Conferência Nacional de Mulheres Brasileiras já está fazendo jus a seu lema: 70 anos do voto feminino - da conquista formal à transformação radical. "A Conferência trouxe movimentação para as organizações de mulheres do país inteiro. Há tempos não via mobilização desse tamanho para discutir questões tão importantes e estratégicas," avalia Carla Batista, coordenadora do Fórum de Mulheres de Pernambuco.

O processo de conferências estaduais preparatórias para a Conferência Nacional de Mulheres Brasileiras continua a pleno vapor nos estados brasileiros. Essa etapa deve ocorrer até a segunda quinzena de maio, data das últimas conferências estaduais. Em Recife, a Conferência vai acontecer nos dias 26 e 27 de abril e a mobilização está grande: são esperadas 300 mulheres do estado de Pernambuco. E o número só não é maior por falta de dinheiro para alugar um espaço mais amplo e garantir a ida das mulheres do interior à capital.

Os parcos recursos estão sendo compensados pela vontade e interesse em participar desse momento histórico. Na conferência pernambucana, as despesas serão divididas pelas organizações envolvidas. Cada uma entra com o que pode: xerox, lanches, almoço. Uma comissão foi organizada para garantir a ida da delegação à Conferência Nacional. "Ainda não sabemos quantas pessoas poderão ir, mas seria maravilhoso se conseguíssemos levar as 300 mulheres," diz Carla Batista.

O tema da Conferência de Goiás, que aconteceu no dia 6 de abril, foi desdobramento do Dia Internacional da Mulher: Outro mundo é possível com a superação das desigualdades econômicas, sociais, de gênero, raça e etnia. Mais de 100 mulheres estiveram reunidas para discutir a Plataforma e os temas: Mulher e Desenvolvimento; Mulher e Gênero; Gênero, Raça e Etnia. "As modificações que sugerimos apontam para o papel do Estado, incluindo textos novos, sobretudo na área de saúde," explica Angelita Lima, coordenadora do Fórum Goiano de Mulheres.

Alguns estados resolveram aproveitar ao máximo as contribuições de segmentos específicos de mulheres e optaram pela realização de discussões regionais anteriores à conferência estadual. É o caso de Brasília e Rio de Janeiro. "Acreditamos que é uma forma de refrescar os grupos e movimentos de mulheres, atualizando pessoas, temas e questões," explica Graciela Rodriguez, da ONG carioca Ser Mulher. A Conferência do Rio de Janeiro vai acontecer no dia 10 de maio. Antes disso, Nova Friburgo, Baixada Fluminense, Volta Redonda e Região Litorânea do estado vão se encontrar para incorporar suas sugestões à primeira versão da Plataforma Política Feminista.

Encaminhamento

O Comitê Executivo Nacional organizou uma série de sugestões para o melhor andamento das conferências estaduais. Cada estado deve eleger delegadas, com direito a voto e voz, para a participação na Conferência Nacional. A sugestão é que se possibilite a ida de 50% das participantes no processo estadual e a lista com esses nomes deve ser enviada à Comissão Organizadora Nacional até o dia 30 de maio.

Todas as propostas de emendas à Plataforma deverão passar, necessariamente, pelo processo de discussão coletiva nos estados. As propostas podem ser modificativas, aditivas ou supressivas e devem ser encaminhadas ao Comitê até o dia 02 de maio.

O que é?

A Conferência Nacional de Mulheres Brasileiras (CNMB) está sendo convocada por articulações, redes e organizações nacionais do movimento feminista e de mulheres com o objetivo de construir uma Plataforma Política Feminista, dirigida à sociedade brasileira, visando o fortalecimento da democracia e a superação das desigualdades econômicas, sociais, de gênero, raça e etnia. A CNMB vai acontecer em Brasília, nos dias 6 e 7 de junho. Informações sobre a CNMB, os processos locais, a carta de princípios e a primeira versão da Plataforma Política Feminista estão na página da AMB: www.articulacaodemulheres.org.br.

Comissão Organizadora Nacional

  • Articulação de Mulheres Brasileiras
  • Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras para a III Conferência Mundial contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e Formas Conexas de Intolerância
  • Articulação Nacional de Mulheres Trabalhadoras Rurais
  • Comissão Nacional sobre a Mulher Trabalhadora da Central Única dos Trabalhadores
  • Fórum Nacional de Mulheres Negras
  • Rede de Mulheres no Rádio
  • Rede Nacional de Parteiras Tradicionais
  • Rede Nacional Feminista de Saúde e Direitos Reprodutivos
  • Secretaria Nacional de Mulheres do Partido Socialista Brasileiro
  • Secretaria para Assuntos da Mulher da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino
  • União Brasileira de Mulheres.
 
 
CFEMEA
O Centro Feminista de Estudos e Assessoria é uma organização não-governamental, sem fins lucrativos.
 
AUTOCUIDADO E CUIDADO ENTRE ATIVISTAS
   
UNIVERSIDADE LIVRE FEMINISTA
   
   
LINHA DO TEMPO CFEMEA
 
 
+55 61 3224 1791
   
  FALE CONOSCO