Retrocessos são aprovados e avanços são barrados em um Congresso Nacional conservador, permeado por interesses políticos e de cunho religioso. As mulheres continuam lutando pela efetivação e reconhecimento dos direitos sexuais e reprodutivos, pela implementação da Lei Maria da Penha, pela equiparação de seus direitos trabalhistas e pelo aumento da participação política.

O Congresso Nacional vem consolidando a prática de subestimar os interesses da sociedade e dos movimentos sociais em prol dos interesses políticos de seus parlamentares, que muitas vezes legislam a partir de suas crenças pessoais e religiosas. Prova disso foi a aprovação, em agosto deste ano, na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, do Projeto de Decreto Legislativo nº 1736/09, que trata do acordo entre o Brasil e o Vaticano relativo ao Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil. A aprovação dessa matéria com poucos debates deve servir de alerta à sociedade sobre o fortalecimento da presença religiosa no âmbito normativo e no parlamento, que abre possibilidades para privilégios entre o Estado e as religiões que têm poder de influência no Estado brasileiro.

Além disso, no campo dos direitos sexuais e reprodutivos, verdadeiros retrocessos encontram eco no Congresso Nacional. Projetos que prevêem desde o agravamento da pena à inclusão do aborto como crime hediondo, equivalendo-o a tortura, estupro e tráfico de drogas; que pretendem criar um cadastro de gestantes e bolsas-estupro explicitam a idéia de que a autodeterminação reprodutiva das mulheres não é considerada pela maioria d@s parlamentares.

Mulheres na política

A subrepresentação das mulheres na política e espaços de poder está longe de ser superada. Apesar da atuação persistente dos movimentos de mulheres, da Comissão Tripartite e Especial, para a revisão a lei de cotas e da Bancada Feminina o texto da reforma eleitoral sofre com a falta de vontade política para aumentar a participação das mulheres e modificar as estruturas do sistema político partidário que é extremamente excludente. Mesmo assim, a ação coletiva das mulheres permitiu avanços e limitações. A Lei aprovada

(12034/09) poderá contribuir para elevar a representação política feminina, a partir da combinação de três medidas: a reserva de 5% do fundo partidário à formação política das mulheres (e punição em caso de descumprimento), a reserva de 10% do tempo de propaganda partidária fora dos anos eleitorais para promover a participação feminina e a modificação do termo de reserva de vagas para preenchimento de vagas do sexo minoritário. Tais conquistas, porém, precisam estar associadas a conteúdos e plataformas políticas feministas que avancem em propostas em prol da cidadania feminina.

Direitos, igualdade e reconhecimento no mundo do trabalho feminino

As desigualdades vivenciadas pelas mulheres trabalhadoras são questões centrais no debate feminista. Um dos temas em discussão refere-se ao trabalho da diarista. Apesar da falta de disposição política em reconhecer essa atividade como trabalho doméstico e, dessa forma, merecedor de direitos, as propostas em debate no Senado, a partir do PLS 160/06, de autoria da senadora Serys Slhessarenko (PT/MT), e com relatório do senador Edison Lobão Filho (DEM/MA) não contemplam as reivindicações da categoria. O parecer do senador, por exemplo, reconhece vínculo empregatício apenas a partir de três dias de trabalho na semana e estabelece um piso mínimo de 1/15 do valor do salário mínimo. A Fenatrad, o CFEMEA, o Ministério do Trabalho e a SPM fizeram críticas ao projeto, apesar de considerarem importante a oportunidade de debater o assunto que urge regulamentação.

Atualmente, a construção política realizada pelas trabalhadoras domésticas, com o apoio do Cfemea, Organização Internacional do Trabalho (OIT) e SPM gira em torno da elaboração de proposta de emenda à Constituição para garantir todos os direitos a essa categoria. É preciso discutir com @s parlamentares, especialmente com a bancada feminina para que defendam essa proposta que será apresentada ao Congresso Nacional.

