Quase lá: Deputada mineira organiza ato contra PL do aborto: 'Não devia ser votado'

Ana Pimentel é presidente da Comissão dos Direitos da Mulher. Manifestação vai acontecer no Salão Verde do Congresso, nesta quarta-feira (19/6) às 16h

 Ana Mendonça - Estado de Minas - 17/6/24

 ana pimentel 2024

Ana Pimentel organiza ato contra 'PL do aborto'

crédito: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
 

A presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher na Câmara dos Deputados, Ana Pimentel (PT), convocou as deputadas para realizar um ato contra o Projeto de Lei nº 1.904/2024, que equipara o aborto após a 22ª semana de gestação ao crime de homicídio. A manifestação ocorrerá no Salão Verde na próxima quarta-feira (19/6), às 16h.

Como o projeto prevê que mulheres e crianças, ao realizarem até mesmo o aborto legal, como no caso de vítimas de estupro, possam ser condenadas a penas de prisão de até 20 anos, enquanto esse crime sexual tem pena máxima de 10 anos, grupos contrários ao texto começaram a chamar a proposta de "PL do estuprador".

Em conversa com o Estado de Minas, Ana Pimentel pontuou a resistência e chamou o projeto de “neoliberal e fascista”. "A sociedade brasileira, principalmente as mulheres, não concorda com o projeto político que este projeto representa. A minha posição, como presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, que é também a posição da bancada do PT, é de recusa absoluta deste projeto, não queremos sequer que ele seja votado. Este projeto não traz benefício algum para a vida de crianças e de mulheres brasileiras. Então, por que devemos votá-lo? Não faz sentido”, diz a parlamentar.

Segundo a deputada mineira, o texto é considerado um grave retrocesso na proteção das meninas brasileiras vítimas de violência sexual. Estatísticas recentes revelam um quadro alarmante: 75% das vítimas de estupro no Brasil são garotas menores de 13 anos. Além disso, a cada hora, seis denúncias deste tipo de abuso são registradas no país.

“Em vez de proporcionar o suporte necessário a essas crianças, o projeto de lei propõe medidas que podem perpetuar ainda mais o ciclo de violência e sofrimento ao qual elas estão submetidas”, afirmou.

Na última semana, grandes manifestações ocorreram em Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e outras cidades, demonstrando a opinião popular contra o projeto.

O autor do texto, deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), da bancada evangélica, admitiu hoje que a análise no plenário pode ser deixada para o fim do ano, após as eleições municipais.

O governo, que não se opôs à aprovação da urgência para a tramitação da proposta na semana passada, agora afirma que vai atuar para barrar o avanço da iniciativa no Congresso.

 

fonte: https://www.em.com.br/politica/2024/06/6879396-deputada-mineira-organiza-ato-contra-pl-do-aborto-nao-devia-ser-votado.html

 

 

LEIA TAMBÉM

seta rosa

Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...