Quase lá: Agressões sexuais foram maior violência contra meninas de 10 a 14

Dados foram apontados pelo Atlas da Violência, divulgado nesta terça-feira (18/6), e se referem a 2022

abuso sexual criancas

Conforme o Atlas da Violência, divulgado nesta terça-feira (18/6), as agressões sexuais foram o maior tipo de violência registrada contra meninas de 10 a 14 anos no Brasil em 2022. De acordo com o levantamento, o tipo de agressão representa quase a metade (49,6%) dos casos de violência contra meninas nesta faixa etária.

Para a faixa etária entre bebês e crianças de até nove anos, esse tipo de agressão representa 30% dos casos. Nesta faixa e para a faixa etária a partir dos 70 anos, o principal tipo de violência é a negligência. De 15 a 69 anos, é a violência física.

O Atlas usa dados do Sistema Único de Saúde (SUS). A edição deste ano leva em conta informações referentes a 2022. Naquele ano, foram registrados 221.240 casos de violência contra meninas e mulheres, o que representa uma agressão a cada 2 minutos.

Ministra debate ações para enfrentar violência contra mulheres com ONG
IBGE: mulheres pretas e pardas sofrem mais violência do que brancas
STF veda uso de passado sexual para desqualificar vítima de violência
Saúde inclui vítima de violência sexual em prioridade da vacina do HPV

Agressões contra mulheres

Conforme o estudo, os homens são autores das violências em 86,6% dos casos. Eles são a maioria dos autores quando as vítimas têm a partir de 10 anos de idade. De 0 a 9 anos, os homens são responsáveis por 50% dos casos e as mulheres pelos outros 50%.

Em 81% dos casos, a violência sofrida por meninas ou mulheres acontece dentro das próprias residências (116.830). A via pública é o segundo lugar mais comum, com 6,1% dos registros.

Redução de homicídios

O estudo do Fórum Brasileiro e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) indica, ainda, que o país registrou redução de 3% em relação a 2021. Os números representam uma taxa de 21,7 homicídios a cada 100 mil habitantes, igualando 2019 à menor taxa desde 2012, quando o número era de 28,9 a cada 100 mil.

No entanto, estimativa dos especialistas apontam que o número real de homicídios seria de 52.391 em todo o Brasil por conta de assassinatos que ficaram ocultos nos dados.

O Atlas estima que 5.982 assassinatos não entraram nas estatísticas oficiais por se tratar de mortes violentas por causa indeterminada (na sigla técnica MVCI). Este tipo de classificação, que não entra na base de dados de homicídio, tem aumentado desde 2018, segundo o estudo.

“Tendo em vista que parcela dessas MVCI são, na realidade, homicídios que ficaram ocultos nas estatísticas, as análises sobre prevalência da violência letal ficam prejudicadas”, diz o Atlas.

 

fonte: https://www.metropoles.com/brasil/agressoes-sexuais-foram-maior-violencia-contra-meninas-de-10-a-14

 


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...