Quase lá: Feminicídio: mulher é encontrada morta em poça de sangue dentro de casa

O caso ocorreu no início da tarde deste sábado (15/6), por volta das 12h50, em uma casa na Estrutural. Este é o oitavo feminicídio ocorrido no DF somente este ano. Ela tinha medida protetiva contra o feminicida.Wéderson já havia agredido física e moralmente a companheira

 

Mariana Saraiva
Letícia Guedes
Pablo Giovanni
Darcianne Diogo
 
Correio Braziliense - 15/6/24
 

Este é o oitavo feminicídio no DF, somente em 2024 -  (crédito: Material cedido ao Correio )

Este é o oitavo feminicídio no DF, somente em 2024 - (crédito: Material cedido ao Correio )
 

No início da tarde deste sábado (15/6), por volta das 12h50, uma mulher, identificada como Jainia Delfina de Assis, 42 anos, foi encontrada morta dentro de uma casa, localizada na quadra 4, no Setor Oeste da Cidade Estrutural. Segundo a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), um homem encontrou a mulher e acionou a polícia. 

A filha da vítima, Yara Delfina Jorge da Silva afirmou que na casa viviam o casal, uma criança de 4 anos e uma adolescente de 15. A mãe da vítima, Creuza Delfino de Assis, 62, pede por justiça e conta que, infelizmente, esperava pelo pior por conta do histórico do homem. “Semana passada eu falei pra minha irmã que qualquer hora ia acontecer alguma coisa com ela. Eu ia falar pra ela sair de perto desse homem. Ele já bateu nela uma vez”, contou.

A irmã, Amélia Rosa de Assis, 36, disse que depois que Jainia entrou no relacionamento, se afastou de todos, inclusive da família. “Quando ele chegou aqui em Brasília, ele não tinha documentos, ele dizia que tinha vindo do Mato Grosso e que não tinha família, ninguém sabia de onde realmente ele era. Eu sempre falei pra ela tomar cuidado”, relatou.

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2024/06/6878556-feminicidio-mulher-e-encontrada-morta-em-poca-de-sangue-dentro-de-casa.html

 

Feminícidio: suspeito já estuprou e matou adolescente dentro do metrô

De acordo com a denúncia do Ministério Público, por volta de 4h de 16 de novembro de 2006, ele estuprou a vítima e, após o ato, a assassinou a facadas

 
Mariana Saraiva
Pablo Giovanni
 Correio Braziliense - 15/6/24
 
 
Wederson Aparecido Ananias de Moura -  (crédito: Material cedido ao Correio )
Wederson Aparecido Ananias de Moura - (crédito: Material cedido ao Correio )
 

O principal suspeito de cometer feminicídio na tarde deste sábado (15/6), Wederson Aparecido Ananias de Moura, 36 anos, tem uma vasta ficha criminal. Conhecido como “Risadinha”, Wederson é condenado por estuprar e matar uma adolescente de 15 anos dentro do sistema de ventilação da estação de metrô Rodoviária do Plano Piloto, em 2006.

Ao documento, ao qual o Correio teve acesso com exclusividade, descreve que a vítima, que era moradora de rua, havia se recolhido para dormir num canto reservado do sistema de ventilação do metrô. De acordo com a denúncia do Ministério Público, por volta de 4h de 16 de novembro daquele ano, ele estuprou a vítima e, após o ato, a assassinou a facadas. Wederson chegou a ser condenado a 30 anos de prisão, e estava em prisão domiciliar desde 2022. 

No prontuário prisional dele, obtido também com exclusividade pelo Correio, ele possui uma vasta ficha criminal. Ao todo, são 29 ocorrências, sendo 23 delas dentro do próprio Complexo Penitenciário da Papuda.O réu chegou a chefiar o “jogo do bicho” dentro da cadeia e também foi preso por tráfico de drogas, além de ser um dos incentivadores de rebeliões que ocorreram entre 2006 e 2022 na prisão. Em uma das ocorrências, ele tentou matar um colega de cela com duas escovas de dente afiadas.

Nesse caso, ficou 10 dias confinado na solitária. Durante o período de confinamento, Wederson chegou a participar de terapias que incentivam a ressocialização de presos, além de acolher presos que cometeram crimes sexuais. De acordo com investigadores à reportagem, Wederson é considerado um criminoso de alta periculosidade, tendo inventado várias identidades ao longo da vida criminosa para tentar se safar.

Um dos exemplos é que Wederson possui, “oficialmente”, mais um nome: Marcus Antônio da Silva. Policiais militares e civis estão em diligências para encontrá-lo, após o feminicídio cometido por ele contra Jainia Delfina de Assis, 42 anos neste sábado (15/6)

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2024/06/6878714-feminicidio-suspeito-ja-estuprou-e-matou-adolescente-dentro-do-metro.html?tbref=hp

 

Feminicídios no DF: todos os autores identificados estão presos

Na manhã de domingo (16/6), o suspeito do oitavo feminicídio ocorrido neste ano foi capturado pela polícia. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, todos os autores identificados estão presos

 
Giulia Luchetta
Letícia Guedes
 
Correio Braziliense - 17/6/2024
 

Após deixar o hospital, Wederson foi levado à 8ª DP para prestar depoimento, quando confessou o crime e disse que pretendia se entregar -  (crédito: Letícia Guedes )
Após deixar o hospital, Wederson foi levado à 8ª DP para prestar depoimento, quando confessou o crime e disse que pretendia se entregar - (crédito: Letícia Guedes )
 

Foi preso em flagrante na manhã de domingo (16/6) pela Polícia Militar do DF (PMDF) Wederson Aparecido Ananias de Moura, 36 anos, suspeito de assassinar, na tarde do último sábado, Jainia Delfina de Assis, 42. Momentos antes da chegada dos policiais, populares e parentes da vítima agrediram o homem, que teve de ser encaminhado ao Hospital de Base (HB) para passar por exames. Esse é mais um episódio em que uma mulher tem a vida ceifada. Somente neste ano, o DF registrou oito vítimas. A polícia agiu rapidamente e conseguiu colocar os algozes atrás das grades. Atualmente, há apenas um autor não identificado. 

