sexocamello pornorato pornogato sexoinsectos sexoabeja sexococodrilo pornoguaxinim sexopavo sexocastor pornoantilope pornoeule sexopulpo sexepoulet sexopanda

CFEMEA - Centro Feminista de Estudos e Assessoria - Violência psicológica , Calúnia , Difamação , Injúria
www.avcilarevdenevenakliyat.com.trwww.beylikduzuevdenevenakliyat.com.tr www.sislievdenevenakliyat.com.trwww.bahcelievlerevdenevenakliyat.com.tr www.umraniyeevdenevenakliyat.com.trwww.goztepeevdenevenakliyat.com.tr
 
  Facebook Twitter
 
 
 
  Voltar a página inicial     
 
 
 
 
  VOCÊ ESTÁ AQUI: INÍCIO Jornal Fêmea Direito Penal  
 
 
 
 
Violência psicológica , Calúnia , Difamação , Injúria PDF Imprimir E-mail
 

A violência, principalmente a violência contra a mulher, se apresenta de várias formas: física, sexual ou psicológica. Já vimos a violência sexual - "estupro" e "atentado violento ao pudor" (Fêmea nº 55 - agosto 1997). Hoje veremos a violência psicológica.

argaiv1754

A violência psicológica, emocional ou moral é muitas vezes "sutil" isto é, leve, mansa, hábil, mesmo assim, não deixa de ser "violência" e abala o emocional da mulher.

Ser chamada de estúpida, boca aberta, burra ou louca, é violência psicológica. Da mesma forma, ser chamada de gorda, velha, feia, também é violência.

Sofrer chantagem emocional tipo ameaças de separação ou que vai tirar de você seus filhos, não vai lhe dar dinheiro para as despesas da família ou se "gaba" de sustentar a casa e por isto manda na família, são formas de violência emocional.

Contar suas "aventuras" sexuais fora de casa e deixar a mulher constrangida, é violência.

Muitas mulheres passam anos e anos sofrendo de violência psicológica, ou emocional, a tal ponto que, desesperadas, cometem desatinos, loucuras, até mesmo o suicídio. Para essa violência existem três tipos de crime em nosso Código Penal: calúnia, injúria e difamação. Estes tipos penais (crimes), também são chamados de "crimes contra a honra".

Calúnia

O Código Penal diz:

Artigo 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime.

Pena: detenção de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos e multa.

Assim, dizer que alguém cometeu um fato considerado crime, sem ser verdade (falsamente), é calúnia, crime contra a honra das pessoas. Por exemplo: chamar alguém de assassino, sem ter provas.

Difamação

O Código Penal diz:

Artigo 139 - Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação.

Pena: detenção de 3 (três) meses a 1 (um) ano e multa.

Desta forma, falar mal de alguém, dizendo que seu comportamento não é correto; ofender a reputação de alguém, com críticas mentirosas é considerado crime de difamação. Por exemplo: dizer em público que a mulher é safada ou piranha.

Injúria

O Código Penal diz:

Artigo 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade e o decoro.

Pena: detenção de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.

A dignidade de uma pessoa é o sentimento que ela tem sobre seus atributos morais e decoro é o sentimento, sobre si mesma, com relação a seus atributos físicos e intelectuais. Chamar, desejando ofender uma pessoa, de "vagabunda", "salafrária", "sem-vergonha", "vedete", "saliente", etc., é injúria. Não só as palavras podem ser injuriosas, escrever expressões ofensivas também é injúria, bem como praticar atos que venham ofender a dignidade ou decoro das pessoas.

A denúncia para estes três tipos de crime só pode ser feita pela própria vítima ou, em caso de menores ou incapazes, pelos seus representantes legais.

Todos estes crimes têm o mesmo encaminhamento:

  1. apresente queixa na Delegacia, de preferência na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher - DEAM;
  2. se puder, leve a queixa por escrito. Caso não seja possível, a policial que a atende anota as declarações;
  3. leve o nome completo, profissão e endereço do criminoso;
  4. ninguém deve sentir vergonha de contar, com detalhes, tudo que foi dito contra sua pessoa e da forma como aconteceu;
  5. caso tenha sido ofendida diante de alguém, peça a esta pessoa para lhe acompanhar e ser sua testemunha. Mesmo que ela não possa lhe acompanhar, leve seu nome completo, endereço e profissão, para que depois, ela seja chamada a depor a seu favor;
  6. solicite cópia do Boletim de Ocorrência - BO, para mover contra o criminoso ação para que ele desminta o que disse
  7. a vítima, depois que provar que houve a calúnia ou a difamação, pode pedir uma indenização em dinheiro, por perdas e danos morais.

Caso o caluniador ou difamador retire tudo o que disse (se retrate cabalmente, confesse que errou) antes da sentença, ele pode ser isento de pena. Já no caso de injúria, não há retratação.

Share
 
 
 
 
 
 
 

O CFEMEA

 

Temas trabalhados

 

Dia a Dia

 

Biblioteca

Quem somos   Orçamento Mulher   Semana no Congresso   Guia dos Direitos da Mulher
O que fazemos   Poder e Política   Notícias e eventos   Vídeos
Fale conosco   Enfrentamento à Violência   Nossas publicações e boletins  
  Direitos Sexuais e Reprodutivos   Jornal Fêmea  
  Trabalho e Proteção Social        
 
     
 
CFEMEA
Centro Feminista de Estudos e Assessoria
Brasília-DF, Brasil
+ 55 61 3224-1791
 
 
 

remta