A ampliação da licença maternidade (PEC 30A/2007) também é palco de debates no Congresso. Atualmente, a legislação garante 180 dias apenas para funcionárias públicas federais. A PEC pretende ampliar esse direito para todas as trabalhadoras formais, com carteira assinada. No entanto, apenas estender o prazo da licença não garante que as mulheres terão uma estrutura de apoio, com creches no ambiente de trabalho, espaço para amamentar, estabilidade da gestante e a extensão da licença paternidade, pois o cuidado com @s filh@s não cabe somente às mulheres.

Direitos ameaçados por propostas conservadoras

O Congresso aprovou a Lei Maria da Penha em 2006 e considera-a como uma de suas grandes colaborações para a sociedade brasileira. No entanto, além de todas as dificuldades enfrentadas para sua implementação, a Lei sofre sérios riscos no âmbito legislativo, já que tramitam atualmente quatorze proposições legislativas para alterar seu conteúdo. Dentre elas, o PLS 156/2009, que propõe a Reforma do Código de Processo Penal (CPP) e incorpora em seu texto todo o procedimento criminal da Lei 9.099/95, que praticamente soterra a LMP no aspecto

penal. Se for aprovado, voltarão à cena no julgamento de crimes de violência doméstica: o juiz conciliador, a suspensão condicional do processo, a transação penal e não será mais possível a prisão em flagrante nem a prisão preventiva. Outro agravante é que @s juiz@s poderão não punir crimes cujas conseqüências sejam de menor repercussão social, arquivar os processos e instituírem a harmonia familiar como forma de resolução de conflito de violência doméstica.

Outro Projeto é o 5448/2009, do deputado Gonzaga Patriota (PSB/PE), que propõe a criação de mecanismo para coibir a violência contra o homem. Um absurdo, já que não há dados que sustentam a incidência da violência doméstica e familiar contra o homem. As pesquisas apontam as mulheres como vítimas da violência de gênero e os poucos homens vítimas dessa violência podem acionar os mecanismos já existentes.

No âmbito dos direitos civis, o novo Código civil promulgado em 2002/2003, traz garantias já previstas na Constituição de 1988, tais como o fim do pátrio poder, transferindo a responsabilidade do poder familiar tanto ao homem quanto a mulher; o casal pode fazer a gerência da família; o Estado deve proteger a família da violência, de conquistas no âmbito da união estável, civil e de pessoas de sexo diferente, do divórcio e da separação. Após seis anos em vigor, o Congresso Nacional quer modificar o novo código, e propõe alterações de perfil conservador no campo do direito da família. Se no período da reforma do Código se tinha uma idéia de ampliar o conceito de família, hoje várias propostas dos grupos conservadores querem restringir a ampliação do direito familiar, impedindo, por exemplo, o reconhecimento da união civil entre pessoas que mantêm relações homoafetivas.

Execução orçamentária: a importância do papel fiscalizador do Legislativo

Em relação ao orçamento público, está em tramitação o Projeto de Lei Orçamentária (PLOA) para 2010. A proposta não prevê recursos para 26 ações do Orçamento Mulher que deveriam ser prioridade, como a saúde da população negra e ações específicas de atendimento a mulheres vítimas de violência. Além disso, metade das ações responsáveis pelo cumprimento do II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres terão menos recursos para o ano que vem. Por isso é importante que as mulheres acompanhem, exijam que o Poder Legislativo coloque recursos e que fiscalize a execução dessas políticas, visto que, só em 2009, milhares de emendas para ações que fazem parte do Orçamento Mulher ficaram sem execução.

   
Categoria
 
Alerta Feminista

Radar Feminista do Congresso

Notícias

Artigos e Textos

Djumbai

Diálogos e Mobilizações

Publicações
 
 
 
Artigos Recentes
 
 
 
 
CFEMEA
O Centro Feminista de Estudos e Assessoria é uma organização não-governamental, sem fins lucrativos.
 
AUTOCUIDADO E CUIDADO
ENTRE ATIVISTAS
   
UNIVERSIDADE LIVRE FEMINISTA
   
   
LINHA DO TEMPO CFEMEA
 
 
+55 61 3224 1791
   
  FALE CONOSCO
 
Brasília
SCS Quadra 2 Bloco C
Ed. Goiás, Sala 602
Brasília, DF - Brasil
CEP 70317-900