Priscilla Brito
Assessora do Cfemea

Está na pauta da CCJ e em regime de urgência um Projeto de Lei que retrocede na legislação sobre as candidaturas femininas nas eleições. O PL 2.996/2019, de autoria da Deputada Renata Abreu (PODEMOS/SP), acaba com a obrigatoriedade de preenchimento de 30% das vagas por mulheres. Segundo a justificativa da deputada, não seria “razoável supor que exista discriminação de gênero com aptidão para impedir candidaturas femininas ou para demandar medidas extremas”.

Renata Abreu recupera a ideia de que é possível reservar as vagas para as mulheres, mas sem necessidade de efetivamente preenche-las. Esse entendimento, já superado, foi o mesmo que levou ao descumprimento da Lei 9.504/1997, que reservou o mínimo de 30% para as candidaturas de mulheres nos legislativos municipal, estadual e federal e que apesar de avançar no debate, foi pouco efetiva. Só em 2009, com Lei nº 12.034, é que os partidos passaram a ser obrigados a cumprir o percentual de 30% e reservar parte do fundo partidário e do tempo de TV.

Ainda assim, o percentual de mulheres no parlamento aumentou muito pouco. Na legislatura de 1994 da Câmara Federal era de 6,6%. Passou para 8,6% em 2002 e para 10,5% em 2014. Isso porque, na prática, os partidos mantêm suas práticas discriminatórias, garantindo pouquíssimos recursos e dando menos visibilidade em relação aos homens candidatos.

O interesse da deputada Renata Abreu parte da sua própria experiência. Nas eleições de 2018, a Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo (PRE/SP) propôs uma ação de impugnação do seu mandato e de outros deputados eleitos pelo Podemos, motivada por denúncias de uso de candidaturas laranjas. Segundo a promotoria, em muitas denúncias havia um descontentamento das candidatas com o discurso de Renata Abreu, presidente do partido. Apesar de falar em empoderamento feminino para convencê-las a se candidatar, na prática houve pouquíssimo apoio e sua campanha concentrou quase a metade dos 30% do Fundo Partidário destinado às mulheres.

O aumento pífio na representação das mulheres no parlamento deveria ser motivo suficiente para convencer algumas deputadas de que o problema não está na lei de cotas, mas sim na dinâmica partidária ainda tão excludente, machista e desigual. Em comparação com os integrantes do G-20 - os países mais ricos do mundo – o Brasil é o penúltimo colocado. Faz feio internacionalmente e está muito longe de superar o caráter patriarcal da nossa política. Os movimentos de mulheres junto com as deputadas comprometidas com os direitos das mulheres estão organizadas contra mais este retrocesso.

   
Categoria
 
Alerta Feminista

Radar Feminista do Congresso

Notícias

Artigos e Textos

Diálogos e Mobilizações

Publicações
 
 
 
Artigos Recentes
 
 
 
 
CFEMEA
O Centro Feminista de Estudos e Assessoria é uma organização não-governamental, sem fins lucrativos.
 
AUTOCUIDADO E CUIDADO ENTRE ATIVISTAS
   
UNIVERSIDADE LIVRE FEMINISTA
   
LINHA DO TEMPO CFEMEA
   
 
 
+55 61 3224 1791
   
  FALE CONOSCO