A primeira MULHER a morrer de Corona Vírus no Brasil: Uma trabalhadora doméstica de 63 anos, periférica

Medidas de Renda Mínima, precisam ser asseguradas, imediatamente. Todas as pessoas devem ter direito a pelo menos um salário mínimo por mês e de outras iniciativas econômicas que garantam o direito à quarentena, para que ela não seja um privilégio de poucos. Mas ao contrário disso o governo cortou 158 mil famílias do Bolsa família, 61% no nordeste. Esta política só pode ser encarada como uma política de extermínio do povo pobre, em que o prórpio governo decide quem deve viver e quem deve morrer.

No Brasil desigual, o trabalho informal, sem direitos ou precarizado é uma triste realidade. O setor informal representa 41,4% da força de trabalho total no Brasil, são cerca de 39 milhões pessoas (IBGE, 2019), outras 12 milhões estão desempregadas.

São as mulheres negras e periféricas que ocupam a maioria destas funções, dentre elas, a do trabalho doméstico. São mais de sete milhões de empregadas/os domésticas/os e faxineiras/os diaristas nessa ocupação, sendo que 93% são mulheres e idosas que sustentam sozinhas suas famílias.

Segundo o Ministério Público, todas as pessoas precisam ser DISPENSADAS DO TRABALHO, COM GARANTIA DE SALÁRIO, exceto as que forem estritamente necessárias, preservadas suas condições de acesso a equipamentos de proteção individual ao corona vírus (artigo 3o, § 3o, da Lei n. 13.979/2020).

A primeira morte no Brasil foi de uma mulher, de 63 anos, que não foi dispensada de suas funções por sua empregadora, que se contaminou na Itália. A trabalhadora, já idosa, talvez pudesse estar aposentada, mas as políticas autoritárias do neoliberalismo, como a reforma da previdência e a reforma trabalhista, retiram direitos da população mais empobrecida. Atrelado a isso está a forma irresponsável e desumana a que, muitas vezes, empregadores submetem suas trabalhadoras. Próprio do racismo, da herança da escravocrata cultivada pela elite brasileira.

Além disso, sabe-se que o isolamento e o distanciamento social estão entre as medidas mais eficazes adotadas pelos países que estão conseguindo deter o contágio em massa do corona vírus. Porém, muitas das trabalhadoras domésticas são obrigadas a trabalhar para garantir seus empregos e salários.

Precisamos de ações que garantam as condições mínimas de sobrevivência da maioria da população. Acesso à alimentação, água, produtos de higiene, é uma questão de responsabilidade e humanidade.

E você faça sua parte! Não desumanize mulheres negras e de periferia. Dispense todos os serviços de faxineira, diarista ou trabalhadora doméstica. Elas precisam ter garantido o direito de ficar em casa e com seus salários mantidos!

Articulação de Mulheres Brasileiras

#QuarentenaRemuneradaJá
#ÉpelaVidaDasDomésticas
#ÉpelaVidaDasMulheres

   
Categoria
 
Alerta Feminista

Radar Feminista do Congresso

Notícias

Artigos e Textos

Diálogos e Mobilizações

Publicações
 
 
 
Artigos Recentes
 
 
 
 
CFEMEA
O Centro Feminista de Estudos e Assessoria é uma organização não-governamental, sem fins lucrativos.
 
AUTOCUIDADO E CUIDADO ENTRE ATIVISTAS
   
UNIVERSIDADE LIVRE FEMINISTA
   
   
LINHA DO TEMPO CFEMEA
 
 
+55 61 3224 1791
   
  FALE CONOSCO