024 (sábado), 15h, com entrada gratuita, o Coletivo As Trapeiras (@astrapeiras) apresenta a Mostra teatral Reinventando o que é ser mulher” no CEU Barro Branco, que fica na Rua Salvador Vigano, 100, na Cidade Tiradentes, Zona Leste de São Paulo (SP).

Neste dia, além das atrizes do coletivo, estarão reunidas cerca de 40 frequentadoras de três espaços de Serviços de Atendimento à Mulher da Zona Leste: Casa Anastácia (na Cidade Tiradentes), Casa Zizi (na Vila Ema) e Casa Viviane dos Santos (em Guaianazes), para apresentar cenas de teatro que inspiram reflexões sobre o que é ser mulher na sociedade contemporânea e sobre a importância de exaltar a potência feminina.

A mostra teatral busca inspirar cada pessoa a encontrar ferramentas de fortalecimento da auto-estima no dia-a-dia, revisitando o passado, percebendo e sensibilizando o presente, para transformar o futuro.

Em cena, mulheres que atualmente participam da oficina “Teatro-Fórum: Reinventando o que é ser mulher”, realizada pelo coletivo As Trapeiras desde o mês de março nesses três espaços, trazem para o palco um pouco do que viveram neste processo de compartilhamento de memórias e autoconhecimento, reconhecendo o percurso de suas histórias e lançando um olhar para o seu próprio poder de criação, participação e a possibilidade de atuar de maneira potencializadora, gerando transformações no cotidiano.

As oficinas são baseadas na construção e apresentação de cenas ou peças de Teatro-Fórum protagonizadas pelas participantes, refletindo sobre o que é ser mulher e como reinventar sua própria história. A metodologia utilizada é uma das técnicas teatrais sistematizadas por Augusto Boal, que tem como objetivo promover a participação do público no desenvolvimento de estratégias para transformar a questão social apresentada nas montagens.

“Reinventar o que significa ser mulher é um processo poderoso e transformador, que envolve questionar expectativas sociais, abraçar a diversidade de experiências femininas e fortalecer as mulheres cis e trans a tomarem o controle de suas próprias narrativas. Reinventar o que é ser mulher é um ato de autonomia, auto expressão e resistência”, comentam As Trapeiras.

As ações fazem parte do projeto “Teatro-Fórum: Reinventando o que é ser mulher”, contemplado no Edital Modalidade 2 - 20ª edição do Programa VAI - Programa para a Valorização de Iniciativas Culturais, da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. As ações são concentradas na Zona Leste de São Paulo, região marcada por um dos maiores índices de casos de violência doméstica registrados no Estado.

Sobre As Trapeiras

as trapeiras peqO coletivo As Trapeiras foi fundado em 2015 por Sabrina Motta e Ivy Mari Mikami. Já contou com as artistas Patrícia Silva, Marina Afarez, Cecília Botoli, e atualmente é integrado pelas artistas plurais Amabile Inaê, Ivy Mari Mikami e Verónica Gálvez Collado, que tem como propósito provocar reflexões que potencializam a sociedade, trazendo à tona temas urgentes, porém difíceis de se abordar, que através da Arte-Educação são acolhidos com sensibilidade e profissionalismo.

Informações: Instagram: @astrapeiras / Facebook: www.facebook.com/astrapeiras 

 

Serviço: Mostra teatral Reinventando o que é ser mulher 

Com Coletivo As Trapeiras e participações especiais

Sinopse: As atrizes do coletivo As Trapeiras se unem a 40 frequentadoras dos Serviços de Atendimento à Mulher da Zona Leste para uma grande apresentação com a temática “Reinventando o que é ser mulher”, valorizando o protagonismo feminino em cena e na vida. A mostra é fruto das experiências vividas durante as oficinas de Teatro-Fórum promovidas pelo coletivo As Trapeiras. 

Duração: 120 minutos

Grátis - Classificação: a partir de 10 anos de idade

 

Quando: 06 de julho de 2024 (sábado) - Horário: 15h

Onde: CEU Barro Branco, que fica na Rua Salvador Vigano 100 - São Paulo - SP

Capacidade: 276 lugares

Acessibilidade: Não possui

Estacionamento: Não possui

 

Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini –  Whatsapp 1199568-8773 – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

 


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...