As vítimas foram esfaqueadas pelos companheiros. De janeiro a agosto, houve 47 tentativas de feminicídio no DF, de acordo com dados da SSP. Outras 28 mulheres perderam a vida este ano

Violência contra a mulher -  (crédito: Maurenilson Freire/CB/Arte)
Violência contra a mulher - (crédito: Maurenilson Freire/CB/Arte)
 

 

Foto de perfil do autor(a) Darcianne Diogo
Darcianne Diogo - Correio Braziliense
postado em 13/10/2023 02:00

Duas mulheres foram vítimas de tentativa de feminicídio no Distrito Federal em um intervalo de pouco mais de 24 horas. Em um dos casos, o agressor, um sargento da Aeronáutica, de 27 anos, tentou tirar a própria vida em seguida. As duas mulheres, de 35 e 23 anos, seguiam internadas em estado grave até a veiculação desta matéria. Dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF) mostram que, entre janeiro e agosto deste ano, 47 mulheres foram vítimas de tentativa de feminicídio.

Os crimes ocorreram no Gama e em Samambaia. Na manhã de quarta-feira (11/10), um homem identificado como Tiago Nunes Santana, 33, desferiu diversos golpes de faca contra a namorada, de 35, no Setor Oeste do Gama. A Polícia Militar (PMDF) foi acionada para atender uma ocorrência de violência doméstica no local, onde os PMs se depararam com a mulher ensanguentada. As equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) conduziram a vítima, em estado grave, ao Hospital Regional do Gama (HRG).

Tiago fugiu deixando um grande rastro de sangue. O Correio apurou que o autor ostenta uma vasta ficha criminal, incluindo passagens por homicídio. Em 2015, ele foi condenado pela Justiça do DF a uma pena de 18 anos e 4 meses, em regime fechado, por assassinar um homem no Gama. Ainda na região, ele foi preso duas vezes por tráfico de drogas, em 2008 e 2010.

 

Tiago Nunes Santana
Tiago esfaqueou a namorada, no Gama(foto: PCDF/Divulgação)

 

A 20ª Delegacia de Polícia (Gama) divulgou a foto do agressor e pediu ajuda da comunidade para localizá-lo. Quem souber informações que levem ao acusado pode ligar para o número 197, da Polícia Civil. A denúncia é anônima.

Outro caso

Por volta das 5h desta quinta-feira (12/10), mais uma tentativa de feminicídio foi registrada na capital. Dessa vez, um sargento da Aeronáutica, identificado como Kelvin Ruan Gontijo Alves, desferiu um golpe de faca contra o tórax da companheira, uma jovem de 23 anos e sargento do Exército.

 

Sargento da Aeronáutica, identificado como Kelvin Ruan Gontijo Alves
Kelvin Ruan Gontijo tentou matar a companheira, em Samambaia(foto: Redes sociais)

 

O casal mantinha uma relação de cerca de quatro anos, mas as brigas eram constantes, segundo relataram testemunhas ao Correio. Uma mulher que chegou a morar no mesmo prédio dos dois contou que era comum ouvir gritos vindos do apartamento, localizado na QN 316 de Samambaia. "Já chamei muito a polícia para eles. Era raro os dias em que eles não brigavam. Quando se mudaram daqui, foi um alívio", relatou.

Testemunhas contaram à polícia que, durante a madrugada de ontem, a vítima se queixou à mãe de Kelvin que ele estava há duas noites fora de casa. A vítima saiu à procura do namorado e, quando retornaram à residência, Kelvin estava bastante agressivo e tentou bater na companheira.

Em determinado momento, a vítima se trancou no quarto com a filha do casal, de um ano, e Kelvin foi para o banheiro. A mãe do agressor interveio na discussão e deu um remédio para acalmar o filho, conforme a versão dada por ela à polícia. Pouco tempo depois, o casal foi deitar e a mãe de Kelvin acordou com os gritos da nora, dizendo que ele estava em posse de uma faca.

Foram várias tentativas de golpes contra a jovem e um deles acertou. Após o crime, Kelvin tentou tirar a própria vida e se esfaqueou na lateral da barriga, mas foi contido por familiares e levado ao Hospital Regional de Samambaia sem ferimentos graves. Até o fechamento desta edição, ele seguia internado, mas está sob escolta policial e vai responder por tentativa de feminicídio.

Dados

Os números da SSP-DF mostram que, em 48% dos casos das tentativas de feminicídio, o crime só não se consumou por intervenção de terceiros. A eficiência do Samu impediu que 24% das mulheres fossem salvas. Em relação aos locais onde ocorreram os crimes, em primeiro lugar aparecem as ruas, praças ou estacionamentos (28%), seguidos por residência do casal (22%), casa da vítima (20%) e residência do autor (14%).

As facas são o meio mais usado pelos agressores (68%). Depois, arma de fogo (11%) e agressão física (10%). A estatística detalha, ainda, a suposta motivação do crime, estando o ciúme e o sentimento de posse no topo (46%), seguido por não aceitação do término do relacionamento (30%).

Conforme a SSP-DF, de janeiro até o momento, ocorreram 28 feminicídios no DF. Destes, 25 casos foram confirmados e três estão sob análise.

Palavra de especialista

Cristina Alves Tubino, advogada e presidente da Comissão de Combate à Violência Doméstica e Familiar da OAB/DF

Até o presente momento, 28 feminicídios consumados aconteceram ao no ano de 2023 no Distrito Federal. Inúmeras tentativas de feminicídio, que provavelmente são em número muito maior, pois muitas não são registradas. São números assustadores, que confirmam os dados do Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública: desde 2022 a violência contra as mulheres no Brasil. É uma situação estarrecedora pois mulheres morrendo apenas por serem são mulheres e porque são vistas, pelos homens, como objetos de posse e não sujeitos de direito e iguais.

