Quase lá: “Mulheres Fortes” narra resiliência de moradoras do Piauí com a chegada de parques eólicos

Vídeo mostra associação de mulheres produtoras de mandioca em Betânia do Piauí e suas formas de sobrevivência em um território marcado pelo avanço da energia limpa e o descaso com a população local

 

Jornal da USP - Publicado: 18/06/2024
exto: Tabita Said*
Arte: Olívia Rueda**

 

Parque eólico em Betânia do Piauí evidencia contradição à agenda de sustentabilidade. Geração de energia limpa em meio a vulnerabilidades e desafios sociais – Foto: Adriana Cestari

 

Território de contradições, o Estado do Piauí, no nordeste brasileiro, abriga regiões que convivem com a transformação de energia eólica em elétrica e, ao mesmo tempo, com famílias cuja principal forma de descarte de resíduos é a queima do lixo. Betânia do Piauí, distante cerca de 500 km da capital Teresina, foi o local de interesse da pesquisa de mestrado de Adriana Ferreira Cestari, mestra em Ciências pela Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, que coletou depoimentos de moradoras do semiárido sobre a implantação de parques eólicos na região. O resultado é um vídeo como produto técnico da dissertação, intitulada Estudo de caso do grupo Mulheres Fortes localizado no Piauí: a chegada de parques eólicos e as transformações territoriais. O trabalho foi orientado pelo professor Leandro Luiz Giatti.

O Piauí figura em uma das piores colocações na condição de segurança alimentar brasileira, ficando em penúltimo lugar dentre as 27 unidades federativas do Brasil. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) de 2010 avaliou o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do município de Betânia em 0,489 – considerado muito baixo. “Eu entendi que ali havia uma contradição no que diz respeito à agenda de sustentabilidade. Porque, de um lado, você tinha a presença da empresa dona dos três parques eólicos, gerando energia limpa, e ao mesmo tempo um município com uma série de vulnerabilidades e desafios sociais”, aponta a pesquisadora. Dentre esses desafios, ela cita os dados do Censo do IBGE de 2022, quando 13% da população de Betânia teve sua idade presumida. “Ou seja, pessoas que possivelmente não têm certeza sequer da data de nascimento”, afirma.

Adriana Ferreira Cestari é mestra em Ciências pela USP - Foto: arquivo pessoal

 

Adriana atua como consultora de projetos sociais em associações e cooperativas pelo Brasil. Em seu mestrado, a pesquisadora investigou a geração de renda para mulheres integrantes da Associação das Pequenas Produtoras Rurais da Serra do Inácio, em Betânia. A Serra do Inácio se divide entre Curral Novo e Betânia, no Piauí, e Ouricuri, Araripina e Santa Filomena, cidades de Pernambuco. A região toda possui três parques eólicos.

Apesar de configurar um espaço de pleno desenvolvimento de geração de energia sustentável, a Serra do Inácio vive a contradição da ausência de políticas públicas para a dignidade dos moradores da região. Nesta semana, o governo do Estado do Piauí entregou 122 cisternas para consumo e utilização nos quintais produtivos de pequenos agricultores de Betânia e Curral Novo, locais que não contam com um sistema de abastecimento de águas. Em 2022, 84% dos domicílios tinham o caminhão-pipa como principal forma de abastecimento. “Para além do desafio de ter acesso ao caminhão-pipa, não se tem como saber se, de fato, as famílias têm acesso à água por meio de políticas governamentais, nem se elas armazenam essa água corretamente”, lembra Adriana.

Em meio a esse contexto, a pesquisadora acompanhou o grupo de mulheres produtoras de mandioca, que produzem e comercializam alimentos derivados da raiz em uma cozinha industrial comunitária, construída após o recebimento de um projeto social de geração de renda. “As entrevistas revelaram que, de fato, o projeto trouxe resultado para as mulheres. Hoje, elas conseguem ter um complemento da renda a partir da produção de peta, biscoito, bolos, comercializados por meio de programas governamentais”, conta Adriana.

Dona Chica, produtora de mandioca em Betânia do Piauí- Foto: Adriana Cestari

Dona Chica, produtora de mandioca em Betânia do Piauí- Foto: Adriana Cestari

 

Mulheres Fortes


As “mulheres fortes” do título, integrantes da Associação das Pequenas Produtoras Rurais da Serra do Inácio, compartilharam suas histórias de resiliência durante a criação da associação, em um território localizado próximo aos parques eólicos. A entidade foi contemplada com um projeto de geração de renda fomentado entre 2019 e 2022 pela empresa Auren Energia em parceria com o Instituto Votorantim e o BNDES. O território é pano de fundo de dois mundos: um deles caminha na esteira da sustentabilidade promovendo geração de energia considerada limpa. O outro contempla uma realidade de negligências pelo Estado, com desafios sociais que revelam contradições intrínsecas à agenda de sustentabilidade.

“Tá na história. Em muitos lugares, até fora do Brasil, as pessoas conhecem a nossa história desde o princípio até hoje. É um orgulho grande, que os homens dessa terra não conseguiram e nós, mulheres, conseguimos”, conta Nailene Ferreira, uma das fundadoras da associação. Ainda assim, cerca de 67% das pessoas de Betânia do Piauí sobrevivem com auxílio do Bolsa Família. 

“Não podemos esquecer que a renda das Pequenas Produtoras Rurais da Serra do Inácio é uma renda complementar. Elas ainda estão no processo de acessar esses mercados e ter uma renda cada vez maior”, destaca Adriana.

Confira o vídeo a seguir:

* Com texto de Sylvia Miguel, da Comunicação FSP/USP

 


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...