Quase lá: Mapa da luta: pesquisa traz dados sobre organizações LGBTQIAPN+ em todo o país

Estudo ouviu mais de 90 ONGs que relatam pouco acesso a financiamento, formação, estrutura e segurança

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |


Violência, preconceito e falta de apoio são os principais desafios dos movimentos - Mídia Ninja

 

Uma pesquisa inédita revela que as organizações de luta pelos direitos LGBTQIAPN+ no Brasil enfrentam uma realidade de falta de apoio financeiro, violência e desigualdade. O estudo mapeou a atuação e os desafios desses movimentos em todas as regiões do país.

O preconceito aparece no estudo como um elemento central entre os obstáculos impostos à continuidade e à capilaridade da atuação. De Norte a Sul, ele está muito conectado à violência e ao conservadorismo. Keila Simpson, presidenta e fundadora da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), afirma que as iniciativas sempre viveram uma realidade de precariedade, potencializada a partir de 2016.

"É preciso compreender e considerar que as organizações da sociedade civil, especialmente as LGBTQIAPN+, sempre foram organizações muito fragilizadas. São organizações que trabalham com uma população extremamente vulnerabilizada e estão sempre com o pires na mão buscando recurso. A maioria ainda vive muito de fomento de fundos públicos, quase nada da iniciativa privada. Muitos dos fundos são editais de financiamento do governo federal, especialmente."

:: LGBT+ contra a repressão: o arco-íris dos arquivos da ditadura ::

No Centro-Oeste, por exemplo, a luta LGBTQIAPN+ esbarra na cultura política heteronormativa, fortemente influenciada pelo agronegócio. Já na região Sul, a pesquisa identificou a presença de grupos nazistas e fascistas como um ponto crítico. 

 

Em todas as regiões, também foram observados gargalos consideráveis no acesso a recursos, na formação administrativa voltada a pessoas que atuam nas organizações, nas dificuldades de planejamento financeiro e captação de investimentos.

Nas regiões Norte e Nordeste, além da violência, há muitas dificuldades de acesso a recursos e formação.

A questão administrativa também foi observada no Sudeste. Nessa parte do Brasil, a distribuição de recursos na região reflete desigualdades estruturais da sociedade brasileira, com mais financiamento para organizações representadas por homens gays, cisgêneros e brancos. 

:: Aumento de casamentos de LGBTQIA+ demonstra população em defesa de direitos, apontam militantes ::

Keila Simpson ressalta que, sem as organizações, uma parte importante da população LGBTQIAPN+ fica sem acesso a políticas públicas essenciais. Segundo ela é preciso explicitar essa realidade para a sociedade em geral.

"Tem uma parcela da população que necessita de ações importantes e impactantes. É necessário que tenha de fato um diálogo entre a sociedade para a compreensão de que essas pessoas precisam dessas ações pontuais. Não estamos falando de nenhum privilégio, não estamos falando de uma população que está ali esperando ou que está pela rua, fazendo 'mimimi', não é isso. Essa população de fato vive à margem e não tem possibilidades de acessar muitos dos serviços, as próprias políticas, se não tiver projetos que vão trabalhar nessa perspectiva."

As organizações apontaram que, mesmo dentro de uma mesma região, há desigualdades entre estados e cidades. Nesse processo, as áreas rurais enfrentam mais desafios que as urbanas. Movimentos formados por populações mais vulneráveis também estão na lista das que recebem menos visibilidade. Isso atinge movimentos formados por pessoas com deficiência, negras, indígenas, transexuais e mulheres.  

 

A pesquisa foi realizada em parceria entre o Projeto Pajubá – iniciativa da Associação Brasileira de ONGs (Abong), a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) e a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT)

Mais de 90 organizações foram ouvidas. Além dos dados qualitativos, o estudo traz depoimentos das lideranças dos movimentos.

Edição: Nicolau Soares

 

fonte: https://www.brasildefato.com.br/2024/05/29/mapa-da-luta-pesquisa-traz-dados-sobre-organizacoes-lgbtqiapn-em-todo-o-pais


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...