Quase lá: Uma em cada quatro mulheres alcança cargos de liderança em corporações e na universidade

Evento no Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP discute os desafios enfrentados por mulheres na busca por posições de liderança e constituição de carreira

https://jornal.usp.br/?p=644387

JORNAL DA USP - 29/05/2023
Por 


Encontro no IEA da USP irá debater a participação feminina na diplomacia e na academia – Fotomontagem: Jornal da USP – Fotos: Pexels

Na próxima quarta-feira, 31 de maio, das 14h30 às 16 horas, o Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP promove o encontro A Inserção das Mulheres na Diplomacia e na Academia. Para participar, é necessário se inscrever pelo formulário. O evento conta com a coordenação de Janina Onuki, pesquisadora do Instituto de Estudos Avançados (IEA) e professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, e da antropóloga Nadège Mézié, representante do Consulado Geral da França em São Paulo. 

Entre as participantes, estarão a embaixadora da França no Brasil, Brigitte Collet, e a professora de Direito Comercial da Faculdade de Direito (FD) da USP, Sheila Neder, discutindo a participação feminina na diplomacia e na academia e refletindo sobre seu significado, as trajetórias e os desafios enfrentados por mulheres que ocupam posições de liderança.


Janina Onuki – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Ao Jornal da USP, Janina comenta as dificuldades de mulheres para alcançar altos cargos e constituir carreira. “As instituições se preocupam com o tema de uma forma ainda muito incipiente. Nós observamos mulheres participando na diplomacia e na academia, mas com muitas dificuldades de ascensão na carreira”, lamenta Janina.

Instituições pouco inclusivas

Segundo o estudo Women in the Workplace 2022 da McKinsey & Company, cargos de executivos como CEO, CFO e CTO permanecem predominantemente masculinos e brancos. Apenas um em cada quatro líderes era mulher, sendo uma em cada 20 uma mulher negra. Entre as dificuldades que impedem o crescimento profissional, está a escassez de representatividade feminina na liderança, a sobrecarga de trabalho somada à falta de reconhecimento e o preconceito latente que faz com que elas recebam menos suporte nas atividades.

+ Mais
 

O ambiente acadêmico não se distancia do profissional. As mulheres que se dispõem a produzir pesquisa encontram mais resistência nas academias. Em um levantamento feito pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), entre 2010 e 2021, das bolsas de produtividade oferecidas, apenas 35,3% eram para mulheres, com uma diferença ainda mais acentuada em cursos de Ciências Exatas e da Terra e Engenharia. 

Outro dado obtido é de que as mulheres que ingressam no doutorado enfrentam mais dificuldades do que pesquisadores homens para concluir o curso. Elas levam, em média, 4,3 anos para obter o título, enquanto eles conseguem em 3,8 anos. Entre os motivos, estão a dupla jornada de trabalho e a maternidade, tema que ainda é mal compreendido por “atrapalhar” a produtividade da pesquisadora.


Gráfico 1: Desigualdade de gênero na distribuição de bolsas de produtividade persistiu na última década no país – Fonte: CNPQ e Gráfico 2: Panorama da distribuição de bolsas por área do conhecimento – Fonte: CNPq

 

As desigualdades também aparecem dentro da USP. Segundo o relatório As Mulheres na Pós-Graduação, divulgado no fim do mês de março pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PRPG), pesquisadoras enfrentam maiores dificuldades para progredirem na carreira acadêmica. Apenas 30,6% das mulheres docentes progrediram para a posição de professoras titulares, enquanto os homens concentram 69,4% das promoções ao topo da carreira universitária. Outra informação constatada é que o corpo discente é majoritariamente feminino, porém nas áreas de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática, as estudantes representam menos da metade, apenas 40,7%.