À PMDF, o homem confessou o crime e disse que pretendia se entregar. No interrogatório ontem, na 8ª Delegacia de Polícia, na Estrutural, Wederson declarou ao delegado que a vítima teria afirmado que lhe transmitiu HIV, e que essa seria a motivação do crime. A família nega veementemente que Jainia fosse portadora do vírus. Agora, o suspeito, que estava cumprindo prisão domiciliar desde novembro de 2022, passará por audiência de custódia, hoje ou amanhã. 

Alexandre Patury, secretário executivo de segurança pública, destacou a prisão dos autores identificados e apontou que a pasta tem trabalhado junto ao Judiciário e Ministério Público do Distrito Federal e dos Territórios (MPDFT), à Secretaria de Estado da Mulher (SMDF), à imprensa e à sociedade, como um todo, para que os casos sejam evitados. "Há algumas situações, como nesse caso, em que os crimes, infelizmente, acontecem dentro das casas, onde a polícia, muitas vezes, não tem acesso. E quando se olha a ficha criminal de quem cometeu o feminicídio, percebe-se que era uma pessoa de altíssima periculosidade, que já tinha respondido por crimes gravíssimos, inclusive, contra a própria vítima, mas que estava livre, nesse caso, em prisão domiciliar. Fica difícil quando não se tem o apoio da legislação", disse, ressaltando que a denúncia é o melhor e mais eficiente caminho para evitar esse tipo de violência.

O crime

O assassinato aconteceu no último sábado. A PMDF foi acionada por volta das 12h50, quando uma criança de quatro anos pediu ajuda a um homem, informando que a mãe estava dormindo sobre uma poça de sangue. No local, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), constatou o óbito. Jainia, que foi morta com duas facadas no pescoço, deixa três filhos, de 19, 15 e criança de quatro anos.

Segundo familiares, Jainia e Wederson viviam, há aproximadamente dois anos, um relacionamento marcado por brigas e agressões físicas, que se intensificavam quando os dois estavam sob o efeito de álcool. Desde 2023, a vítima obteve uma medida protetiva contra o suspeito, que o proibia de permanecer na casa de Jainia, de entrar em contato com ela e com familiares, além de precisar estabelecer um limite mínimo de 300 metros de distância. 

A filha mais velha da vítima, Yara Delfina Jorge da Silva, 19, contou ao Correio que a família está aliviada com a prisão, uma vez que todos estavam traumatizados e passaram a noite de sábado bastante nervosos. "Nós estávamos morrendo de medo. Ele sabe onde todo mundo mora, poderia estar em qualquer lugar", declarou a filha. "Que a Justiça seja feita, aquele homem tem que sofrer muito. A gente sabia do passado dele, a ficha dele é muito suja. Minha mãe já sabia. Eu falava: 'sai mãe, esse homem não presta!' Todo mundo cansou de falar com ela e deu no que deu", disse Yara, em meio às lágrimas.

Irmão de Jainia, Jefferson de Assis, 33, acredita que, com a prisão, a família poderá ficar mais tranquila. Sobre a irmã, lamentou que agora a alegria da rua em que ela morava, onde era conhecida por todos, acabou. "Ela era alegre demais, sempre foi assim, era bem conhecida na Estrutural, mas depois que ela o conheceu, todos os amigos se afastaram por causa dele."

Até o fechamento desta matéria, não havia informações acerca do velório e enterro de Jainia. 

Ficha criminal 

Apontado como principal suspeito de assassinar Jainia, Wederson carrega uma extensa ficha criminal. O homem tinha uma condenação por homicídio e atentado violento ao pudor, por estuprar e matar uma adolescente de 15 anos dentro do sistema de ventilação da estação de metrô Rodoviária do Plano Piloto. Pelos crimes, cometidos em 2006, ele foi condenado a 20 anos de prisão.

O Correio obteve acesso ao prontuário prisional de Wederson, no qual constam 29 ocorrências — sendo 23 delas praticadas, inclusive, dentro do Complexo Penitenciário da Papuda. O réu chegou a comandar o "jogo do bicho" na cadeia, foi preso por tráfico de drogas e também foi um dos incentivadores das rebeliões que ocorreram entre 2006 e 2022 na prisão.

Uma das ocorrências se refere a uma tentativa de homicídio. Na ocasião, Wederson atacou um colega de cela com duas escovas de dente afiadas.

De acordo com investigadores ouvidos pela reportagem, Wederson é considerado um criminoso de alta periculosidade, e inventou várias identidades ao longo da vida criminosa para tentar escapar. 

A irmã da vítima, Amélia Rosa de Assis, 36, relatou que já desconfiava do comportamento de Wederson. "Quando chegou a Brasília, ele não tinha documentos, dizia que tinha vindo do Mato Grosso e que não tinha família, ninguém sabia de onde realmente ele era", disse.

Em 10 de junho de 2023, Jainia solicitou a medida protetiva contra o então companheiro, depois de uma briga. Segundo registro, Wederson teria tido uma crise de ciúmes e ficado muito agressivo, tendo desferido tapas e xingamentos contra a mulher. Posteriormente, no entanto, Wederson voltou a morar na casa da família. 

 fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2024/06/6878924-feminicidios-no-df-todos-os-autores-identificados-estao-presos.html
 

Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...