Quase lá: Aborto, Extrema Direita e a Brutalidade do Estupro

Nunca se pensou que um tema tão complexo como o aborto chegasse a fazer parte da agenda de políticos oportunistas de extrema direita e até de juízes machos

José Rodrigues Filho - maio 08, 2022

Fonte: Agencia Brasil - EBC                                                                                                                         

Nunca se pensou que um tema tão complexo como o aborto chegasse a fazer parte da agenda de políticos oportunistas de extrema direita e até de juízes machos, a exemplo do que aconteceu recentemente na Suprema Corte americana. Nunca se pensou que mesmo políticos oportunistas fossem tão mansos com a brutalidade e violência do estupro, em detrimento da dignidade de uma mulher e até de uma criança indefesa.

A encenação teatral acontecida no Senado Federal, casa do povo, foi abominável, mostrando a pequenez de ações políticas contrárias à democracia. Juízes machos e políticos não devem discutir o tema de aborto sem uma ampla participação das mulheres, que deverão ter prioridade na discussão do tema, considerando que muitas vezes os políticos votam contra os interesses das mulheres em matérias de saúde, educação e o bem-estar delas.

Aborto é, acima de tudo, cuidado de saúde. As mulheres que estão abortando estão tendo os devidos cuidados de saúde, educação e bem-estar? O aborto está acontecendo após uma decisão da mulher e seu médico?

O aborto sempre foi uma discussão de teólogos e religiosos, mas nos últimos anos passou a ser discutido por políticos oportunistas da extrema direita. Nós cristãos, em geral, somos contrários ao aborto, mas não há ainda uma clareza de seus limites e restrições. Não se pode discutir uma lei contra o aborto, sem discutir o acesso ao aborto.

O aborto e a desumanização de uma mulher em não desejar mais a vida de seu filho precisa ser melhor entendida. Vale a pena lembrar a orientação do cardeal Joseph Razinger aos políticos sobre o direito à vida, proteção e promoção da família, a liberdade e a construção da paz.

O que estão fazendo os políticos de extrema direita no momento? Tratando do direito à vida, mas menosprezando a proteção e promoção da família, a liberdade, saúde etc. Neste caso, são contrários ao aborto, mas menosprezam as ações sociais básicas em benefício dos mais pobres, das crianças e das mulheres.

Nestes últimos anos governos de extrema direita, a exemplo de Trump, nos Estados Unidos, e Bolsonaro, no Brasil, trouxeram sofrimentos inesquecíveis para a população mais pobre. Negligência completa com a saúde, a partir da falta de vacinas para idosos e crianças.

Mesmo assim, tanto nos Estados Unidos como aqui, leis estão sendo aprovadas ou discutidas proibindo as mulheres abortar, mesmo que o feto seja resultante de uma relação com um tarado estuprador. Mesmo em casos de incestos, não será mais permitido o aborto.

As mulheres não devem ser criminalizadas em circunstâncias horríveis como estas e submetidas a uma gravidez indesejada.  Estes absurdos não devem ser aceitos numa sociedade civilizada.

Assim sendo, o discurso dos guerreiros antiaborto e defensores da família é um blefe. Este discurso antiaborto da extrema direita é o de não ter compromissos com os milhões de bebês que nascem num ambiente de muita dureza e continuam perambulando neste mundo sem a devida assistência.

Falam em mudar as leis de aborto e valores da família, mas esquecem os bebês que chegam ao mundo sem um programa desenhado para protegê-los, principalmente os mais pobres vivendo em ruínas e violências econômicas.

Família para a extrema direita é a presença de um homem forte e “macho”, uma mulher subordinada e crianças que aprendem como se lançar na vida, sem dinheiro, oportunidades educacionais e perspectivas de trabalho no futuro. Existem estudos mostrando que de cada quatro mulheres, as três que se submetem ao aborto são mulheres de baixa renda, com a maioria vivendo abaixo da linha de pobreza, mães solteiras que vivem sem ajuda dos pais das crianças.

Bilionários de extrema direita estão financiando o plano diabólico antiaborto, exigindo que a justiça o aprove. A campanha começou nos Estados Unidos e já está atingindo a Europa. A teoria da conspiração por trás disto é a de que se as mulheres brancas pararem de ter filhos, a supremacia branca começa a perder poder.

Estes poderosos descarados querem controlar os corpos e os úteros das mulheres com este projeto racista, sem oferecer nenhuma contrapartida para os cuidados de crianças. São estes os guerreiros da família e contra o aborto. Lembrar que no meio deles existem aqueles que, como divulgado pela imprensa, são acusados de violar o corpo de mulheres, humilhando-as e gabando-se orgulhosamente de ter alisado as partes íntimas de seus corpos.

 Nós, homens, vamos nos unir as mulheres, exigindo que qualquer discussão de aborto só seja feita depois que todas as crianças e mães deste país estiverem devidamente protegidas com um programa de saúde e educação adequados, sendo prioritária a participação das mulheres neste debate.  Não vamos embarcar na enganação da extrema direita, de uma campanha antiaborto perversa e enganosa.


  fonte: https://jrodriguesfilho.blogspot.com/2022/05/aborto%20extrema%20direita%20abandono.html


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...