 

A pesquisadora do IEA defende a inclusão da questão de gênero na política científica brasileira. “Precisamos criar condições para não apenas inserir estes grupos de mulheres, mas garantir sua continuidade e ascensão na carreira científica”, afirma Janina, em seu artigo A Perspectiva de Gênero em Ciência, Tecnologia e Inovação no Sul Global: uma análise da Fapesp. “Essas ações beneficiam toda a sociedade na medida em que seus efeitos recaem não apenas sobre a esfera econômica, mas também sobre a própria qualidade e diversidade da produção do conhecimento”, complementa.

Estabelecendo a diversidade

A organização do seminário se deu como parte de um projeto, realizado em conjunto com o Consulado da França desde 2022. Segundo a pesquisadora do IEA, os países europeus já desenvolvem meios de ampliar a diversidade nas instituições. “Nosso interesse no projeto é mapear como os países da Europa e da América Latina estão discutindo esse tema”, afirma Janina.


Brigitte Collet – Foto: Reprodução/Twitter

Na diplomacia francesa, mulheres enfrentam um longo caminho para acessar os cargos mais altos de gestão. De acordo com a embaixadora francesa, em 2020, apenas 28% dos cargos de direção eram ocupados por mulheres embaixadoras e diretoras. “As ‘pioneiras da diplomacia feminista’ tiveram que mostrar tenacidade e coragem para abrir caminho em uma profissão há muito reservada aos homens”, conta Brigitte.

Segundo a embaixadora, a diplomacia feminista consiste em uma série de compromissos concretos em favor da igualdade entre mulheres e homens, implementados tanto no Ministério da Europa e Relações Exteriores, quanto no cenário internacional. “A luta contra a violência de gênero é uma das prioridades de nossa ação pública. O Ministério da Europa e Negócios Estrangeiros incentiva todos os seus departamentos a adotar um roteiro de igualdade de gênero, tanto internacional quanto internamente”, explica Brigitte. 

Diferentemente da Europa, o Brasil ainda caminha a passos lentos em direção à igualdade de gênero. As academias ainda apresentam deficiências na inclusão de mulheres no grupo de pesquisadores, as instituições corporativas possuem dados alarmantes de desigualdade de gênero que impedem o protagonismo feminino e a implementação da diplomacia feminista ainda está em discussão. 

Para a coordenadora do evento no IEA, a mudança nos cenários corporativos e acadêmicos depende das instituições, mas sobretudo de pessoas que questionem e provoquem incômodo diante das desigualdades de gênero dentro delas. “As instituições dependem muito de mulheres e lideranças que levem essas temáticas adiante e causem mudanças em suas estruturas institucionais”, afirma Janina.

A presença da Embaixadora da França marca o desenvolvimento de um convênio com o Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS), da França, para a criação de um Centro Internacional de Pesquisas (IRC) na USP, o primeiro na América Latina, previsto para 2024.


Nadège Mézié – Foto: IEA-USP

O centro será utilizado para desenvolver a cooperação científica entre os países. “Isso mostra o quanto a USP é considerada uma universidade de prestígio e excelência pela França, além de servir para estreitar nossos laços acadêmicos e científicos com o Brasil”, afirma Nadège Mézié. 

Ao Jornal da USP, Nadège conta sobre a importância da troca de experiências entre pesquisadores franceses e a USP. “É interessante em termos de excelência da pesquisa estabelecermos contato com pesquisadores e professores do IEA para realizarmos diálogos com a sociedade e tratarmos de questões de debate público em eventos e palestras”, afirma a antropóloga. “O IEA desenvolve muitas atividades interdisciplinares sobre desafios da nossa sociedade contemporânea, desde a crise climática até aspectos de inteligência artificial. Assim, pesquisadores de várias disciplinas poderão dialogar entre si”, complementa ela.  

Serviço:

O encontro A Inserção das Mulheres na Diplomacia e na Academia ocorre dia 31 de maio, das 14h30 às 16 horas, na Sala Alfredo Bosi, localizada na Rua da Praça do Relógio, 109, Cidade Universitária, São Paulo. 

Mais informações: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. 

fonte: https://jornal.usp.br/diversidade/uma-em-cada-quatro-mulheres-alcancam-cargos-de-lideranca-em-corporacoes-e-na-universidade/

 


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...