E, aparentemente, o Estado não tem conseguido proteger as mulheres brasilienses, evitar novos crimes ou dissuadir os agressores. Algumas razões para o aumento claro de atos de violências contra as mulheres são claramente identificáveis: a diminuição considerável de investimento em políticas de enfrentamento à violência contra a mulher por parte do governo federal durante os anos de 2018-2022, sendo que, de acordo com dados do INESC em 2022 ocorreu a menor alocação orçamentária para o enfrentamento da violência contra mulheres, desde 2012. A violência de gênero e o fenômeno do backlash.

Atualmente, mais do que encontrarmos os motivos do grande número de feminicídios, buscamos soluções. Infelizmente, as soluções não são simples. Não haverá um ato mágico e repentino que vai fazer com que mulheres parem de ser vítimas de violência. Há a necessidade de que o Executivo, o Legislativo e o Judiciário do DF, juntamente com a sociedade civil e entidades de força — como a OAB — possam, juntos buscar soluções para o problema. Não apenas visando a punição dos criminosos, mas a prevenção dos crimes.

Por fim, é absolutamente fundamental garantir que as mulheres vítimas de violência tenham conhecimento de seus direitos, acolhimento e escuta qualificada e atendimento das medidas protetivas de urgência requeridas — quiçá com aplicação de medidas mais restritivas — para que possam ser protegidas e não se transformem em estatísticas. O importante é entenderemos que não basta a punição. Se a forma de ver a mulher, de perceber a igualdade entre os gêneros, a educação das nossas crianças, não for mudada, continuaremos sempre com casos de violência contra a mulher.

Onde pedir ajuda

Ligue 190: Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF). Uma viatura é enviada imediatamente até o local.

Ligue 197: Polícia Civil do DF (PCDF).

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

WhatsApp: (61) 98626-1197

Site: pcdf.df.gov.br/servicos/197/violencia-contra-mulher

Ligue 180: Central de Atendimento à Mulher, canal da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres. Serviço registra e encaminha denúncias de violência contra a mulher aos órgãos competentes, além de reclamações, sugestões e elogios sobre o funcionamento dos serviços de atendimento. A denúncia pode ser feita de forma anônima, 24h por dia, todos os dias. Ligação gratuita.

Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher (Deam): funcionamento 24 horas por dia, todos os dias.

Deam 1: previne, reprime e investiga os crimes praticados contra a mulher em todo o DF, à exceção de Ceilândia.

Endereço: EQS 204/205, Asa Sul.

Telefones: 3207-6172 / 3207-6195 / 98362-5673

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Deam 2: previne, reprime e investiga crimes contra a mulher praticados em Ceilândia.

Endereço: St. M QNM 2, Ceilândia

Telefoes: 3207-7391 / 3207-7408 / 3207-7438

Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

Whatsapp: (61) 99656-5008, Canal 24h

Secretaria da Mulher do DF

Whatsapp: (61) 99415-0635

Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)

Promotorias nas regiões administrativas do DF

mpdft.mp.br/portal/index.php/promotorias-de-justica-nas-cidades

Núcleo de Gênero

Endereço: Eixo Monumental, Praça do Buriti, Lote 2, Sala 144, Sede do MPDFT

Telefones: 3343-6086 e 3343-9625

E-mail:Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Defensoria Pública do DF

Núcleo de Assistência Jurídica de Defesa da Mulher (Nudem)

Endereço: Fórum José Júlio Leal Fagundes, Setor de Múltiplas Atividades Sul, Trecho 3, Lotes 4/6, BL 4 Telefones: (061) 3103-1926 / 3103-1928 / 3103-1765

WhatsApp (61) 999359-0032

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Site defensoria.df.gov.br/nucleos-de-assistencia-juridica/

Núcleos do Pró-Vítima

Ceilândia

End.: Shopping Popular de Ceilândia - Espaço na Hora

(61) 98314-0620, das 8h às 17h

Guará

End.: Lúcio Costa QELC Alpendre dos Jovens - Lúcio Costa

(61) 98314-0619, das 8h às 17h

Paranoá

End.: Quadra 05, Conjunto 03, Área Especial D - Parque de Obras

(61) 98314-0622, das 8h às 17h

Planaltina

End.: Fórum Desembargador Lúcio Batista Arantes, 1º Andar, Salas 111/114

(61) 98314-0611 / 3103-2405, das 12h às 19h

Recanto das Emas

End.: Estação da Cidadania - Céu das Artes, Quadra 113, Área Especial 01

61) 98314-0613, das 8h às 17h

Rodoferroviária

End: Estação Rodoferroviária, Ala Norte, Sala 04 - Brasília/DF

(61) 98314-0626 / 2104-4288 / 4289

Itapoã

End.: Praça dos Direitos, Quadra 203 - Del Lago II(61) 9 8314-063208:00 às 17:00

(61) 98314-0632, das 8h às 17h

Taguatinga

End.: Administração Regional de Taguatinga - Espaço da Mulher - Praça do Relógio

(061) 98314-0631

Site: sejus.df.gov.br/pro-vitima/

Além disso, a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), implantou um novo número, o 125, para receber denúncias de violação de direitos de crianças e adolescentes no DF. A ligação é gratuita.

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2023/10/5133552-duas-mulheres-escapam-de-serem-assassinadas-no-df.html

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...